Publicidade:

9 vegetais que não deve comer crus

Existem alguns vegetais que não deve comer crus, pois são mais benéficos quando cozinhados. Veja a lista daqueles que podem ajudar a melhorar a sua saúde.

9 vegetais que não deve comer crus
Alguns vegetais fazem melhor à saúde quando são cozinhados

Comer vegetais em estado cru pode ser a melhor opção na maioria dos casos, mas existem vegetais que não deve comer crus para que possa aproveitar todos os nutrientes que os mesmos têm para oferecer.

Há, de facto, um grupo de vegetais que contém um maior valor nutritivo quando é cozinhado, pois o calor é o responsável pela libertação de alguns dos nutrientes não existentes no vegetal em estado cru.

Descubra a que alimentos nos estamos a referir, para que os aproveite da melhor forma possível.

A lista dos vegetais que não deve comer crus


Este tipo de alimento contém propriedades antioxidantes poderosas, que reduzem os átomos destruidores de células, uma função útil na prevenção de doenças cardíacas, degenerativas e cancerígenas.

Para que essas propriedades antioxidantes venham ao de cima, alguns vegetais devem ser cozinhados. Esse modo de preparação irá beneficiar assim a sua saúde.

Cenoura

cenouras

Da lista dos vegetais que não deve comer crus, este talvez seja o vegetal que causa mais surpresa, isto porque um dos mitos relacionados com este alimento é o de que cenoura cozida engorda. Isto acontece, sobretudo, pelo facto de a cenoura cozida aumentar o nível de açúcar no sangue. Mas, na verdade, os valores não são assim tão significativos.

Por outro lado, o que é de valorizar é que a cenoura cozinhada liberta uma maior quantidade de betacaroteno, ou seja, vitamina A. Deste modo, vai estar a usufruir de todas as propriedades da cenoura, nomeadamente: os benefícios para a visão, a prevenção de derrames e enfartes.

Segundo uma pesquisa publicada no Journal of Agricultural and Food Chemistry, as cenouras cozidas tinham mais 14 por cento de antioxidantes do que em estado cru.

Assim, as cenouras, uma fonte rica em fibra e que contém várias vitaminas e minerais, estão entre os vegetais que não deve comer crus. Sempre que possível, opte por cenoura cozida. Só assim vai estar a tirar proveito de todos os seus antioxidantes e vitaminas.

Espinafre

espinafre

Nas folhas verde escuras do espinafre podem ser encontradas as vitaminas A e C, os minerais potássio e ferro, e também o folato.

Este vegetal deve ser consumido cozido, pois além de preservar a textura e o sabor, e também minimizar a perda de inúmeras vitaminas que são solúveis na água, acaba por fornece mais cálcio, ferro e magnésio.

Cozinhá-lo ajuda igualmente a eliminar uma boa quantidade do ácido oxálico, um composto que quando é ingerido em excesso pode interferir com as funções do fígado e dificultar a absorção de alguns nutrientes.

Couves de bruxelas

couve bruxelas

As couves de bruxelas contêm glucosinolatos, que são fitoquímicos com propriedades que ajudam a combater o cancro. São ricas em vitaminas C, B6 e ácido fólico.

O melhor modo de preparação é deixá-las ligeiramente cozinhadas pelo menos durante 5 minutos, pois tornam-se ainda mais nutritivas.

Tomate

tomate

Apesar de serem rotulados cientificamente como uma fruta, os tomates são designados como vegetais quando usados para fins culinários. Os nutrientes que possuem são vastos, além de conterem uma fonte rica de vitamina C e também de licopeno, a substância carotenóide responsável por lhes dar a cor avermelhada.

Durante a pesquisa realizada pelo Journal of Agricultural and Food Chemistry, verificou-se que quando os tomates foram cozinhados entre 2 a 15 minutos houve uma queda nos níveis de vitamina C, mas um aumento substancial do licopeno, que reduz o risco de vir a sofrer de cancro e melhora o funcionamento do coração.

Abóbora

abobora

Tal como o tomate, a abóbora também é considerada uma fruta e rotulada de vegetal quando usada na culinária.

Seja numa vertente mais doce ou mais salgada, as receitas de abóbora são muitas e os seus benefícios são inegáveis: vitamina A, licopeno, vitamina C e vitamina K. Daqui destacamos o licopeno, uma substância que se encontra associada a um menor risco de cancro da próstata, pulmão e mama.

Este alimento, que faz muito bem ao coração, é ainda rico em antioxidantes e fibras. Por outro lado, tem ainda benefícios reconhecidos no controlo de diabetes, redução da hipertensão e, à semelhança das cenouras, benefícios ao nível da visão.

