PLANO DE SAÚDE MEDICARE - 6 mensalidades sem compromisso

Septicemia: uma infeção grave

A septicemia é uma infeção grave que se generaliza por todo o corpo.

Septicemia: uma infeção grave
Também conhecida por sepsis

A septicemia, também conhecida por sepsis, consiste numa infeção que se alastra por todo o corpo humano, e tem bastante gravidade. Ela é geralmente consequência de alguma infeção localizada em alguma parte do organismo (pulmões, zona abdominal, brônquis, sistema urinário…), sendo que rapidamente se espalha pela corrente sanguínea, dando lugar à infeção generalizada.


Tudo sobre a Septicemia

Os vírus aproveitam a corrente sanguínea para que a mesma seja o seu meio de transporte e, estando a temperatura corporal mais elevada, as condições são mais do que favoráveis para que estas bactérias se vão alojando em cada vez mais áreas do organismo.

Podemos então dizer que a septicemia pode ser uma complicação de uma doença já existente, como uma pneumonia, por exemplo.

Apesar de ser possível de surgir em qualquer idade, a septicemia é mais comum nos recém nascidos (septicemia neo natal) e nos idosos, por serem, regra geral, os grupos com mais carências ao nível do sistema imunitário.

Existe cura para a septicemia, mas a atuação dos médicos tem de ser rápida e eficaz, pois nestes casos cada minuto pode ser vital. Ao mínimo sinal de que algo não estará bem, dirija-se ao hospital para um diagnóstico mais preciso.

 

Sintomas

Os sintomas da septicemia são bastante semelhantes aos sintomas de uma forte gripe ou de uma pneumonia:

  • Febre muito alta,
  • Fortes arrepios,
  • Suores,
  • Batimentos cardíacos irregulares,
  • Respiração iregular e basntate mais rápida,
  • Confusão mental,
  • Fraqueza,
  • Enjoos,
  • Vómitos,
  • Diarreia,
  • Convulsões,
  • Hipoglicemia,
  • Pressão arterial instável.

Além disso, e dependendo do local do foco da infeção, podem surgir sintomas ao nível local.

 

A septicemia é contagiosa?

A septicemia em si não é contagiosa; o que pode ser contagioso será o problema inicial que desencadeou a sepsis, ou seja, a infeção primária poderá ser de origem infeciosa.

É por isso essencial que se consiga identificar o foco da infeção para perceber o grau de contágio e, se necessário, isolar devidamente o paciente.

 

Diagnóstico e Tratamento

Para detetar uma septicemia pode ser necessário efetuar diversos exames. Radiografias podem auxiliar no diagnóstico, mas as mesmas devem ser apoiadas em análises à urina e ao sangue para confirmar as possíveis infeções.

Após confirmação da doença, devem ser feitas análises regulares para ir controlando os valores.

Em termos de tratamento, a abordagem à septicemia é feita com antibióticos via intravenosa. Pela gravidade do problema, este tratamento é geralmente feito com o paciente internado, de forma a monitorizar a forma como reage e a evolução da doença.

Veja também: