Publicidade:

10 razões médicas para estar sempre com fome

Sente que a sua fome aumentou e não consegue explicar porquê? Cuidado, pois talvez seja um sinal dado pelo corpo para avisar que algo se passa com a saúde.

10 razões médicas para estar sempre com fome
Existem explicações médicas que podem explicar o aumento do apetite

Costuma dar consigo a pensar em comida várias vezes, como se tivesse uma sensação de fome? Se sim, saiba que o seu caso não é assim tão incomum.

Muitas pessoas não conseguem evitar comer mais do que o essencial no dia a dia, sem perceberem o porquê dessa permanente insatisfação. No entanto, a medicina tem alguns motivos que podem justificar o aumento do apetite.

10 razões médicas científicas para a fome constante


1. Stress

É nos momentos em que atravessa uma fase de grande tensão que o cortisol, conhecido como a hormona do stress, entra em ação para convencer o seu corpo a comer, mesmo que não tenha realmente fome e não seja necessária a ingestão de mais calorias.

2. Depressão

Para quem se encontra num estado de depressão ou de ansiedade, a comida pode ser vista como um refúgio. Parte desse comportamento pode estar relacionado com a falta de serotonina, um neurotransmissor responsável pelo bem-estar e pela felicidade, cujos níveis podem melhorar através da ingestão de alimentos como o chocolate negro, as batatas, os ovos e as bananas.

3. Insónia

Se não dormir entre 7 a 8 horas por noite, o seu corpo terá dificuldades em regular as hormonas que controlam os níveis de apetite quando acorda. A hormona da fome irá, assim, aumentar e levar à ingestão de vários alimentos calóricos, mesmo que o organismo não precise dessa quantidade.

fome

4. Período

São várias as mulheres que se apercebem que a sensação de fome constante aumenta durante o ciclo menstrual. Isto acontece devido às alterações hormonais que ocorrem nesse período de tempo, que podem levá-la a comer mais alimentos calóricos, como o chocolate, de forma a combater o cansaço e a desidratação que se pode fazer sentir nessa fase do mês.

5. Hipertiroidismo

Uma das causas do aumento do apetite está, por vezes, relacionada com o hipertiroidismo. A sua tiroide pode estar a produzir hormonas a mais, o que tornará mais rápido o metabolismo do seu corpo, fazendo com que coma mais do que é habitual para sentir uma total satisfação.

Tente perceber se esse desejo de comer é acompanhado de cansaço, unhas frágeis, mau humor ou perda de cabelo, pois esses sintomas fazem parte do hipertiroidismo.

6. Obesidade

A fome constante pode levar à obesidade, uma vez que existe um excesso de comida no organismo. Esse acúmulo excessivo de gordura corporal é um ciclo vicioso, pois fará com que queira saciar ainda mais o seu apetite, devido ao aumento dos níveis de insulina.

7. Desidratação

O facto de sentir fome pode também ser um alerta do seu corpo para a falta de água existente no organismo, pois o aumento do apetite é um dos sintomas da desidratação. Antes de ter sede, o seu corpo irá fazer com que sinta fome. O melhor é ter uma garrafa de água sempre por perto, podes deve beber entre 1,5L a 2,5L de água por dia.

8. Hipoglicemia

A hipoglicemia ocorre quando o nível de açúcar no sangue se encontra abaixo do normal, uma consequência que pode estar ligada ao ato de saltar as refeições ou a problemas do pâncreas.

Se sofre deste problema, poderá ver a sua barriga a aumentar pois o seu corpo irá implorar-lhe que ingira alimentos energéticos. A fome que sente é um sinal do organismo enviado para o cérebro, com o objetivo de convencer o indivíduo a comer mais, para que haja mais açúcar no sangue.

fome

9. Diabetes

Se sofre de diabetes do tipo 1 ou 2, poderá deparar-se com os seus níveis de açúcar constantemente desequilibrados, o que irá aumentar-lhe a fome para que recupere o equilíbrio roubado por esta doença.

O baixo nível de açúcar desencadeia a fome constante, mas se comer demais poderá obter um maior nível do que aquele que é pretendido, o que também não irá saciar o apetite. O recomendado é que se mantenha longe de alimentos processados com carboidratos, de forma a manter uma alimentação saudável.

10. Medicamentos

Existem alguns medicamentos que aumentam o apetite, como os antidepressivos ou os que ajudam a combater alergias ou anti-convulsões. No entanto, não deixe de os tomar. O mais correto é perguntar ao seu médico sobre a melhor forma de contornar este problema.

O que significa quando o seu corpo pede estes alimentos?


Se tem sentido vontade de comer algum dos alimentos que integram esta lista, saiba que também existe uma explicação científica que justifica esse desejo.

O seu corpo pode estar, desta forma, a avisar que algo se passa com a sua saúde. Por isso, não ignore as vontades súbitas que lhe iremos mostrar em seguida.

Chocolate

chocolate

Se pensa várias vezes em chocolate e o quer consumir constantemente, esse pode ser um sintoma de depressão. Ingerir alimentos doces irá fazer com que se sinta melhor, de acordo com um estudo feito pela American Chemical Society. Isto porque os mesmos aumentam os níveis de serotonina e dopamina no cérebro para que se sinta bem, e reduzem o stress e a tensão muscular.

Refrigerantes

refrigerantes

Há quem não consiga passar um dia sem consumir refrigerantes, o que pode significar que existe um desejo de cafeína, uma vez que estas bebidas contêm a quantidade suficiente de cafeína para ajudar a despertar o cérebro. Existe também uma pequena probabilidade deste desejo se dever à falta de cálcio.

Gelo

gelo

Se começar a sentir um desejo súbito de chupar gelo, isso pode ser um sinal de anemia, segundo um estudo publicado em 2014. Consumir gelo pode aumentar temporariamente o fluxo sanguíneo para o cérebro, o que irá contrariar a desaceleração causada pela falta de ferro. O cansaço é também outro sintoma de anemia.

Pipocas

pipocas

Se tem sentido vontade de fazer pipocas em casa mais vezes do que o normal, isso pode querer dizer que o seu corpo lhe está a pedir sódio e glicose para conseguir funcionar corretamente, principalmente se antes tiver feito exercício físico ou suado muito.

Batatas fritas

batatas fritas

Se este alimento gorduroso for consumido em grandes quantidades, talvez esse desejo se deva à falta de gordura saudável no corpo, o que significa que o mesmo está a pedir Ómega 3. Esta gordura pode ser encontrada no salmão, no azeite, nas nozes e no abacate, entre outros.

Salgados

salgados

A vontade de comer alimentos com sal pode ter a ver com uma deficiência mineral. Segundo um estudo publicado pela revista Physiology and Behavior, as mulheres que têm mais desejo de consumir alimentos salgados têm menores níves de cálcio, magnésio e zinco.

Água

agua

Caso sinta muita sede, isso significa que está desidratado e que o seu corpo lhe pede água. No entanto, se sente uma enorme necessidade de beber líquidos, esse pode ser também um sintoma relacionado com os diabetes, que causam uma sede constante e aumentam a necessidade de urinar.

Queijo

queijo

O queijo contém o aminoácido L-Triptofano, um composto que melhora o humor e ajuda a relaxar. No entanto, esse desejo também pode querer dizer que está a ter problemas cognitivos no que respeita à concentração e à memória. Pessoas que sofrem de falta de atenção e hiperatividade são mais propensas a comer queijo em maior quantidade.

Vontade de  comer qualquer coisa

comer

Depois de ter lido esta lista, pode ter percebido que se encontra no grupo de pessoas que têm mais do que um dos desejos acima referidos. Há quem comece a ter uma fome excessiva que o faz querer ingerir qualquer alimento, desde que se sinta saciado.

Se estiver nessa situação, talvez o seu corpo esteja a sofrer de desidratação. A sede é, geralmente, o último sintoma deste problema, o que leva a que os indivíduos fiquem confusos com os sinais que lhes estão a ser transmitidos pelo organismo.

O recomendado é que beba um copo de água sempre que sentir desejo de comer algo, doce ou salgado, em vez de ingerir uma maior quantidade de alimentos.

Veja também:

Cátia Tocha Cátia Tocha

Formada em Ciências da Comunicação pela Universidade Autónoma de Lisboa, onde concluiu Licenciatura e Mestrado, começou o seu percurso como jornalista na Rádio. Hoje, escreve sobre diferentes áreas e tem já alguns anos de experiência na escrita para meios online.