5 erros a evitar na negociação salarial

Se anda à procura de emprego ou de um aumento, a negociação salarial faz parte do processo. Conheça os erros a evitar.

5 erros a evitar na negociação salarial
Cuidado com os nervos e as ratoeiras

Saber negociar é meio caminho andado para conseguir o salário que quer. Mas estaremos todos dispostos a isso?

Um inquérito do site Salary mostrou que apenas 37% das pessoas negoceia o salário, enquanto 18% nunca o faz. E 44% admitiram ainda que nunca puxaram o tema aumento durante as avaliações. A principal razão apresentada: medo.

Sim, a negociação salarial pode ser uma ideia assustadora, mas pior é não arriscar.

Por isso é que, antes de avançar para um processo de negociação, deve preparar-se, informar-se sobre os ordenados médios na categoria a que se candidata e ter noção do valor que está disposto a aceitar.

Dizemos-lhe alguns dos erros a evitar durante uma negociação salarial.
 

O que não fazer numa negociação salarial

 

1. Não pensar em negociar

Esse é o principal erro a evitar: contentar-se com a primeira oferta recebida. Por muito que não goste da ideia de negociar, isso vai provavelmente conduzi-lo a um salário inferior ao que merece. E esse primeiro passo pode afetar a sua vida profissional no futuro. Lembre-se que um novo empregador vai sempre perguntar-lhe quanto ganhava antes de formular uma oferta.   



2. Dizer logo qual o mínimo que aceitaria

Ok. Se um empregador lhe pede essa informação numa fase inicial do processo vai ser difícil não responder. Por isso, convém que, primeiro, saiba quanto vale, e depois, não se comprometa com um valor fixo. Dê um intervalo salarial e não um salário em concreto. Mostre que o valor também pode ficar dependente de outras regalias oferecidas pela empresa, como prémio de produtividade ou seguro de saúde, por exemplo.



3. Não se preparar

Como já dissemos, é essencial que se prepare antes de avançar para uma negociação salarial. Pesquise qual o ordenado médio na sua categoria profissional, peça opinião a profissionais da área e conte com os seus anos de experiência. Informe-se ainda sobre o historial de salários da empresa a que se candidata.



4. Aceitar ou rejeitar uma oferta demasiado rápido

Só quando lhe fizerem uma oferta concreta é que pode começar a negociar. Perguntar por questões salariais demasiado cedo pode mostrar que está mais interessado na parte monetária do que no trabalho em si.

Mas convém também ter em conta que, num processo de recrutamento longo, não deve aceitar a primeira oferta que lhe fazem, mesmo que lhe pareça boa. Se o escolheram e lhe estão a fazer uma oferta é porque estão interessados em si. Use esse poder a seu favor.

Por outro lado, não rejeite uma oferta salarial “à primeira vista”. Embora essa possa ser a decisão certa, antes tente começar um processo negocial e veja onde vai parar. Faça as contas com calma. Nem só o salário interessa. Tem outros benefícios?



5. Não colocar as coisas por escrito

Depois de tudo debatido e de chegar a uma proposta que lhe parece aceitável em termos salarial não corra riscos. Peça para que tudo seja colocado por escrito. Se o empregador for sério não vai estranhar nem recusar este seu pedido. Caso recuse, esteja atento. Talvez a empresa não seja o local ideal para trabalhar.
 
Veja também:

Continuar a Ler