Publicidade:

Roubo de identidade: conheça os casos mais comuns e proteja-se

Entenda como funcionam os casos mais comuns de roubo de identidade e saiba como proteger os seus dados pessoais.

Roubo de identidade: conheça os casos mais comuns e proteja-se
Proteja sempre seus dados pessoais

No dia 28 de janeiro, é comemorado o Dia Europeu da Proteção de Dados. Em 2016, a Comissão Nacional de Proteção de Dados, ou CNPD, elegeu o combate ao roubo de identidade como um dos principais temas a ser combatido.

Uma das maiores preocupações da CNPD é a banalização do uso das fotocópias dos bilhetes de identidade ou cartões de cidadão e a divulgação dos dados pessoais, como números de telemóveis, em redes abertas.

A fotocópia do bilhete de identidade é uma prática já banalizada, porém duramente condenada pela legislação e pela Direção-Geral da Política de Justiça, a DGPJ. A orientação é para que o cidadão apenas autorize a cópia dos seus documentos nos casos previstos por lei ou mediante decisão de autoridade judiciária.

Entretanto, a maior divulgação de dados pessoais ainda é feita na internet, através das redes sociais, compras online e nas páginas falsas das instituições financeiras.

Os 3 casos mais comuns de roubos de identidade


Roubo de identidade: criminal

No caso do roubo de identidade para fins criminais, o foco está em usar os dados pessoais de alguém para cometer crimes financeiros. Não existe nenhuma garantia de que se está seguro contra este tipo de ação, que normalmente acontece através da internet, com a prática do phishing.

O phishing deriva da palavra inglesa fishing e está associado ao ato de “pescar” informações online. Esta recolha de dados é feita através de mensagens spam, mensagens pop-up e até mesmo páginas web falsas, que se fazem passar por páginas legítimas de entidades financeiras.

Com estes recursos, a intenção é a de recolher o maior número de informações secretas possíveis, como passwords pessoais, nomes de utilizador, NIF, NIB e números do cartão de crédito, por exemplo.

Caso desconfie que pode ter sido vítima de phishing, faça uma verificação no sistema criminal. É possível, em vários países, conhecer o seu registo criminal online. Em seguida, entre em contato com as autoridades responsáveis imediatamente.

phishing

Roubo de identidade: clonagem

Em situações mais extremas, muitos cidadãos têm as identidades inteiramente clonadas e não desconfiam. O uso de dados pessoais é duplicado e, muitas vezes, passam-se anos sem que se saiba que existe outra pessoa a usar as informações para contrair dívidas.

Normalmente, as vítimas da clonagem só o descobrem quando recebem telefonemas a cobrar pagamentos não realizados, multas de carros que não possuem, entre outros exemplos.

Alguns dos casos mais comuns de clonagem de identidade acontecem através do roubo ou extravio de passaportes. Por isso, independentemente de onde esteja, se o seu passaporte foi roubado ou perdido, é importante dirigir-se ao consulado do seu país para comunicar a perda. Esse documento é, então, anulado e as autoridades nos aeroportos, assim como a polícia, serão alertadas.

Roubo de identidade: comercial

O roubo de identidade que envolve o comércio, geralmente, acontece dentro das empresas e grandes organizações. O grande número de funcionários contribui para que a rotatividade de dados pessoais seja alta.

Seja através de sistemas internos ou ficheiros impressos, dificilmente um empregado pensa em quem poderá estar a manipular as suas informações. Assim, pessoas mal-intencionadas costumam recolher estes dados com a intenção de comercializá-los ou cometer outras fraudes.

Outra situação possível no roubo de identidade da área comercial envolve o mesmo panorama apresentado acima, mas as informações recolhidas são as da própria empresa. Com o uso dos dados para tirar proveito do crédito empresarial da organização. Por isso, as empresas com muitos funcionários e que movimentam grandes valores costumam ter um sistema interno de segurança diferenciado para tentar garantir a proteção.

Como se deve proteger do roubo de identidade


segurança

O maior alerta é feito para as redes sociais. No mundo contemporâneo, é muito normal partilhar sempre tudo, sem ter em conta aqueles que podem, através de uma foto, saber onde a pessoa trabalha e/ou mora. É importante utilizar as redes sociais de maneira mais cuidadosa, para evitar uma exposição desnecessária.

Veja também: