Salários Portugueses cada vez mais longe da média europeia

Rendimento e escolarização apontados como os principais causadores da situação actual

Salários Portugueses cada vez mais longe da média europeia

No âmbito do livro "Desigualdades sociais 2010, Estudos e Indicadores", apresentado hoje pelo coordenador Renato Miguel do Carmo no ISCTE, em Lisboa, o rendimento e a escolarização dos trabalhadores portugueses estão muito aquém da média da União Europeia e a situação tornou-se um ciclo vicioso que leva à pobreza.

 

O livro foi apresentado às 18h00 no ISCTE, em Lisboa, e será tema de reflexão para o ex-presidente da República Jorge Sampaio e do ex-ministro dos Negócios Estrangeiros Diogo Freitas do Amaral.

 

Segundo o coordenador, Portugal sempre teve salários baixos e um contrato de trabalho estável nunca foi sinónimo de rendimentos razoáveis.

 

Também a escolarização é apontada como um grande motor da desigualdade em Portugal, uma vez que dois terços da população activa só tem a escolaridade obrigatória.

 

O actual panorama de desemprego é um claro sinal do quão preocupante é esta situação e o peso destes dois factores no nível de pobreza, desemprego e mobilidade social.

 

Quando se faz a comparação entre Portugal e outros países da União Europeia, percebe-se a diferença enorme que existe ao nível da escolarização e rendimentos, que são uma constante e por isso causadoras das desigualdades actuais.