Os 4 smartphones mais rápidos de 2017

Os smartphones mais rápidos são os que integram os melhores processadores, de forma a que as suas operações sejam executadas mais rapidamente.

Os 4 smartphones mais rápidos de 2017
Os smartphones mais rápidos e com os melhores processadores

O processador é uma peça nuclear num smartphone, uma vez que é o que determina a velocidade a que executa as operações. É como se fosse o seu cérebro. Por isso, os smartphones mais rápidos são aqueles que têm os melhores processadores.

É crucial que os smartphones operem da forma mais rápida possível. Mas o que faz um telemóvel ser mais rápido do que os outros? O número de núcleos no processador não é suficiente.

Idealmente, um processador ou SoC (system-on-a-chip) consiste na unidade de processamento central (CPU), unidade de processamento de gráficos (GPU), modem, processador multimédia, segurança do dispositivo e processador de sinal. Este conjunto de características torna difícil nomear um destes gadgets como o mais rápido.

Em teoria, os telemóveis mais rápidos têm um processador com velocidade de, pelo menos, 2 Ghz, uma excelente capacidade de memória RAM e um processador de, pelo menos, seis núcleos (mas de preferência octa-core).

Sendo assim, esta lista enumera os smartphones mais rápidos, sendo que nenhum é, necessariamente, mais rápido do que o que figura a seguir na lista.

Os 4 smartphones mais rápidos do mercado

1. Huawei Mate 10 e Mate 10 Pro

huawei mate 10Fonte: Huawei

Inovadores, o Huawei Mate 10 e o Mate 10 Pro são os primeiros telemóveis a incorporar uma NPU (Neural Processing Unit), concebida para explorar Inteligência Artificial (IA).

Como referido na review do Huawei Mate 10, estes telemóveis vêm equipados com o SoC Kirin 970, inteiramente dedicado para funções de IA. O Mate 10 tem 4GB de RAM, enquanto o Mate 10 Pro tem 6 GB. Ambos são octa-core (4×2.4 Ghz Cortex-A73 & 4×1.8 Ghz Cortex-A53 no caso do Mate 10 Pro, e 1.8 Ghz no caso do Mate 10).

2. Samsung Galaxy S8

GalaxyFonte: Samsung

Apontado por muitos como o melhor smartphone do mundo, o Samsung Galaxy S8 tem um CPU Exynos 8895 octa-core (4×2.3 Ghz & 4×1.7 Ghz, na versão europeia, do Médio Oriente e África) e Qualcomm MSM8998 Snapdragon 835 (4×2.35 Ghz Kryo & 4×1.9 Ghz Kryo, na versão chinesa e dos Estados Unidos da América). Conta com uma capacidade de RAM de 4 GB.

3. Google Pixel 2 XL

PixelFonte da imagem: Google

Não há smartphone que tenha uma câmara melhor que o Google Pixel 2 e Google Pixel 2 XL. Este smartphone é também um forte candidato ao título de melhor smartphone do mundo. Com 4 GB de RAM, este telemóvel tem um Qualcomm MSM8998 Snapdragon 835, octa-core (4×2.35 Ghz Kryo & 4×1.9 Ghz Kryo).

4. iPhone 8 Plus

iPhoneFonte: Apple

Um dos smartphones mais aguardados do ano, sendo que, caso tenha pouco sucesso de vendas, tal será quase de certeza por causa do iPhone X. Este gadget (tal como o iPhone 8iPhone X), com 3 GB de RAM, integra o novo processador da Apple, o A11 Bionic, um hexa-core (2x Monsoon + 4x Mistral). De acordo com um teste de benchmark, este chipset ultrapassou o Snapdragon 835 e o Exynos 8895.

A velocidade importa assim tanto?

Os telemóveis dos dias correntes são cada vez mais complexos e efetuam operações que muitos computadores nunca sonharam conseguir executar. Por isso, os fabricantes de SoC têm trabalhado sempre no sentido de fazer com que os smartphones sejam incansáveis e mais rápidos a processar todo o tipo de operações.

Uma das formas que responder a essa necessidade é desenhar processadores com vários núcleos, de modo a que estes “façam turnos” e se especializem em tarefas. Os núcleos mais poderosos encarregam-se de executar tarefas mais exigentes (como jogos, por exemplo), enquanto os núcleos mais fracos se ocupam de operações mais leves, como trocar mensagens e enviar e-mails, por exemplo.

No entanto, é importante ressaltar que nem sempre um número maior de núcleos se traduz em eficiência e rapidez. Isto porque, por vezes, há desperdícios de energia em alguns momentos.

É preciso ter também em conta a memória RAM do dispositivo e avaliar a sua eficiência energética. Tudo isto se relaciona diretamente com a velocidade.

Veja também:

Ana Duarte Ana Duarte

Jornalista e gestora de comunicação no projeto Patient Innovation, Ana Duarte é mestre em Ciências da Comunicação, pela Universidade do Porto. A sua paixão pela escrita começou cedo, quando aprendeu a escrever e começou a criar os seus próprios jornais. Interessa-se por tecnologia, desporto, cinema e literatura.