Uma road trip pela Escócia

Roteiro essencial de passagem obrigatória por lugares de históricas batalhas, monstros pré-históricos e natureza em todo o seu esplendor. 

Uma road trip pela Escócia
Uma viagem real pela Escócia do nosso imaginário

Edimburgo, capital da Escócia, é uma cidade que sobe e desce colinas, supostamente sete tal como Lisboa. A famosa Royal Mile, uma sucessão de ruas que atravessa a parte antiga entre o resistente Castelo de Edimburgo e o Palácio Holyrood, é disso exemplo. Tal como o são muitas ruelas que, nestas paragens, se chamam closes. E, claro, Calton Hill, o monte património mundial UNESCO onde encontramos importantes monumentos que já nos deixam a curiosidade aguçada para ir em busca da História deste país de gente corajosa. 

Por isso mesmo, a Escócia do nosso imaginário leva-nos mais longe, bem mais longe do que a “grande” cidade. De preferência numa viagem de carro alugado para que possamos ceder, em cada curva da estrada ou cruzamento, à vontade de mudar os planos. Como em qualquer road trip que se preze. 


A Escócia de lés-a-lés


A sugestão é que comece pelo sudeste, em direção à região das Borders, as fronteiras tantas vezes utilizadas como travão das investidas das tropas inglesas. Estes conflitos sentem-se e vêem-se hoje nas ruínas de edifícios antigos destruídos ao longo do circuito das Border Abbeys, uma série de conventos de arquitetura fantástica construídos no século XII e devastados no século XVI. Destaque para os conventos de Melrose, Kelso, Dryburgh e Jedburgh. 

Escócia ponte

Créditos da imagem: fotoviajar.comSeguindo depois para oeste, um marco importante da história da humanidade é New Lanark, uma aldeia fundada em 1785 nas margens do bonito rio Clyde e perto das suas quedas de água. A localização escolhida deve-se à necessidade de água corrente para que esta fiação se tornasse a maior produtora de algodão da Grã-Bretanha por volta de 1800. Mas o que faz com que New Lanark seja considerada património mundial é o facto das condições de trabalho concebidas pelo idealista utópico Robert Owen, neto do altruísta fundador David Dale, estarem muito à frente do seu tempo: casas dos trabalhadores com condições, possibilidade de irem à escola noturna, assistência sanitária gratuita, comida a preços acessíveis. E os seus filhos menores não trabalhavam e iam à escola!



Das Lowlands às HighLands

Com o sudoeste na rota, já na orla de um penhasco sobre o mar, o Castelo de Culzean é um bom exemplo do estilo do arquiteto neoclássico Robert Adam. Com vista a condizer. Fazendo-nos à estrada com intenção de deixar as Lowlands (Terras Baixas) e entrar nas Highlands (Terras Altas), talvez valha a pena passar ao largo de Glasgow em busca da natureza escocesa.

Com esta cidade para trás, conduzimos ao largo do Loch Lomond e do Parque Nacional The Trossachs, em direção a Oban, uma pequena cidade numa encantadora baía que é quase uma ferradura perfeita, protegida pela ilha Kerrera. Esta é a “porta de entrada para as ilhas”, para quem quiser fazer um passeio de barco ou apanhar o ferry, e a “capital escocesa do marisco”.

A partir deste ponto, o verde torna-se ainda mais intenso. As paragens para fotografar à beira da estrada vão ser muitas e castelos surgem do nada, alguns em pequenas ilhas. Após deixarmos a A82 que segue para norte e tomando a A87, uma das visitas obrigatórias é o Castelo de Eilean Donan, um dos mais fotografados do mundo. Muito provavelmente devido à sua localização perfeita, com ponte de pedra sobre a maré cheia e tudo. O interior conta mais um pouco da história do país. O topo das torres mostra o cenário envolvente. 
 

Escócia paisagem

Créditos da imagem: fotoviajar.com


De Skye para Inverness

A entrada na Ilha de Skye pode fazer-se sem recurso a ferries através da Ponte de Skye, na A87 que rasga a ilha passando pela capital Portree, um bom local para pernoitar depois de provar os pratos típicos num dos excelentes restaurantes da cidade, com destaque para os pratos confecionados com o que vem do mar. A natureza aqui é rainha.

Dando a volta completa à ilha por estradas mais ou menos estreitas é impossível não ficar fascinado pelas montanhas ou formações geológicas de Quiraing, Cuillins e, obviamente, o Storr e o seu monólito de 49m (Old Man of Storr) que nos acompanha pela estrada. Destaque ainda para o mar imenso que guarda quintas abandonadas, castelos, ovelhas e vacas, pegadas de dinossauros na praia de Staffin, penhascos, pequenas aldeias salpicadas de casas e o Museu da Vida na Ilha de Skye.

Escócia road trip

Créditos da imagem: fotoviajar.comDeixando Skye de volta à A87 e depois pela A82 para norte, o destino passa a ser o Loch Ness, onde o objetivo claro é encontrar o monstro que é supostamente avistado desde o século VI. Em Drumnadrochit, a exposição oficial mostra fotografias e apresenta explicações científicas capazes de convencer os céticos. Outro ponto de interesse ao longo da estrada é o Castelo de Urquhart, que se ergue imponentemente sobre as águas. 

O chegar de novo ao mar faz-se na capital das Highlands, Inverness. Parecendo mais uma pacífica vila, a cidade atravessada pelo rio Ness tem um encanto especial e é o lugar perfeito para ficar a conhecer todo o folclore, modo de vida e artesanato da região. Entre muitos outros, alguns pontos a visitar são a Old High Church (igreja), o Victorian Market (Mercado Vitoriano), o Caledonian Canal, o Castelo de Inverness. 


Escócia ruína


De volta a Edimburgo, até ao próximo regresso

A partir daqui, temos duas hipóteses. A primeira necessita de bem mais tempo. Seguindo mais para norte em direção a Thurso, visitamos as Ilhas Orkney, descobrindo a sua singularidade, lugares megalíticos e inúmeras aves como os puffins (papagaios-do-mar). A segunda hipótese leva-nos a subir um pouco para ir até ao Fort George, um dos melhores exemplos de arquitetura militar europeia, podendo depois começar a rumar para sul. 

Aventuramo-nos por estradas agrícolas até chegar ao Parque Nacional Cairngorms, o maior das ilhas Britânicas. A cidade de Aviemore é uma boa base para nos alojarmos e explorarmos todas as atividades do parque: caminhadas, BTT, ski, golf, avistar animais no seu habitat. Existe também um parque de vida selvagem, o RZSS Highland Wildlife Park, onde podemos circular no nosso próprio carro (ou no alugado) para ver imensos animais em liberdade. 

Escócia Castelo

Créditos da imagem: fotoviajar.comMais a sul, estamos numa das zonas da Escócia com mais destilarias. Escolha uma para visitar. Em Pitlochry, por exemplo. 

No regresso a Edimburgo, a viagem terá demorado cerca de uma semana (se não formos às Ilhas Orkney). Este é apenas um de muitos percursos possíveis para fazer uma road trip inesquecível na Escócia. Não fomos a Ullapool ou Stirling. Passámos ao largo de Glasgow e do Circuito de Royal Deeside (que liga Perth a Aberdeen)... Mas este país místico vai continuar lá, à espera da nossa próxima visita.

Veja também:

Luís Seco Luís Seco

Autor do blog FotoViajar e do Visit Évora, que criou com o intuito de dar a conhecer a sua cidade e a singular região do Alentejo. Embora enquanto mais jovem não tivesse o hábito viajar, hoje em dia a curiosidade de saber o que existe e como se faz noutros lugares levam-no a estar sempre a pensar em viagens. Gosta especialmente de road trips mas é igualmente fã de cidades cosmopolitas e daquelas que marcaram a História.