Vantagens fiscais do cartão refeição para 2016

Vantagens fiscais do cartão refeição para 2016
Fique a par dos benefícios.

O subsídio de alimentação é um valor relevante no recibo de vencimento de cada um. Por esse motivo, será necessário perceber a melhor forma de o rentabilizar. Uma dessas formas é o crédito do mesmo nos cartões de refeição. Este facto transporta para a empresa e o para o empregado, um benefício fiscal que traz vantagem a ambos.

Para o ano de 2016, não houve alteração no valor mínimo a vigorar, sendo que o subsídio se encontra nos 4,27€ diários. Este trata-se de um valor isento de taxa de IRS e Segurança Social, no entanto, caso o montante a pagar seja superior, a diferença fica sujeita a impostos.

Como as empresas privadas pagam um valor superior de subsídio de alimentação, estas usualmente fazem-no em vale ou cartão de refeição, dado que para estes modos de pagamento, o valor isento de taxa sobe para os 6,83€. 
 

Exemplo das vantagens fiscais para as empresas e para empregados

 

Vantagem fiscal para as empresas:

Poupança Fiscal mensal por empregado = (Valor do subsídio pago em cartão – valor limite de isenção do subsídio pago em vencimento) x TSU x 22 dias úteis.

Exemplo para um subsídio de €6,83, pago em cartão:
Poupança Fiscal Mensal = (€6,83-€4,27) x 23,75% x 22= €13,38
 
 

Vantagem fiscal para os empregados:

Poupança Fiscal anual por empregado = (Valor do subsídio pago em cartão – valor limite de isenção do subsídio pago em vencimento) x (TSU+IRS) x 22 dias úteis x 11 meses.
 
Exemplo para um subsídio de €6,83, pago em cartão e IRS 20% (taxa variável):
Poupança Fiscal Anual = (€6,83-€4,27) x (11%+20%) x 22 x 11 = €192,05

Tudo sobre os Impostos que aí vêm com a Newsletter do E-Konomista

 
Veja também: