Seguradoras low cost VS seguradoras tradicionais

Low cost não é sempre barato e tradicional nem sempre é mais caro. Comparamos os seguros automóvel low cost Vs. tradicionais.

Seguradoras low cost VS seguradoras tradicionais
Desengane-se se acredita que as low cost são sempre mais baratas. Veja por si.
  • Estudo revela que as seguradoras tradicionais conseguem competir com os preços das seguradoras low cost.

Trouxemos a público os primeiros resultados no mês anterior. Analisamos seis seguradoras low cost, utilizamos a nossa mais recente ferramenta do E-konomista - um comparador real de seguros auto - e comparamos preços e serviços. Descobrimos que um seguro automóvel com as mesmas características, para o mesmo carro e para o mesmo condutor pode ser mais de 400€ mais barato; mostramos que fazer o mesmo seguro na mesma companhia com a diferença de um mês pode traduzir-se numa diferença de mais de 200€. A lotaria dos seguros auto chamou à atenção dos media, dos utilizadores e até das seguradoras. Por isso, este mês, para além de continuarmos a mesma análise comparativa das seguradoras low-cost, fomos mais além e alargamos o âmbito do estudo a mais seis seguradoras....chamadas tradicionais.

Por serem obrigatórios por lei, os seguros auto fazem parte da lista de despesas de grande parte das famílias portuguesas. Alguns optam pelo mais básico, de forma a cumprir a lei; outros, com outras preocupações, investem num seguro mais completo com uma panóplia de coberturas extra para todos os gostos e necessidades. Desde a clássica cobertura de vidros, passando pelas coberturas de riscos catastróficos da natureza e até - para quem não facilita - coberturas contra actos de terrorismo, vandalismo e sabotagem. Para quem não souber, pode ainda subscrever coberturas de proteção dos ocupantes (por todos os ocupantes entenda-se todos os ocupantes, como cães e gatos) ou coberturas sobre "Riscos Sociais e Políticos", seja lá o que esta cobertura quiser dizer.

Isto para dizer que de facto as variáveis em termos de coberturas são infindáveis. A possibilidade de criarmos um seguro automóvel quase "tailor-made", permite que o mesmo seguro possa ter preços realmente díspares mediante os extras contratados. Assim, tal como frisamos na primeira fase do estudo, não queremos correr o risco de tentar comparar o incomparável: também nesta fase deixamos a ressalva que no caso dos pacotes mais completos existem diferenças quanto às coberturas opcionais que podem, de alguma forma, justificar alterações de preço. Desta feita, dando continuidade ao modus operandi do primeiro round, o que vamos comparar são os seguros mais básicos (contra-terceitos) e os seguros mais completos (danos-próprios) apresentados por cada seguradora para os casos específicos que lhes solicitamos à data em que os contactamos.


1 condutor, 3 carros, 72 simulações

EM ANÁLISE
Seguradoras:
Logo, Continente, Ipronto, Okteleseguros, Direct, Nseguros, Liberty, Axa, Zurich, Tranquilidade, Lusitania e Allianz.

Veículos:
Renault Twingo, Peugeot 208 e Volkswagen Golf
Simulação online em Março, Abril e Maio de 2014

Assim, em Março, o Rodrigo* acedeu aos sites oficiais da Logo, Continente, Ipronto, Okteleseguros, Direct e Nseguros e fez simulações para os seus três carros – um Renault Twingo, um Peugeot 208 e um Volkswagen Golf**. Pediu uma simulação para todos os produtos disponíveis, desde o mais básico até aos “premium”. O mesmo pedido foi feito para cada uma das seguradoras. 

Um mês depois, em Abril, repetimos exactamente o mesmo procedimento. O Rodrigo repetiu as 36 simulações, nos mesmos sites para os mesmos carros. 

Em Maio, o Rodrigo dobrou a amostra para análise. Repetiu novamente as 36 simulações para as seis low cost, e pediu mais 36 simulações em seis seguradoras tradicionais.
Desta vez, para além de podermos comparar a evolução em termos de preços mensalmente para a mesma seguradora, temos um novo e interessante elemento de comparação: para o mesmo carro e para o mesmo condutor é ou não mais barato fazer um seguro low cost? 


Porque é que dizem que é low cost?

Low cost significa baixo custo. Ou pelo menos esta é a tradução literal da expressão inglesa que entretanto se tornou vulgar na língua de Camões. Tanto que hoje, em Portugal, é recorrente o uso do low cost em muitos serviços e produtos: desde os seguros, às viagens, estadias, restauração e tantas outras aplicações. Tanto que hoje, poucos são os que reflectem de facto sobre o custo baixo dos produtos anunciado como low cost. Parte-se do princípio que se é low cost é mais barato. Pois, talvez seja assim às vezes....mas convém no caso dos seguros verificar com um pouco mais de atenção.

Abaixo, apresentamos os resultados para os dois principais focos do estudo: 
  • Variação de preço mensal para o mesmo carro, mesmo condutor e na mesma seguradora;
  • Variação de preços entre pacotes equivalentes disponibilizados pelas low cost e pelas tradicionais.

Nseguros perde competitividade em Abril e Maio | Ipronto reafirma política low  cost

  • Quando as variações são no produto da mesma seguradora e a única variável é o mês da simulação é um pouco difícil de entender. A Nseguros, que tinha o seguro contra terceiros mais competitivo em Março, disparou os preços em Abril e Maio, chegando a diferença ser para o mesmo carro de 70€.
  • Já a Ipronto, dentro das seguradoras definitivamente mais competitivas em termos de preço, é também seguramente a mais estável. Em todas as simulações manteve o mesmo valor do seguro. De facto, pelos vistos, segurar um carro de 10k ou 25k é indiferente para esta seguradora. Excepto casos pontuais, é também a seguradora que melhor faz juz ao nome low cost.



Logo acima da média de preços das low cost | Allianz não compete nos preços de Maio

  • Estável em termos de preço, mas com valores um pouco acima das concorrentes low cost, a Logo mantém os seus pacotes mais básicos de seguro auto numa média de 230€, enquanto a média geral dos seus concorrentes low cost se fica pelos 190€ anuais. Das tradicionais, a Logo apenas consegue competir em termos de preço com a Liberty e Tranquilidade. Comparativamente à Zurich no mês de Maio, a Logo pratica preços, em média, 70€ mais altos para o mesmo carro e condutor. 
  • Já a Allianz, que em Abril revelou valores muito competitivos comparativamente às low cost mostrou em Maio valores mais caros cerca de 100€ em todas as simulações realizadas. De facto, no último mês, a Allianz não consegue acompanhar em preço nenhuma das low cost.



Zurich entra na guerra de preços para ganhar | Lusitania com preços competitivos

  • A Zurich poderá ser a grande surpresa deste estudo. Embora não haja preços comparativos para Março e Abril, os resultados de Maio (seguros contra-terceiros) colocam esta seguradora tradicional no ranking das mais competitivas dos seguros de responsabilidade civil. Apenas a Ipronto consegue bater a Zurich em termos de preço e mesmo assim numa escassa diferença de pouco mais de 10€anuais. 
  • A par da Zurich, a Lusitania veio surpreender em termos de preço nos seguros contra terceiros. Numa média um pouco acima dos 200€, a Lusitania compete em termos de preço com a maioria das seguradoras low cost, chegando em alguns casos a ser efectivamente mais competitiva. 



Nseguros perde terreno em DP | Preços da Allianz disparam mais de 50%

  • No caso dos seguros contra danos-próprios, as diferenças podem ser de facto muito grandes em termos de preços; assim como as coberturas, que não têm um preço fixo por cada uma, e podem influenciar valores. Vejamos o exemplo entre a low cost Nseguros, comparada com as tradicionais Allianz e Liberty. 

  • Destaque ainda para o caso da Allianz, que tanto nos surpreendeu positivamente nos seguros contra-terceiros, mas que nos seguros mais completos nos surpreende negativamente com uma oscilação de 563€ para o mesmo carro, o mesmo condutor e exactamente o mesmo seguro.


Logo com posição cada vez mais competitiva em DP | Zurich continua a surpreender

  • Abaixo, os resultados para as low cost Logo e Continente. A Logo que consegue descer os preços gradualmente de Março até Maio, para as mesmas simulações e assim garantir uma posição bem mais competitiva que a Continente. Em análise novamente a Zurich, que no mês de Maio, compete lado a lado com as low cost nos seguros contra danos-próprios. 


É preciso fazer as contas.

A verdade é que nós, E-konomista, no primeiro artigo deste estudo dissemos que “as low cost vieram revolucionar a forma como se fazem seguros em Portugal. (…) Por terem custos substancialmente mais baixos, estas seguradoras têm preços mais competitivos e produtos mais simples.” 

Depois das conclusões deste segundo estudo, podemos acrescentar que as seguradoras tradicionais não ficaram a ver as low cost ganharem quota de mercado. Pelo contrário, seguradoras da “velha guarda”, tradicionais e históricas, adaptaram os seus produtos numa lógica de competitividade de preço e sem baixar ao serviço que as caracteriza, nomeadamente o acompanhamento personalizado e a assistência mais próxima em caso de acidente. 

O que falta mostrar é que afinal low cost não é sempre barato e que tradicional nem sempre é mais caro. É preciso fazer as contas.