A crise e as casas

O mercado imobiliário sofre alterações com a crise. Ou porque a prestação do crédito habitação tem vindo a baixar ou porque fruto do incumprimento por parte das familias, crescem os leilões de imóveis. A crise para uns é a oportunidade para outros.

A crise e as casas

Tendo em conta a descida das taxas Euribor, os portugueses pagam cada vez menos juros pelos seus créditos habitação.

De acordo com o Instituto Nacional de Estatística (INE), a taxa de juro implícita para o conjunto dos contratos de crédito à habitação fixou-se em 2,372%, baixando 0,137 pontos percentuais face à taxa observada em Abril.

Mesmo com a prestação mais baixa, muitas são as familias que entregam as casas aos bancos, por não conseguirem efectuar o pagamento da prestação

Com esta realidade, cresce o mercado dos leilões que ao passo que até ao ano passado realizavam uma média de dois por mês, agora realizam-se quatro, em Lisboa e no Porto.

Para quem tem disponibilidade financeira, são de facto, oportunidades a não perder já que há descontos entre 10% e 15% para comprar imóveis.