Seguros de capitalização: O que são e como funcionam

Tudo o que precisa saber sobre os seguros de capitalização. O que são e como funcionam estes produtos financeiros destinados à constituição de poupança.

Seguros de capitalização: O que são e como funcionam
O que saber.

Os seguros de capitalização ganharam alguma preponderância no mercado financeiro, nomeadamente como alternativa a produtos bancários para poupanças (depósitos a prazo, por exemplo), dado o período de baixas taxas de juro que estes atravessam. Contudo, apesar da designação, os seguros de capitalização não são seguros normais. Saiba tudo sobre os seguros de capitalização.
 

Seguros de capitalização – o que são?

Os seguros de capitalização são produtos financeiros destinados à constituição de poupanças, que garantem, na maioria das vezes, o capital investido. Assim, os seguros de capitalização denominam-se de seguros financeiros, embora se “comportem” de forma muito idêntica aos fundos de investimento. Isto porque, estes produtos financeiros, embora possuam o formato jurídico de seguro de vida, não se destinam a segurar o risco financeiro de perda de vida. Pretendem, na realidade, funcionar como oportunidade de acumulação de património. 

 

Como funcionam

Porque se trata de um produto financeiro com a mesma fiscalidade de um seguro de vida, a tributação dos seguros de capitalização diminui ao longo do tempo do investimento, ou seja, têm vantagens fiscais relativamente a outros produtos financeiros. Além de garantir a maioria do capital investido em caso de vida, um seguro de capitalização garante ainda o pagamento do capital investido e a respetiva remuneração aos beneficiários em caso de morte.

Tal como nos seguros de vida, para subscrever um seguro de capitalização é necessário assinar uma apólice de seguro e designar os beneficiários em caso de morte.

Existem dois tipos de seguros de capitalização:
  • Capital garantido, ou seja, garante o capital investido e uma taxa de retorno, mesmo que mínima;
  • Sem capital garantido, ou seja, o retorno é incerto.
 

Vantagens e desvantagens

Vantagens: ideal para investir poupanças a médio e longo prazo, mas com riscos; benefícios fiscais interessantes (taxas de imposto sobre o rendimento inferiores); capital e rendimentos isentos de imposto de selo.

Desvantagens: elevadas comissões de subscrição e de resgate, que reduzem a sua liquidez; inexistência de um mecanismo de segurança (é da responsabilidade das seguradoras, o que poderá ser um problema em caso de falência).


Veja também: