Publicidade:

Facebook confirma que lê mensagens no Messenger

Mark Zuckerberg explicou, em entrevista, que o Facebook tem sistemas que analisam as mensagens para evitar abusos das regras e o envio de conteúdo suspeito.

Facebook confirma que lê mensagens no Messenger
A rede social analisa mensagens para evitar abusos

O Facebook analisa os links e imagens que os utilizadores partilham entre si no Messenger, lendo também as mensagens que aí são trocadas quando elas são sinalizadas aos moderadores, de modo a garantir que o conteúdo obedece às regras da empresa. Quando tal não acontece, o conteúdo é bloqueado e/ou eliminado.

Facebook analisa imagens, links e mensagens enviados no Messenger

facebook le mensagens no messenger

Mark Zuckerberg confirmou, numa entrevista a Ezra Klein, do Vox, a existência estas práticas por parte da maior rede social do mundo. O CEO do Facebook disse na entrevista que o sistema do Facebook é capaz de detetar o que se passa no Messenger e que quando “mensagens sensacionalistas” são detetadas, estas “são impedidas de ser enviadas”.

Estas afirmações começaram a gerar reações por parte de alguns utilizadores do Facebook, que manifestaram a sua preocupação no Twitter, questionando se a empresada liderada por Zuckerberg estava a ler mensagens de uma forma mais generalizada.

De acordo com o Facebook, a empresa não usa dados das mensagens analisadas para fins publicitários. A maior rede social do mundo explicou à Bloomberg que, apesar de as conversas do Messenger serem privadas, o Facebook analisa-as e usa as mesmas ferramentas para impedir abusos, tal como faz no Facebook de forma geral.

Todo o conteúdo deve estar de acordo com as regras da empresa, sendo que os utilizadores podem reportar publicações ou mensagens que violem estas regras.

“Por exemplo, no Messenger, quando se envia uma foto, os nossos sistemas automatizados analisam a foto usando tecnologia de correspondência para perceber se há exploração de fotos de crianças conhecidas ou quando se envia um link, este é analisado para impedir a propagação de malware e vírus. O Facebook criou estas ferramentas para impedir de forma rápida comportamentos abusivos na plataforma”, afirmou um porta-voz do Messenger.

O Messenger era parte do serviço principal do Facebook até 2014, quando se tornou uma aplicação independente. Este serviço de mensagens tem uma opção de encriptação de mensagens, sendo que esta tem de ser ativada pelo utilizador.

Entre outras mudanças no Facebook, a rede social atualizou a sua política de dados no dia 4 de abril de 2018, esclarecendo que o Messenger e o Instagram operam de acordo com as mesmas regras do Facebook.

“É melhor explicarmos como combatemos abusos e investigamos atividade suspeita, incluindo a análise do conteúdo que as pessoas partilham”, indicou a empresa em comunicado.

Veja também: