10 vícios ao volante que deve evitar

Descubra quais os piores vícios ao volante que um condutor pode ter. Tente criar bons hábitos de condução que o podem ajudar a poupar muitos euros.

10 vícios ao volante que deve evitar
Corrija os seus vícios

A maioria dos condutores desenvolve, ao longo dos anos, alguns hábitos de condução que mais tarde podem trazer consequências graves. Alguns desses vícios ao volante podem mesmo prejudicar mecanicamente o seu carro. Descubra quais os piores vícios ao volante que um condutor pode ter e tente evitá-los no futuro.

10 vícios aos volante de um carro

1. Acelerar a fundo assim que liga o carro

Nunca deve acelerar o motor assim que liga o carro, sem confirmar que a temperatura já está na posição ideal. Se não sabia, fica a saber que quando o motor está frio, uma grande parte do óleo fica no cárter e, quando o carro arranca, são necessários alguns segundos para que o óleo passe o circuito. Como tal, se acelerar demasiado com o motor frio estará a gerar um maior desgaste dos componentes.

2. Deixar o pé em cima da embraiagem

É um dos piores vícios ao volante mais praticados pelos condutores. Se deixar o pé em cima do pedal da embraiagem estará a provocar um maior desgaste nesta peça e em todos os componentes associados. Isto porque, ao manter o pedal a fundo está a produzir fricções internas e a desgastar todas as peças envolventes na embraiagem.

Aprender a fazer corretamente o ponto de embraiagem também ajuda a manter o seu carro em perfeitas condições.

3. Colocar a mão sempre no comando da caixa

Conduzir com uma mão no volante e outra no comando da caixa de velocidades não é de forma alguma recomendado. Este é também um dos piores vícios ao volante de um carro. Ao manter a mão no comando da caixa está a exercer a pressão sobre os mecanismos internos e vai acabar por desgastar os sincronizadores e os rolamentos.

Ao fim de alguns anos, pode mesmos sentir vibrações durante a condução e a caixa pode ficar com uma engrenagem mais irregular. Portanto, é recomendável que conduza com as duas mãos no volante, não só por segurança, mas também pela vida útil da caixa de velocidades.

4. Motor em rotações baixas

Utilizar constantemente um motor em baixas rotações pode, no caso de um motor a diesel, estragar a válvula EGR, levando a que se concentre mais carvão e até pode diminuir a vida do motor para metade.

Já nas motorizações a gasolina, conduzir com baixas rotações pode danificar o catalisador. Além destes componentes, o filtro de partículas é outra das peças que pode ser danificada. O melhor é tentar manter o motor em rotações que o carro responda no exato momento em que pisa o pedal do acelerador.

5. Não desligue o motor depois de velocidades elevadas

É outro dos vícios ao volante que lhe pode sair bem caro. Embora os motores a turbo de hoje já não necessitem de tantos cuidados como os mais antigos, não deve desligar o motor após estar a conduzir durante algum tempo a grande velocidade.

Isto porque, em velocidades acima dos 100 quilómetros/hora, o turbo pode atingir temperaturas muito elevadas. Se desligar o motor de imediato o óleo que está no circuito pode carbonizar e provocar uma avaria do turbo. Basta deixar repousar ao ralenti dois minutos após sair da autoestrada para não haver estragos.

C

6. Deixar a luz de reserva de combustível acender

São muitos os condutores que têm este vício ao volante. Evite conduzir com cinco ou menos litros de combustível no depósito. Combustível insuficiente pode prejudicar o funcionamento do sistema de alimentação e não proteger a bomba de combustível. Principalmente no caso dos veículos com injeção eletrónica, que têm bomba de combustível elétrica dentro do depósito.

Se o combustível for insuficiente pode não garantir a lubrificação e o arrefecimento da bomba. Deve encher o depósito do seu automóvel sempre que vai abastecer e nunca deixar a luz de reserva acender.

7. Utilizar demasiado os travões

Quando vai numa descida, se mantiver o pedal do travão pressionado durante mais tempo do que o necessário, pode levar ao desgaste de discos e pastilhas e degenerar o líquido dos travões. Além disso, essa sobrecarga vai fazer com o sistema de travagem se torne menos resistente.

Tente criar bons hábitos: em vez de travar desnecessariamente nas descidas, recorra também à caixa de mudanças travando com o motor. Se optar por travar desta forma, estará a reduzir o desgaste dos travões e ainda vai conseguir ter um maior controlo sobre o automóvel.

8. Passar nas lombas/buracos ou subir o passeio

Circular rapidamente sobre uma lomba/buraco ou subir o passeio com o carro pode provocar algumas avarias, que até podem ser graves. Por exemplo, ao passar por um buraco pode rebentar um pneu ou danificar a jante, enquanto nas lombas os problemas são nos pontos de ancoragem da suspensão.

No caso de subir o passeio com força para estacionar, pode afetar os pneus, as jantes e a suspensão do veículo. Como tal, evite estacionar em cima de passeios e, se não tiver alternativa, tente subir pela parte mais baixa.

9. Manutenção dos pneus

Deve verificar a pressão dos pneus do carro de forma regular para não provocar o seu desgaste mais rapidamente. Além de ter de gastar dinheiro a mudar de pneus, pode acontecer que um pneu rebente e provoque um acidente.

10. Não usar o smartphone enquanto conduz

Conduzir com o smartphone numa mão é, provavelmente, um dos piores vícios ao volante. Os riscos para quem vai dentro ou está fora do carro podem ser grandes. Quer seja a falar ou a escrever SMS, ao utilizar o telemóvel enquanto conduz, o condutor pode distrair-se e ter um acidente. Além disso, pode sair-lhe muito caro atender a chamada.

A utilização do telemóvel ao volante é uma contraordenação grave que obriga ao pagamento de uma coima entre 120 e 600 euros e à perda da carta até um ano. Portanto, se quer utilizar o smartphone para atender uma chamada recorra a um auricular ou coloque um sistema de alta-voz no carro.

E nunca conduza e envie mensagens ao mesmo tempo. Não só se coloca em risco a si, como também coloca os outros em perigo.

Veja também: