Menos crédito a particulares

A concessão de crédito a particulares diminuiu 6%, enquanto que o crédito às empresas não baixou assim tanto. Tal fica a dever-se à queda do crédito clássico, ou o crédito pessoal que tanto os consumidores se inibem de solicitar como a banca dificulta o acesso. Já lá vai o tempo do crédito fácil...

Menos crédito a particulares

 

De acordo com dados da Associação de Instituições de Crédito Especializado (ASFAC), o crédito diminuiu 3,7% no primeiro trimestre do ano, comparativamente ao mesmo período do ano anterior.

A ASFAC representa 31 instituições, entre elas, o Credibom, a Cofidis; e explica que este decréscimo deve-se à diminuição do crédito clássico, ou crédito pessoal, concedido aos particulares, que diminuiu 6%.

O crédito às empresas também baixou mas não tanto, aliás, no espaço de um mês, segundo o Banco de Portugal, o crédito às empresas, de Fevereiro para Março subiu em 389 milhões de euros. Aliado a este aumento também esteve o crédito malparado, que subiu 97 milhões de euros, principalmente devido a empresas nos ramos da construção e comércio.

A maioria do crédito clássico solicitado é crédito automóvel, representando 72% do total concedido, assim como crédito pessoal para o lar, com 16% de crédito concedido.

Também a área financeira, especialmente, a área de crédito especializado sente os efeitos da crise, manifestando-se na diminuição de crédito aos particulares e aumento do financiamento das empresas em 2010. Este ano, assiste-se a uma quebra no crédito para consumo, assim como as empresas recorrem menos ao crédito e de acordo com o presidente da associação esta tendência irá manter-se.