Neste sentido, há várias razões para incluir a abóbora na sua alimentação. Quando cozinhado, liberta compostos como licopeno e carotenóides. Como tal, deve cozinhar a abóbora para ser mais fácil absorver todas as suas propriedades, nomeadamente a fibra e os antioxidantes.

Em suma, consumir abóbora cozida reduz os riscos de vários tipos de cancro, reduz a hipertensão, equilibra os diabetes e melhora a saúde dos olhos.

Brócolos

brocolos

É, talvez, o vegetal que menos consenso gera entre as crianças! Porém, a sua riqueza em vitamina A, C, ferro, cálcio e antioxidante é algo que não deve ser menosprezado.

Os bróculos contêm fortes propriedades antioxidantes, tal como fitoquímicos, carotenóides, polifenóis e glucosinolatos, além de serem uma fonte rica em luteína e tocoferol. Todas estas substâncias ajudam na prevenção do cancro e reduzem a inflamação nos vasos sanguíneos.

O jornal já acima referido concluiu na sua pesquisa sobre brócolos que cozinhá-los afeta o valor nutritivo de vários elementos que os compõem. No entanto, houve um aumento significativo de carotenóides, que são compostos bioativos com inúmeros benefícios para a saúde, e também de fitoeno, que reduz o risco de cancro da próstata, o que os coloca na lista dos vegetais que não deve comer crus.

Como tal, o desafio passa por incluir esta verdura na alimentação e podemos fazê-lo de diferentes formas, como é o caso de um creme de brócolos ou uma massada de delícias do mar com brócolos. Mas, para conseguir obter todos os seus nutrientes, o melhor será optar por cozinhar os brócolos a vapor ou cozidos.

Repolho

repolho

Este vegetal é rico em betacaroteno laranja, carotenóide amarelo e luteína. Não se esqueça de tirar também um bom proveito das folhas mais escuras do repolho, que se encontram na parte externa, pois contêm vitamina C.

A melhor forma de consumi-lo é cozinhado, para que a maior parte dos seus nutrientes seja preservada.

Cogumelos

cogumelos

Apesar de serem classificados como vegetais, os cogumelos são fungos. Considerados uma fonte rica em proteínas, vitaminas, minerais e antioxidante, os cogumelos ajudam a reduzir o risco de doenças crónicas e cancerígenas.

Shitake, Portobello ou Shimeji são diferentes variedades de cogumelos, que estão cada vez mais presentes na cozinha portuguesa e, quando combinados, resultam em receitas deliciosas!

Para além da particularidade de ser um fungo, os cogumelos são ricos em potássio, fibras e água. Deste modo, não deve estranhar a quantidade de água que os cogumelos libertam quando cozinhados.

Uma pesquisa mostra que o número de nutrientes dos cogumelos em estado cozido e cru é bastante semelhante. No entanto, as fibras aumentam quando estes se encontram cozidos. A ingestão destas fibras ajuda a controlar ou a perder peso, dependendo da quantidade ingerida. E é também nas fibras que recaem os benefícios de melhorar o trânsito intestinal, de prevenir doenças e de combater a obesidade.

Espargos

espargos

Os espargos, considerados dos vegetais nutricionalmente mais equilibrados, contêm inúmeras vitaminas, minerais e poderosos antioxidantes. São uma fonte rica em vitamina A, vitamina E, vitamina K, magnésio e niacina.

Este alimento tem um alto teor de ácido fólico, que ajuda a manter o coração saudável e também as nossas células sanguíneas, especialmente a medula óssea, além de contribuir para o crescimento.

Prevenção de Alzheimer, efeito detox, benefícios para o coração, propriedades afrodisíacas, etc. Estes são apenas alguns dos benefícios dos espargos.

Na verdade, a multiplicidade de benefícios está também retratada na diversidade de pratos que podemos fazer com este vegetal como, por exemplo, sopa de espargos.

Uma vez que o seu revestimento exterior é resistente, deve ser cozinhado para que haja uma melhor absorção de nutrientes, o que protege as nossas células, tecidos e órgãos.

O certo é que, cozidos ou crus, os vegetais são sem dúvida uma parte essencial da nossa alimentação diária. Basta sabê-los aproveitar da melhor forma possível para que a sua saúde fique a ganhar.

Veja também:

Cátia Tocha Cátia Tocha

Formada em Ciências da Comunicação pela Universidade Autónoma de Lisboa, onde concluiu Licenciatura e Mestrado, começou o seu percurso como jornalista na Rádio. Hoje, escreve sobre diferentes áreas e tem já alguns anos de experiência na escrita para meios online.