Mulheres com filhos dormem menos que os companheiros

Há evidências de que as mães, de facto, não dormem o suficiente, mas o mesmo não acontece no caso dos pais: conheça o estudo.

Mulheres com filhos dormem menos que os companheiros
Homens parecem não ser afetados

As mães dormem menos do que os pais? Este é, pelo menos, o lamento de muitas mulheres, isto é, que a sua vida e mesmo saúde acaba por ser mais afetada pelo nascimento dos filhos do que a vida dos homens.

Estudo dá razão às mulheres: mães dormem menos

Num estudo de fevereiro deste ano, que será apresentado no Encontro Anual de Neurologia da Academia Americana, na Universidade da Geórgia do Sul, os investigadores analisaram os hábitos de sono de 5800 adultos, procurando saber o número de horas que dormem por noite e com que frequência se sentem cansados durante o dia.

Tendo em conta outros factores como raça, IMC, condição sócio-económica ou mesmo o ressonar, os investigadores chegaram à conclusão de que apenas o facto de se ser mulher de 45 anos ou menos afeta a qualidade do sono. Nem a prática de exercício físico nem o estado civil têm qualquer efeito que se assemelhe à presença de crianças.

Embora 62% das mulheres com menos  de 45 anos sem filhos tenham referido conseguir dormir pelo menos 7 horas por noite – número considerado ideal pelos especialistas – a percentagem desce para  48% se se tratarem de mulheres com filhos pequenos em casa.

Um resultado ainda mais preocupante é que as probabilidades de uma mulher sofrer de sono insuficiente aumenta em 50% por cada filho pequeno que tenha a viver em casa.

De facto, as mulheres que têm mais crianças pequenas em casa afirmaram sentirem-se cansadas mais regularmente: cerca de 14 dias por mês, em comparação com os 11 dias para as mulheres sem filhos na mesma faixa etária.

Surpreendente é que os homens com idade de 45 anos ou menos afirmaram que ter crianças pequenas em casa não tem qualquer efeito nem na qualidade do sono nem nos níveis de cansaço registados durante o dia.

Embora este estudo seja apenas preliminar e baseado em informações dadas pelos alvos do estudo, os investigadores reforçam a necessidade de um bom descanso, de um sono de qualidade para a manutenção de corpos e mentes sãs.

As mulheres que se queixam de terem a sua vida muito mais alteradas pela maternidade do que os pais acabam por ter, neste estudo, uma validação desses lamentos.

Veja também:

Continuar a Ler