Urticária: sintomas e tratamento

A urticária é uma patologia não infeciosa com origens difíceis de identificar. O problema não tem cura, mas é possível adotar medidas simples.

Urticária: sintomas e tratamento
Veja tudo o que deve fazer para a tratar

Embora seja muitas vezes vulgarmente identificada como uma mera alergia, a urticária é uma patologia clínica que não é transmissível. Ainda assim, o problema requer atenção extra, pois os seus sintomas e as crises constantes podem incomodar o doente – e muito.

Descubra neste artigo quais são os tipos de urticárias, quais as suas causas e sintomas e o que pode fazer para evitar o seu aparecimento. Temos dicas valiosas e simples para afastar o problema. Fique atento.

O que é a urticária?

A urticária é uma reação não contagiosa da pele, identificada pelo surgimento de manchas vermelhas que podem inchar e provocar muito prurido. O problema surge como uma resposta do organismo à exposição de um agente causal da alergia. Pode ser desencadeado, por exemplo, depois de uma reação alérgica a um alimento, medicamento, picada de inseto ou após o contacto direto com alguns tipos de plantas.
Quem possui histórico de alergia respiratória e asma tem maior tendência a apresentar urticária ao longo da sua vida.

Sintomas da urticária

  • Aparecimento súbito na pele de manchas elevadas, avermelhadas, bem delimitadas e com diversos tamanhos.
  • As manchas desaparecem quando realizamos pressão sobre elas e geram muita comichão.
  • Sintomas como falta de ar e dificuldade em engolir ou falar, apesar de raros, podem acontecer. Estes são sintomas presentes em quadros de complicações graves.

Alguns tipos de urticária

  • Urticária aquagênica: este é um tipo extremamente raro de urticária. Sendo algumas vezes descrito como uma alergia, o problema é bastante diferente. Ao contrário dos outros tipos, a sua reação não provoca a libertação de histamina. A urticária aquagênica traduz-se por uma hipersensibilidade do indivíduo a alguns iões presentes na água. Nas pessoas vulneráveis, o contacto com a água pode gerar urticária em apenas 15 minutos, mas o incómodo pode demorar até 2 horas para desaparecer.
  • Urticárias crónicas: este tipo tem um grande impacto na vida de quem sofre com o problema, pois é uma situação recorrente na vida do doente.
  • Urticária aguda: este tipo recebe o nome em questão por se tratar de uma situação longa, pois a melhora pode acontecer em até 6 semanas. Embora a aguda possa aparecer em qualquer idade, ela é mais comum em adolescentes e jovens adultos.

Tratamento da urticária

O principal tratamento da urticária é descobrir e afastar o agente causador, mas como isto não é uma tarefa fácil de cumprir, a solução pode passar por adotar medidas simples e gerais. Alterar hábitos rotineiros pode ser uma excelente forma de combater o aparecimento do problema. Tome nota das nossas dicas e confirme por si:

  • Evite calor, bebidas alcoólicas e stress – estes são fatores que agravam muito a irritação.
  • Adote uma dieta alimentar sem corantes, conservantes e enlatados, e fique longe de alimentos como marisco, morangos, chocolate e ovo. Refrigerantes e sumos artificiais também devem passar ao lado da alimentação. Mudanças simples nos hábitos alimentares costumam ajudar a diminuir os incómodos durante as crises e evitar o reaparecimento das lesões.
  • Os fármacos habitualmente administrados nestas situações são substâncias com ativos anti-histamínicos. Este tipo de medicamento é a primeira opção de tratamento, no entanto, em casos isolados podem ser prescritos fármacos corticosteroides e/ou imunossupressores – sempre de acordo com a avaliação médica.

Lembre-se: o tratamento deve sempre ser indicado pelo médico dermatologista, após estudo detalhado de cada caso. A automedicação pode prejudicar muito o tratamento e o controlo da urticária, por isso, deve seguir todos os conselhos do seu médico.

Em casos graves de angioedema ou de anafilaxia, o doente deve procurar ajuda médica urgente.

Veja também: