Reformas antecipadas no BPI

A reforma antecipada de 260 colaboradores vai permitir ao banco uma poupança de 12 milhões de euros, o que vai ajudar à obtenção de melhores resultados. Além disso, em Agosto já está marcada uma reunião com a equipa da troika, uma vez que o BPI acredita que as medidas anunciadas não tomam em consideração a realidade do nosso país.

Reformas antecipadas no BPI
O banco quer poupar.

O presidente do BPI, Fernando Ulrich, afirma que apesar de não estar de acordo com as medidas da troika, tal não significa que exista algum tipo de concertação contra o programa da equipa de resgate.

O que acontece é que existe algum debate de ideias entre o sector, especialmente, a nível da Associação Portuguesa de Bancos, que leva a concluir que o plano que se pretende implementar, não é bom nem para a banca, nem para a economia portuguesa, pois está um pouco desfasado da realidade do país.

Por esse motivo, para revisão do plano e para discussão de planos de capital entregues em Junho, o BPI vai reunir-se com a troika em Agosto.

Os bancos estão sujeitos a uma enorme pressão, especialmente no curto prazo, tendo em conta que a troika obrigou os bancos a reforçarem os rácios de capital para 9% este ano e 10% em 2012.

Ao divulgar os resultados do banco no primeiro semestre, que indicam queda nos lucros de 20% em termos homólogos, foi também anunciado que 260 colaboradores vão ser alvo de reforma antecipada. Tal vai permitir uma poupança de 12 milhões de euros, já a partir do próximo ano, o que proporciona melhores resultados para o banco.