Ressonância magnética: tudo o que precisa de saber

É prejudicial à saúde? Quais são os riscos? Conheça aqui alguns dos mitos que se criaram em torno da ressonância magnética.

Ressonância magnética: tudo o que precisa de saber
Uma tecnologia complexa ao serviço da saúde

A ressonância magnética revolucionou o processo de diagnósticos e da avaliação das patologias articulares, do sistema nervoso central ou abdominal, mas continuam a ser muitos os mitos que fazem deste precioso exame um bicho de sete cabeças. Desfazemos já as suas dúvidas – é um exame completamente inofensivo ao organismo.

Ressonância magnética: tudo o que precisa saber

Como funciona?

Com uma tecnologia altamente complexa e precisa, este exame de diagnóstico baseia-se na emissão de ondas de radiofrequência num forte campo magnético. Torna possível obter imagens precisas do corpo humano nos seus mais variados planos: axial, coronal e sagital.

Há riscos?

Por não utilizar os temidos raios-X ou quaisquer outras radiações ionizantes, a ressonância magnética serve com precisão e é considerada um exame inócuo, ou seja, completamente inofensiva ao organismo.

Cuidados ter antes e durante o exame

  • Deve estar em jejum, no mínimo, há 3 horas;
  • É permitida a ingestão de água apenas nos casos em que o paciente necessita de fazer a toma de algum medicamento indicado;
  • Por existir um forte campo magnético na sala do exame, é preciso que remova todo e qualquer objeto possível de ser atraído, como anéis, piercings, brincos, óculos, ganchos de cabelo e próteses.

Quem não pode fazer o exame?

As pessoas que, por questões de saúde, dependem dos seguintes dispositivos não se podem submeter a uma ressonância magnética, a saber:

  • Clips de aneurisma cranianos;
  • Pacemaker cardíaco;
  • Desfibrilador cardíaco;
  • Cateter;
  • Sistema de estimulação neural;
  • Sistema de estimulação espinal;
  • Implante coclear;
  • Tubos metálicos nos ouvidos;
  • Bomba de insulina;
  • Quaisquer implantes metálicos;
  • Fragmentos metálicos no corpo;
  • Agrafos cirúrgicos;
  • Parafusos, varetas, placas ou fios nos ossos;
  • Algumas tatuagens;
  • Alguns tipos de maquilhagem.

Os equipamentos

Existem dois tipos de equipamentos para fazer ressonâncias magnéticas. Um, o mais tradicional, com túnel – no qual o paciente fica deitado numa plataforma que entra num túnel aberto nas duas extremidades. O outro é um tipo de equipamento com cadeira reclinada – e que evita desconforto em casos de claustrofobia. Neste, o paciente fica sentado numa cadeira reclinada e apenas a parte do corpo que deve ser analisada é colocada numa pequena concavidade. Todo o resto do corpo fica fora do equipamento.

Curiosidades acerca da ressonância magnética

  • Durante o exame, a máquina vai emitir um ruído que se assemelha ao som de um martelar;
  • É essencial que o paciente fique imóvel e relaxado durante o exame;
  • A ressonância magnética dura 30 minutos, em média;
  • É um exame indolor;
  • Pode ser necessária a aplicação de uma pequena dose de um produto de contraste, que pode provocar algum calor no braço onde foi injetado.

Veja também: