Fim do gasóleo poderá estar para breve

A subida dos custos de desenvolvimento dos motores poderá justificar o fim do gasóleo.

Fim do gasóleo poderá estar para breve
Renault quer dar os primeiros passos.

A Renault admitiu que poderá abandonar o uso de motores a gasóleo na maior parte dos carros vendidos na Europa. A hipótese surgiu durante uma reunião da empresa francesa e é sustentada pela subida dos custos de desenvolvimento dos motores alimentados por este combustível e ainda pelo cumprimento das regras europeias de emissões. Poderá isto ser o início do fim do gasóleo?

“As normas mais restritivas e os métodos de homologação vão aumentar os custos tecnológicos de forma a que os motores a gasóleo sejam forçados a sair do mercado”, confidenciou uma fonte à agência Reuters, citando as declarações de Thierry Bollore, responsável do departamento de competitividade.

A medida poderá brevemente afetar a construção dos modelos Clio e Mégane – que estão entre os mais vendidos em Portugal – sendo que os motores a gasóleo já têm vindo a ser retirados dos automóveis do segmento A como o Twingo. Uma decisão que poderá vir a marcar o fim do gasóleo.

Recorde-se que a Renault chegou a ser acusada, no início do ano, de usar um sistema fraudulento semelhante ao da Volkswagen e que a partir de 2019 os testes de emissões passarão a ser baseados em provas em consumo real e não em testes em laboratório, conforme as normas aprovadas pelo Parlamento Europeu.


Veja também: