Portagens nas SCUT - 1 mês de adaptação

Até ao final do ano as portagens deverão avançar. Já estão a ser formadas equipas para fiscalizar as SCUT, mas os utentes terão um mês de adaptação, portanto, no primeiro mês não há multas.

Portagens nas SCUT - 1 mês de adaptação

Amanhã, na reunião de Conselho de Ministros já se deverá anunciar a decisão acerca das datas e critérios das portagens nas SCUT. No entanto, está desde já definido que a fiscalização das portagens só irá ocorrer um mês depois da sua entrada em funcionamento.

 

Este período de adaptação é considerado importante pelas concessionárias para os utentes terem tempo para se adaptar e perceberem o correcto funcionamento das portagens nas SCUT.

 

O Governo dispõe agora de 30 dias para alterar a portaria onde definiam os meios de pagamento, devido à nova lei do parlamento que determinou que já não é obrigatório o dispositivo electrónico para circular nessas vias. Se o Governo ainda quiser introduzir descontos ou até mesmo isenções para os residentes, terá que alterar o decreto-lei de 14 Junho, onde estava definido que alguns troços por não existirem vias alternativas, o governo iria aplicar isenções.

 

Estas isenções aplicavam-se à Costa da Prata, Grande Porto e Norte Litoral, tendo-se colocado esta hipótese de os utilizadores beneficiarem de descontos ou isenções, até como uma forma de minimizar o impacto de nestas, as portagens nas SCUT entrarem em vigor antes que nas restantes vias.

 

Agora, avizinha-se outra batalha. Quais os critérios considerados para essas isenções e esses descontos? Além da contestação contra as portagens nas SCUT - Auto-Estradas sem custos para o utilizador, agora ainda poderá surgir uma contestação  quanto à discriminação positiva para os residentes, por parte dos utilizadores de auto-estradas pagas que também passam a exigir esta discriminação positiva.

 

O presidente da Estradas de Portugal (EP), Almerindo Marques, queixa-se do atraso na introdução de portagens nas SCUT, alertando que o défice da empresa continua a aumentar devido a estas vias sem custo para o utilizador, salientando que "há um conjunto de pagamentos e como a EP está numa fase de intenso investimento é normal que surjam défices de tesouraria.