OCDE mantém baixas expetativas em relação ao PIB português

Na perspetiva da OCDE, os valores de crescimento de Portugal não deverão ultrapassar os 1,3% até 2018.

OCDE mantém baixas expetativas em relação ao PIB português
Até 2018.

A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) continua a mostrar-se mais pessimista que o Governo no que diz respeito aos valores do crescimento para o próximo ano. Um cenário para o qual contribuiu o fraco investimento e o endividamento das empresas.

Os números foram publicados na nova edição do Global Economic Outlook, da OCDE, onde se pode verificar que as expetativas para Portugal residem num crescimento de 1,2% este ano e no próximo e ainda uma ligeira aceleração para 1,3% em 2018.

"Está projetado que o crescimento do PIB continue deprimido, à volta de 1,25% em 2017 e 2018. Elevada alavancagem das empresas e um sector bancário frágil vão travar o investimento privado e o desemprego ainda alto vai restringir o crescimento do consumo", lê-se na publicação da OCDE. "Como a lentidão da economia persistirá, a inflação continuará baixa. Estimular o investimento e a produtividade são as chaves para melhorar o bem-estar e o crescimento."

A organização estimou que o défice orçamental português deverá representar 2,5% do PIB este ano, em linha com a meta exigida pela Comissão Europeia. Um cenário que pode piorar para o próximo ano com a estimativa de um défice de 2,1% do PIB, contra o de 1,6% previsto pelo Ministério das Finanças.

"O investimento privado e público estão a um nível historicamente fraco. Um sector empresarial altamente alavancado e elevada incerteza estão a travar o investimento empresarial, que é crucial para suportar o crescimento das exportações", referiu a OCDE.


Veja também: