7 tipos de energia para poupar a carteira e o planeta

Mais de 60% da eletricidade em Portugal é produzida de forma renovável. Saiba quais são os tipos de energia disponíveis.

7 tipos de energia para poupar a carteira e o planeta
Faça a melhor escolha

Todos os meses, especialmente nos mais frios, a conta da energia leva uma fatia considerável do seu orçamento? Conheça os tipos de energia disponíveis para saber como escolher aquela que lhe permite poupar dinheiro, viver de uma forma mais saudável (sim, alguma energia polui) e preservar os recursos do planeta para esta e, também, para as futuras gerações. 

Como se recordará do tempo dos bancos da escola, existem dois tipos de energia disponíveis: as fontes renováveis ou alternativas e as fontes não renováveis, fósseis ou convencionais. As primeiras são inesgotáveis ou permitem a sua reposição num médio ou curto prazo, seja de forma espontânea ou graças à intervenção do homem.

Quando às restantes, como o nome indica, não se renovam, logo, um dia acabam e, para além disso, o seu processamento gera poluição e é um dos maiores responsáveis pelo aquecimento global.
 

7 tipos de energia renovável que deve conhecer


Energia hídrica

Obtida através dos cursos de água e pode ser usada graças a um desnível ou queda de água. Estamos a falar das barragens, usadas há muitos anos para gerar energia elétrica. É uma energia não poluente e, no nosso país, 30% da energia consumida é hídrica. 



Energia eólica

Não é de hoje que a energia eólica é usada! Já os nossos antepassados, mais ou menos longínquos, recorriam ao vento para mover as velas dos barcos e dos moinhos. A força dos ventos faz com que enormes ventoinhas, colocadas em locais com ventos fortes e constantes, se movimentem para assim obter energia elétrica. Cerca de 25% da eletricidade é produzida através de energia eólica



Energia solar

Captada pelo sol, é um tipo de energia que pode ser transformada em térmica ou elétrica. Portugal é privilegiado com sol quase 365 dias por ano, por isso, não é de estranhar que, finalmente, se preveja que a energia solar vá crescer 20 vezes nos próximos anos no nosso país. O preço dos painéis baixou e o nível de insolação no país grita por uma energia mais limpa e, também, mais barata.



Energia geotérmica

É energia gerada através do calor proveniente do interior da Terra, como as furnas nos Açores, por exemplo, e permite gerar calor e eletricidade. É precisamente neste arquipélago que está mais desenvolvida, sendo uma importante fonte de energia. Em todo o país, das 52 ocorrências geotérmicas, apenas 6 são exploradas sem ser apenas para efeitos termais.



Energia das ondas e marés

Graças ao movimento de subida e descida do nível da água do mar, é possível gerar energia elétrica. Portugal é pioneiro neste campo. Nos Açores, está a primeira central no mundo a produzir eletricidade a partir da energia das ondas e marés. O objetivo nacional é que, até 2025, cerca de 20% da eletricidade consumida tenha origem na energia das ondas e marés.



Energia da biomassa

Este tipo de energia aproveita a floresta e os seus resíduos, assim como, os da indústria alimentas, da agro-pecuária ou do tratamento de resíduos líquidos domésticos e industriais que permitem produzir biodiesel e biogás. No Hotel Bom Jesus, em Braga, foi criada a primeira energia de calor, por biomassa, que representou uma poupança de cerca de 55% em custos energéticos.

 

4 tipos de energia não renovável a evitar

Quanto aos tipos de energia não renováveis, as opções são mais limitadas, mais caras e mais poluentes, responsáveis por um elevado impacto ambiental nos dias em que vivemos e também para as gerações vindouras. Apesar de ser urgente inverter este caminho, as energias não renováveis continuam a prevalecer.
  • Carvão: é usado em larga escala e tem as maiores reservas mas é o combustível que acarreta mais custos ambientais. Estima-se que esgote em 200 anos.
  • Petróleo: usado, sobretudo, em transportes é uma das maiores fontes de poluição atmosférica e responsável por guerras económicas e armadas. Estima-se que esgote em 40 anos.
  • Gás natural: menos poluente que os restantes, é usado como combustível nas habitações e indústrias. Estima-se que esgote em 60 anos.
  • Urânio: tem um poder calorífico muito superior aos restantes e é a base do combustível nuclear.
 

Como conseguir a independência energética sem estourar o orçamento?

Agora que conhece as fontes de energia e combustíveis disponíveis, algumas das suas vantagens e benefícios, será possível escolher aquela que melhor se adequa ao seu caso. À medida que o prazo das energias não renováveis vai reduzindo, o seu custo vai aumentado, por isso, vale a pena considerar um tipo opção que assegure a energia em sua casa ou empresa, que garanta a independência energética e lhe poupe alguns euros no final de cada mês.

Para saber mais sobre soluções e vantagens do autoconsumo, faça uma simulação e conheça todos os benefícios de aderir à Energia Simples.

Veja também: