Publicidade:

18 sinais de que o seu filho pode ser sobredotado

O aluno sobredotado tem altas aptidões académicas, pensamento criativo, capacidade de liderança e grande motivação. Saiba como identificar estas crianças.

18 sinais de que o seu filho pode ser sobredotado
3% a 5% das crianças e adolescentes têm altas capacidades

Falar em sobredotação e na educação do aluno sobredotado é mais fácil hoje do que há algumas décadas. A sociedade está cada vez mais atenta às capacidades superiores destas crianças, melhor preparada para as reconhecer e conviver com elas.

Sobredotação: o que é?


Definir sobredotação é uma tarefa difícil porque este conceito está em constate evolução. Inicialmente, acreditava-se que o aluno sobredotado era aquele que apresentava altas capacidades cognitivas.

Estudos mais recentes mostram a importância de ter também em conta as elevadas capacidades em muitas outras aptidões. A inteligência não é o único critério de sobredotação, pois não permite identificar crianças talentosas noutras áreas, como a música, a pintura ou o desporto.

O aluno sobredotado pode apresentar altas habilidades em diferentes e variados domínios:

Intelectual: perceção; memória; organização; análise; síntese; raciocínio; resolução de problemas;

Académico: nível elevado de conhecimentos; facilidade de aprendizagem das matérias escolares num ou mais domínios curriculares;

Artístico: pintura, música, teatro, literatura; escultura;

Social: habilidades de comunicação; relacionamento interpessoal; compreensão dos sentimentos dos outros; liderança;

Motor: expressão e coordenação motora; atividades físicas e desportivas em geral;

Mecânico: capacidade de compreensão e resolução de problemas técnico-práticos; manuseamento de esquemas e equipamentos mecânicos, eletrónicos ou computacionais;

Acredita-se que a sobredotação resulta da interação de três fatores importantes: habilidade acima da média, criatividade (capacidade para pensar e resolver problemas de forma original) e grande envolvimento nas tarefas (altos níveis de interesse).

aluno sobredotado

4 mitos acerca da sobredotação


Surgem, muitas vezes, ideias erradas acerca da sobredotação. Vamos esclarecer alguns dos principais mitos:

Mito 1: o aluno sobredotado possui um potencial intelectual global: são raras as crianças que possuem esta característica; os sobredotados são-no, geralmente, apenas numa área específica e não em várias;

Mito 2: o aluno sobredotado é detentor de um Q.I. (quociente de inteligência) bastante elevado: nem sempre é assim, pois os testes de inteligência não estão vocacionados para testar áreas criativas, como a música; se uma criança for excecional na área da música o seu teste de Q.I. não o irá considerar sobredotado;

Mito 3: crianças sobredotadas são sempre boas alunas: nem todas; muitas vezes, sentem-se desmotivadas e consideram a escola aborrecida; os alunos com alta capacidade precisam, frequentemente, de apoio pedagógico diferenciado para atingir todo o seu potencial;

Mito 4: as crianças sobredotadas tornam-se sempre adultos de sucesso: a sobredotação é uma potencialidade mas precisa ser desenvolvida e trabalhada ao longo da vida; por si só não determina um futuro de sucesso.

crianca sobredotada

18 sinais de que o seu filho pode ser sobredotado


Nem todos os sobredotados possuem as mesmas características e as mesmas habilidades. Contudo, importa conhecer algumas das principais características das crianças sobredotadas:

1. Capacidade intelectual superior à média, com aptidões e interesses específicos;

2. Conhecimentos profundos em diversas áreas;

3. Curiosidade elevada: sede de conhecimento;

4. Grande capacidade de concentração, alheando-se dos outros quando está ocupado nas suas tarefas;

5. Talento incomum para expressão em artes, como música, dança, teatro, desenho;

6. Hábitos de leitura por iniciativa própria;

7. Vocabulário avançado para a idade e nível escolar;

8. Facilidade em reter informação;

9. Persistência na realização e finalização das tarefas;

10. Autoiniciativa e tendência a começar as atividades de forma autónoma;

11. Resolve os seus próprios problemas e tem uma forma de pensar muito independente;

12. Elevada capacidade de trabalho e resolução de problemas;

13. Altos níveis de criatividade;

14. Preocupação com questões morais ainda em idade precoce;

15. Habilidades de liderança, responsabilidade e capacidade de persuasão;

16. Alta produtividade e rapidez;

17. Aborrecimento fácil com a rotina;

18. Interesse no convívio com pessoas de nível intelectual similar.

Veja também:

Ana Graça Ana Graça

Mestre em Psicologia, pela Universidade do Minho, com a dissertação “A experiência de cuidar, estratégias de coping e autorrelato de saúde”. Especialização (Pós-Graduada) em Neuropsicologia Clínica, Intervenção Neuropsicológica e Neuropsicologia Geriátrica. Membro efetivo da Ordem dos Psicólogos Portugueses, com especialidade em Psicologia Clínica e da Saúde e Neuropsicologia. Além da Psicologia. é apaixonada por viagens, leitura, boa música, caminhadas ao ar livre e tudo o que traga mais felicidade!