Portugueses reformam-se cada vez mais tarde

Devido às penalizações para quem se reforma antecipadamente estas são cada vez mais raras.

Portugueses reformam-se cada vez mais tarde

Desde a reforma da Segurança Social há 3 anos, que passou a penalizar quem se reforma antecipadamente, que existem cada vez menos reformas antecipadas.

Entre os europeus, os portugueses são os que se reformam mais tarde, gozando menos do tempo de pensão, sendo em média aos 63 anos.

Uma vez que o cálculo das pensões passou a tomar em consideração o factor sustentabilidade, o qual considera a esperança média de vida, tal implica que quanto mais se vive, menor é a reforma. Portanto, para compensar, disfruta-se menos do tempo de reforma e trabalha-se até mais tarde.

Se compararmos Portugal a outros países europeus, vemos facilmente que Portugal é dos países onde as pessoas se reformam mais tarde. Se os reformados portugueses gozam durante 21 anos da sua pensão, já em França aproveitam mais 6 anos, ou na Grécia mais 4 anos, e por último, mais 5 no Luxemburgo.

Para quem não quer perder qualidade de vida, depois de deixar a vida activa e até tenha alguma disponibilidade financeira, o ideal será começar a pensar em subscrever algum produto de poupança complementar, como um plano de poupança reforma.

Devido a este cálculo de pensões, a única forma de fugir às penalizações para quem já atingiu a idade de reforma é trabalhar mais um pouco, já que assim  pode receber uma bonificação de 1% por cada mês a mais que se trabalhar, tal como está definido na lei da função pública.
Portanto, no fundo, os portugueses têm que trabalhar mais se querem ter uma reforma mais sustentável.
 

Saiba mais:

O que mudou na reforma antecipada