AUMENTe AS sUAS PROBABILIDADES DE ARRANJAR EMPREGO!

Desempregados vão ter novo apoio

O Governo vai lançar uma nova medida de apoio à formação para desempregados. Mas quem está empregado também poderá beneficiar da mesma. Fique atento.

Desempregados vão ter novo apoio
Cheques-formação prometem dar até 500 euros aos desempregados
  • Esta medida será implementada já este ano

O Governo quer lançar uma nova medida para os desempregados. Desta vez, o incentivo visa ajudar na formação daqueles que mais precisam de um impulso para conseguirem novas oportunidades na vida. 

O cheque-formação é assim a nova proposta que irá oferecer até 500 euros de formação aos desempregados e não só. Segundo comunicado do Governo já divulgado à comunicação social, “o objetivo da medida é reforçar a empregabilidade e formação quer de desempregados, quer de pessoas que se encontrem a trabalhar. O apoio previsto será diferente consoante a situação laboral dos candidatos, podendo ir até aos 87,5 euros para quem está empregado e até aos 500 euros para quem não tem um emprego”.
 

Quer saber mais?
Receba as nossas melhores dicas no seu e-mail. Registe-se no E-Konomista. Diariamente, levamos até si a informação de emprego mais relevante.
O Ministério do Emprego e Segurança Social já revelou que esta medida, que irá ter disponibilizar 15 milhões de euros, irá avançar, por enquanto, num regime experimental. 

Este cheque-formação vai principalmente “reforçar a empregabilidade através da concessão de um apoio financeiro que pode ser atribuído aos ativos empregados e aos desempregados e também às empresas - pressupondo-se que isto ocorra quando são as entidades empregadoras a apresentar a candidatura”.

Já os desempregados podem candidatar-se desde que estejam inscritos num Centro de Emprego, mas que “não estejam abrangidos por medidas ativas de emprego ou intervenção profissional e que tenham pelo menos o ensino secundário completo ou, no máximo, uma licenciatura”.

Os cursos de formação vão durar até 150 horas e poderão ser comparticipado até 500 euros, sendo que, segundo noticiado, a este apoio “soma-se ainda uma bolsa de formação, subsídio de refeição e despesas de transporte”, conclui.


Veja também: