Pedidos de reformas antecipadas disparam. Receio de novos cortes?

Confrontados com os sucessivos cortes e com as ameaças do aumento dos mesmos, os portugueses optaram por pedir as suas reformas antecipadamente, de forma tentar evitar a perda de mais dinheiro.

Pedidos de reformas antecipadas disparam. Receio de novos cortes?
Mais de metade dos pedidos de reforma são de reformas antecipadas.
  • Taxa de penalização das pensões antecipadas aumentou 14,6% em 2013

Com os fortes cortes sentidos em todos os sectores e a premonição de que as reformas poderiam sofrer sucessivos cortes, muitos portugueses optaram pela “corrida” às reformas, solicitando por isso a reforma antecipada. Esta medida poderia permitir que as pessoas assegurassem um determinado valor de reforma, tentando garantir alguma estabilidade.

Só no ano de 2013, a Caixa geral de Aposentações atribuiu mais de 20 mil novas reformas, sendo que 52% foram pedidos de reformas antecipadas. O documento divulgado esta semana pela Caixa Geral de Aposentações sublinha o elevado número de pedidos que deu entrada nos sistemas em finais de 2012. A justificação prende-se com o facto de muitos dos trabalhadores quererem “fugir” ao agravamento das penalizações para o acesso às reformas.

O mesmo relatório adianta ainda que mais de metade das reformas que são pagas pela Caixa Geral de Aposentações, dizem respeito a valores inferiores a mil euros

A notícia avançada ontem relembra ainda que “em Janeiro do ano passado a idade exigida para a reforma passou a ser de 65 anos para a função pública, mas quem fez o pedido até Dezembro de 2012 ficou com as condições vigentes nesse ano asseguradas”.


Veja também: