Spreads imparáveis

O sector imobiliário está em crise crescente. Já se perderam milhares de postos de trabalho, não se conseguem vender as casas e a ajudar está o crédito habitação cada vez mais apertado, agora com os bancos a agravar os spreads. Desde janeiro, que a banca já subiu 50% ao valor de spread minimo cobrado.

Spreads imparáveis

Está muito dificil a compra e venda de casa. Por um lado a compra é dificultada pelo restrito acesso ao crédito bancário, levando a uma diminuição da procura, reduzindo, portanto, o valor dos imóveis, consideravelmente.

O problema reside em excesso de construção, portanto, muita oferta, além da crise que rouba liqudez aos bancos não lhes sendo possivel fornecer crédito para a compra de casa. Está na altura de recuperar o arrendamento, parece ser, aliás, a única alternativa.

Para os bancos, o crédito habitação é cada vez menos um negócio interessante. Consegue explicar-se este fenómeno com a incerteza vivida pelo país em geral, que se reflecte no alto nível de crédito malparado, além da debilidade do mercado imobiliário.

Por esse motivo, não páram de subir os spreads, porque também aumentou o custo de financiamento e a falta de liquidez é um problema grave que a Banca enfrenta. Nos bancos portugueses já não encontra spreads abaixo de 0,5%, como há uns anos atrás eram negociados. Aliás poucos são os que apresentam um spread minimo abaixo dos 2%, o que repesenta um aumento de praticamente 50%.

No fundo, a banca tem aumentado a sua margem de lucro de forma a compensar a subida do risco que corre devido à instabilidade da economia.