Eletricidade mais cara em 2017

Faz parte do rol de portugueses que estão no mercado regulado? Prepare-se para ter a eletricidade mais cara em 2017.

Eletricidade mais cara em 2017
Confirmado pelo regulador.

Sim, é verdade. A eletricidade mais cara em 2017 parece ser mesmo um cenário confirmado. O aumento é de 1,2% e foi comunicado pela Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE). 

"A sua leitura permite concluir que a expressão, nos orçamentos familiares, do aumento subjacente às tarifas de venda a clientes finais transitórias para 2017 é de 0,57 euros, para uma fatura média mensal de 46,7 euros", referiu a ERSE em comunicado.

Já "os consumidores abrangidos pelas tarifas sociais de venda a clientes finais terão um acréscimo na fatura mensal de eletricidade no valor de 0,25 euros, para uma fatura média mensal de 20,4 euros".

A eletricidade mais cara em 2017 não deverá ser para todos os portugueses mas apenas para os cerca de 1,3 milhões de consumidores que ainda estão no mercado regulado. Contudo, a mudança pode vir a afetar os outros 4,7 milhões de clientes que já estão no mercado livre, uma vez que os descontos das operadoras se baseiam na tarifa regulada.

Ainda segundo a ERSE, "o mercado liberalizado de eletricidade atingiu em outubro de 2016 mais de 4,7 milhões de clientes e representa já mais de 91% do consumo total em Portugal, tendo as tarifas transitórias cada vez menor expressão no setor elétrico".

Este, apesar de tudo, é o menor aumento dos últimos 10 anos


Veja também: