Plano de Saúde Medicare

Gratuito durante 6 meses!

Ao clicar concordo receber comunicações de marketing directo enviadas por e-konomista.pt

Saber mais

10 passos para viver até aos 100

A ciência revela que para viver até aos 100 anos é preciso ter objetivos, comer bem, medir a cintura, praticar atividade física e relacionar-se com os outros.

10 passos para viver até aos 100
Existem mais de 72 mil centenários nos Estados Unidos

Já pensou melhor sobre os efeitos que o positivismo tem sobre o seu corpo? E que um bom sorriso pode ser um dos segredos para viver mais? E se soubesse que o café com os amigos pode prolongar a sua vida?

Conheça os 10 passos que tornam possível viver até aos 100, e descubra o que os centenários do mundo têm em comum.


10 passos para viver até aos 100


1. Sinta-se jovem

Se tem a eterna sensação de ter menos idade, já deu o primeiro passo para a longevidade.

Jura que tem um espírito de 35, mas o bilhete de identidade já aponta os 55? Um estudo britânico indicou que as pessoas que se sentiam três ou mais anos mais jovens tinham uma menor probabilidade de morrer num período de oito anos. 

O grupo analisado reunia homens e mulheres acima dos 65 anos e os resultados foram espantosos. Sentir-se mais velho, de acordo com a pesquisa, significa um risco de morte 41% superior, quando comparado com aqueles que sentem a juventude a correr nas veias com o passar dos anos. 

Os autores do estudo recomendam que os médicos peçam aos seus pacientes que indiquem a idade que sentem ter, e defendem que este passo deve ser parte dos seus exames anuais. 



2. Coma mais destas duas coisas

De acordo com um estudo da Universidade do Michigan, nos EUA, as mulheres que comem mais frutas e legumes têm um risco de morte reduzido em 46%. O grupo estudado reuniu 700 participantes na casa dos 70 anos. 

A cidade de Okinawa, no Japão, surge para comprovar a teoria, com um dos mais altos índices de centenários no mundo (cerca de 50 a cada 100.000 habitantes, contra apenas 10-20 nos EUA). A população tem uma dieta rica em vegetais, e quase todos os centenários da cidade japonesa já cultivaram as suas frutas e legumes no jardim. 



3. É melhor ser alegre que ser triste...

“Alegria é a melhor coisa que existe”, já dizia o brasileiro Vinícius de Moraes no seu Samba Benção. A verdade é que a ciência tem concluído que os “quase centenários” têm em comum os sentimentos de alegria e otimismo.

“Ser adaptável e flexível ajuda as pessoas a evitarem o stress e a ansiedade, facto que pode aumentar a longevidade", afirma Rosanne Leipzig, professora de geriatria e medicina paliativa no Icahn School of Medicine de Monte Sinai, em Nova York.
 


4. Saboreie o peixe do dia

Ter níveis mais altos de Ómega 3 no sangue pode significar viver mais dois anos, de acordo com um estudo realizado em Harvard. O segredo não está nos suplementos alimentares, mas sim no verdadeiro peixe à mesa. Abuse!
 


5. Coma como um grego

Uma dieta ao bom estilo mediterrânico (com ênfase no azeite, legumes, nozes, grãos integrais, frutas e peixe) tem sido associada à vida longa. 

Uma nova pesquisa feita em Harvard reuniu mais de 4.600 mulheres e revelou os super poderes de uma boa nutrição. Os pesquisadores concluíram que quanto mais mediterrânica for a sua dieta, menor é o envelhecimento das suas células. E sim, ainda ajuda a perder peso.
 


6. Renda-se e faça a sesta

Ainda em Harvard, pesquisadores estudaram mais de 23 mil pessoas durante seis anos e descobriram que a sesta promove vida longa e saudável. A investigação concluiu que as pessoas quem dormem uma sesta de 30 minutos regularmente reduzem em 37% o risco de morrer de doença cardíaca. 

Se passa todo o dia acordado, reveja os seus hábitos e reserve um tempo para uma sesta revigorante.   
 


7. Seja adepto da atividade física

"As pessoas que permanecem ativas vivem mais tempo”, afirma Jeremy Walston, especialista em geriatria e professor na Escola de Medicina da Universidade Johns Hopkins, nos EUA.

Um estudo publicado na revista Archives of Internal Medicine confirmou que a aptidão física registada na meia-idade pode prever o quão saudável será mais tarde. Após acompanhar 19 mil adultos de meia idade, os investigadores descobriram que os mais ativos eram menos propensos a desenvolver certos tipos de cancro, doenças cardíacas, diabetes do tipo 2 e Alzheimer. 

Por isso, se quer ser centenário, pode começar a correr, caminhar pela cidade... Ou simplesmente agarre na bicicleta para um bom passeio. 

 

8. Crie objetivos

A revista Psychological Science publicou um estudo interessante. Investigadores descobriram que as pessoas que sentem que têm um propósito na vida são menos propensas a morrer durante um período de 14 anos. Isto quer dizer que certificar-se de que a sua vida é significante dá sentido aos dias e faz viver mais.

Faça um novo amigo, invista num novo hobby ou seja parte de um trabalho voluntário. Adie a reforma, cuide dos netos, cozinhe as suas refeições, tenha um jardim. Sinta-se útil e crie objetivos. Trace metas. 
 


9. Tenha a cintura em conta

Sabia que as mulheres acima dos 40 anos que têm mais de 93 centímetros de cintura apresentam uma expectativa de vida cinco anos inferior, quando comparadas às que marcam 68 centímetros na fita métrica?

Para os homens, uma cintura de 109 centímetros, ou mais, foi associada a uma diminuição de três anos na expectativa de vida, em comparação com aqueles com uma cintura de 88 centímetros ou menos. 

Reduzir as medidas pode ter um impacto valioso na qualidade da sua saúde. 

 

10. Goste das pessoas

Já tomou café com o seu vizinho hoje?

Criar conexões afetivas pode promover o envelhecimento saudável. Sentir-se ligado à família e aos amigos é um dos segredos para viver até aos 100 anos, enquanto que isolar-se pode levar a doenças crónicas. 

Sardenha, na Itália, é outra ilha mediterrânica com uma grande população centenária. Entre os habitantes não se faz segredo: a amizade é fundamental.  Dan Buettner, que viaja pelo mundo com a revista National Geographic, tem estudado os povos com maior longevidade. Para ele, Sardenha apresenta grandes resultados porque "a vida é muito social (...) As pessoas encontram-se nas ruas diariamente e saboreiam a companhia do outro”.

Veja também: