Menos crimes informáticos mas mais burlas e extorsões online

A GNR registou menos crimes informáticos em 2016, mas observou o aumento de outros crimes na internet, como burla e extorsão.  

Menos crimes informáticos mas mais burlas e extorsões online
Exploração de menores e roubo de identidade são alguns dos crimes

Em 2016, foram registados 911 crimes informáticos, menos 157 face a 2015. Os dados são da Guarda Nacional Republicana, divulgados para assinalar o Dia Europeu da Internet Segura. Em comunicado oficial, a GNR informou a queda nos crimes informáticos, mas salientou o aumento de outros crimes, como burla ou extorsão através da Web. 

“Não obstante, com o aumento dos recursos tecnológicos, registou-­se um aumento de outros crimes relacionados com o meio informático como é o exemplo das 3.171 burlas (mais 291) e das 98 extorsões (mais 22)”, adianta a GNR em comunicado.

São exemplos de crimes informáticos o ‘phishing’, fraude 'online', da qual pode resultar a perda de dados pessoais, dados de contas bancárias, tendo em vista obter ganhos ou vantagens económicas, e o ‘ransomware’, um vírus que chega ao computador através do e­mail e que pede um resgate monetário para que seja desbloqueado. Já as burlas e as extorsões 'online' são casos em que se usa o meio informático para enganar alguém.

No ano passado também chegaram à Linha Alerta do Centro Internet Segura 900 denúncias de casos de conteúdos ilegais 'online', número que se manteve em relação ao ano anterior. Contudo, depois de analisadas, verificou-­se que mais de metade não correspondia a conteúdos ilegais, disse à agência Lusa a Coordenadora do Centro internet Segura, Sofia Rasgado.

Sofia Rasgado explicou ainda que os conteúdos ilegais enquadram “a exploração de abuso sexual de menores, a apologia à violência e a apologia ao racismo".


Como denunciar crimes na internet

As denúncias destas situações podem ser feitas “a qualquer momento” e anonimamente, através do número gratuito (800 200 212) da Linha Alerta, uma linha que consiste no bloqueio de conteúdos ilegais na internet e na perseguição e acusação criminal de quem publica este tipo de conteúdos.

Para os casos que não consegue dar resposta, o centro conta com o apoio de entidades parceiras, como a
Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV) e o Instituto de Apoio à Criança (IAC).

O Centro Internet, coordenado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia, também tem a Linha Internet Segura (800 219 090) para apoio e esclarecimento de dúvidas sobre a utilização segura das tecnologias de informação e comunicação.

 

Dia Europeu da Internet Segura

Para assinalar o Dia Europeu da Internet Segura, a GNR e a Microsoft Portugal vão realizar, entre quarta e sexta-feira, ações de sensibilização em todo o país que irão abordar temas como o 'cyberbullying', o furto de identidade, a privacidade, a incorreção das fontes de informação, os vírus informáticos e a dependência da internet.

A campanha tem como público-­alvo crianças e jovens, encarregados de educação, idosos e agentes educativos. Em 2016, a GNR e a Microsoft sensibilizaram 75 mil alunos, sendo o objetivo para 2017 chegar a mais de 90 mil alunos, 1.500 pais, 400 escolas, 1.500 professores e 2.000 idosos, com o apoio de mais de 700 voluntários.

Já o Centro Europeu Internet Segura assinala a data com um seminário em Lisboa, com o tema “Marca a
diferença: Unidos por uma Internet melhor!".

Veja também: