Taxa Fixa vs. Taxa Variável

Fique a saber o que distingue a taxa fixa da taxa variável e quais as vantagens e desvantagens de cada uma. Ajudámos a perceber qual é a taxa que melhor se adequa a si.

Taxa Fixa vs. Taxa Variável
Taxa fixa ou taxa variável, qual a melhor opção?

Taxa fixa ou taxa variável? Qual a taxa que juro que devo escolher, esta é, sem dúvida, a questão mais delicada para quem está prestes a recorrer ao crédito à habitação. Grande parte dos produtos deste tipo de crédito permite a opção, mas, em Portugal, habitualmente a escolha recai na taxa de juro variável. 
Conheça as particularidades de cada uma das taxas de juro e fique a saber qual é a que melhor se adequa ao seu perfil e ao cenário económico atual.
 

O que é a taxa fixa?

A taxa fixa determina que a taxa de juro do empréstimo mantém-se sempre a mesma durante o prazo que tiver sido acordado com a instituição de crédito (ao longo de todo o empréstimo ou durante um prazo alargado de, normalmente, 5 a 10 anos). O valor mantém-se inalterado, não tendo que se preocupar com a subida da taxa de juro (Euribor, por exemplo) e as variações do pagamento do empréstimo.
A referência para fixar essa taxa é o que se pratica no mercado interbancário para o mesmo prazo, denominada taxa de swap.
 

Vantagens e desvantagens

A principal vantagem é a estabilidade que lhe oferece esta taxa, podendo organizar o orçamento familiar sem grandes flutuações negativas, no que a este item diz respeito, isto porque não tem que se preocupar com quaisquer variações que possam ocorrer nos mercados monetário e financeiro.
A desvantagem é que a estabilidade tem um custo…mais elevado, naturalmente. Além disso, não beneficia das descias das taxas de juro.
 

O que é a taxa variável?

É um empréstimo em que a taxa de juro cobrada varia em função das taxas de juro do mercado. Em consequência o seu pagamento também irá variar. No que aos créditos à habitação com taxa de juro variável diz respeito, a taxa de juro do empréstimo resulta da soma de duas componentes: o indexante ou taxa de referência, denominado como Euribor (curto prazo, mas com diferentes opções. Habitualmente opta-se pela Euribor de três a seis meses), e o spread.
 

Vantagens e desvantagens

As vantagens são: normalmente origina a prestação mais baixa no início do contrato. Além disso, possibilita beneficiar dos períodos de baixas taxas de juro.
Por outro lado, apresenta incertezas que podem provocar dificuldades na gestão do orçamento familiar quando há subida da taxa de juro indexante porque, obviamente, provoca um aumento na prestação mensal a pagar.
 

Taxa fixa ou taxa variável?

A resposta à pergunta só é possível quando analisada caso por caso tendo em consideração os seguintes factores: 
  • Conjuntura económica;
  • Tendência das taxas de juro;
  • Perfil de quem vai contrair o crédito.
Por exemplo, se está numa situação orçamental complicada, não podendo ficar vulnerável às variações das taxa de juro, então fixar a taxa pode-lhe ser útil. Por outro lado, se acredita que as taxas podem baixar, então opte pela taxa variável, caso contrário, estará a pagar um preço muito alto só para a prestação não oscilar.
 
Poupe até 500€ por ano no seu seguro de vida! Saiba como aqui.