AUMENTe AS sUAS PROBABILIDADES DE ARRANJAR EMPREGO!

Há 130 vagas em aberto na Conforama

O Grupo Conforama quer ter 10 lojas em Portugal até 2017. Em Junho abre dois novos espaços e está a contratar 130 pessoas. 
 

Há 130 vagas em aberto na Conforama
Empresa vai abrir em breve lojas em Corroios e Olhão

Aumente as chances de ser contratado com um Curso de Inglês - 20 Aulas GrátisA Conforama é uma multinacional que conta com mais de 290 lojas especialistas em móveis, cozinhas, eletrodomésticos e decoração. Aquela que é a empresa número dois na distribuição de produtos para o lar tem já 34 lojas na Península Ibérica e está em processo de expansão.

Em Junho, o grupo, que emprega cerca de 500 pessoas, vai abrir duas novas lojas, em Corroios e Olhão (em antigos espaços das lojas Moviflor), e está a reforçar as suas equipas com 130 novos colaboradores. Em 2017, a empresa quer ter 10 lojas em Portugal. A Conforama, que já tem espaços em Lisboa (Amadora, Cascais, Sintra e Setúbal), no Porto (Vila Nova de Gaia e Matosinhos), no Algarve (Albufeira) e na Madeira (Funchal), pretende ainda abrir mais duas lojas em Lisboa (Bobadela e Loures), uma no Porto, uma em Aveiro e outra em Coimbra.

O processo de recrutamento está a decorrer. Para as novas lojas, a Conforama precisa de chefes de secção, coordenadores e vendedores, decoradores, operadores de armazém, vendedores, repositores e operadores de caixa. Para algumas das vagas não é preciso experiência profissional. As candidaturas podem ser feitas junto das lojas do grupo ou no site da Conforama, indicando a função a que se candidata.

Neste momento, há também em aberto uma vaga para coordenadores de móveis de cozinha na loja de Sintra. Deve ter o 12.º ano e dois anos de experiência na área.

Em Espanha, o grupo Conforama está também a recrutar para a área das vendas de móveis, cozinhas, eletrodomésticos e decoração, e ainda operadores de caixa e rececionistas, a part-time.

Descubra aqui algumas ofertas de emprego na Conforama
 

Saiba quem mais está a contratar com a Newsletter do E-Konomista

 
Veja também: