Terrores noturnos: saiba o que fazer

Não sabe o que fazer quando o seu filho tem terrores noturnos? Saiba como agir quando acontecem e como prevenir estes episódios.

Terrores noturnos: saiba o que fazer
Esta pode ser uma situação traumática para o seu filho. Esteja preparado

O seu filho dorme mal? Acredite: é mais comum do que possa imaginar. Segundo os últimos dados dos especialistas no assunto, cerca de 25% das crianças tem perturbações de sono. Os chamados terrores noturnos são mais frequentes nas crianças entre os 2 e os 5 anos, mas podem prolongar-se até aos 12 anos de idade.

Sabe-se ainda que o sono, um processo neurofisiológico complexo, atinge o seu ciclo normal a partir dos oito anos de idade. Se não sabe como agir até que o problema acabe, vai gostar de ler este artigo.

 

Pesadelos ou terrores noturnos

Nem sempre é fácil distinguir os pesadelos dos terrores noturnos. Os especialistas afirmam que os terrores noturnos surgem nas primeiras horas de sono, durante os períodos de “sono profundo”. São situações extremas de medo e que também são, muitas vezes, associadas ao sonambulismo.

Os pediatras dizem que, durante os episódios de terrores noturnos, as crianças não parecem estar totalmente acordadas, não respondem adequadamente aos estímulos e choram durante bastante tempo – a explicação é que elas não conseguem perceber o que se passa à sua volta.

Já os pesadelos  – que são episódios diferentes dos terrores noturnos – ocorrem na fase final do ciclo do sono, perto da hora de despertar. Ainda que a criança também chore e fique assustada, acalma-se mais rapidamente, uma vez que está lúcida e consegue perceber que era apenas um “sonho mau”.

 

Causas para os terrores noturnos

Dizem os especialistas que os terrores noturnos podem agravar-se caso as crianças tenham horários de sono irregulares. Durante estas crises, os pais não devem acordar os mais novos, evitando assim que as crianças fiquem mais assustadas – ou que se magoem com algum movimento mais brusco.

Situações de stress, como instabilidade familiar, mudança de casa ou de escola, podem também estar na origem dos terrores noturnos.

 

Sintomas dos terrores noturnos

Os sintomas destes episódios podem variar bastante. Esteja atento aos sinais do seu filho:

  • Senta na cama;
  • Grita;
  • Pontapeia;
  • Sai da cama e corre pela casa;
  • Transpira bastante;
  • É difícil consolá-lo após um destes episódios;
  • Não se lembra do que aconteceu na manhã seguinte.

 

Qual o tratamento mais adequado?

Por norma, não é necessário qualquer tipo de medicamentos para resolver estes episódios. Os especialistas garantem que hábitos de sono regulares resolvem estas situações.

Durante os terrores noturnos os pais são aconselhados a segurarem de forma delicada – mas firme – os filhos, enquanto falam de forma suave e tranquilizadora. Depois de criadas as rotinas adequadas, momentos de descontração em família (e muito afeto) são essenciais para acabar com estes episódios.

Raramente os especialistas recomendam medicação para o tratamento dos terrores noturnos. Ainda assim, se estes episódios foram bastante frequentes, os pais são aconselhados a procurarem a ajuda dos seus Pediatras ou de um Pedopsiquiatra.

Veja também: