Publicidade:

6 alternativas para poupar luz

Está à procura de alternativas para poupar luz? Siga as nossas conselhos e reduza a fatura da eletricidade de forma eficaz.

6 alternativas para poupar luz
Comece hoje mesmo a economizar

O drama é mensal: reduzir a fatura de eletricidade sem colocar em causa o conforto e todo o agregado familiar. Por vezes, esta tarefa assemelha-se a uma das doze tarefas de Hércules, tamanho o esforço e criatividade exigidos para o sucesso desta “empreitada”. Se está à procura de alternativas para poupar luz deverá começar por mudar de hábitos.

Por vezes, o mais difícil é dar o primeiro passo. Siga as nossas dicas e garanta mudanças efetivas nos seus gastos mensais.

Alternativas para poupar luz: comece já a mudar de vida


alternativas para poupar luz

1. Escolha eletrodomésticos eficientes

Chegou a altura de comprar um novo eletrodoméstico e, assim sendo, está na altura de prestar atenção à etiqueta da eficiência energética. Esta informação é obrigatória e vai ajudá-lo a tomar as melhores decisões para si e para a sua conta bancária. Esta etiqueta vai elucidá-lo em relação ao desempenho energético de qualquer tipo de equipamento (de A+ até G).

Quanto pior a classificação, maior o consumo energético desse aparelho e, por conseguinte, a fatura da eletricidade.

Antes de avançar para a compra, lembre-se que os equipamentos mais eficientes também são os mais caros. Assim sendo, é fundamental analisar todas as opções do mercado e adquirir a que melhor se adapta às suas necessidades e à sua carteira.

2. Palavra de ordem: redução

Independentemente da estação do ano, a palavra de ordem é reduzir o consumo energético. Assim sendo, reduza a temperatura do ar condicionado e do aquecimento em apenas alguns graus para garantir uma diminuição dos gastos.

Pode, ainda, ir mais longe: durante o verão pode abdicar do ar condicionado e optar por uma ventoinha. Se não consegue passar sem o aparelho de ar condicionado, não se esqueça de substituir os filtros de forma regular: uma manutenção cuidada por ajudar a reduzir os gastos destes aparelhos em 5%. No inverno, baixe a temperatura alguns graus e utilize mais roupa dentro de casa – é mais uma forma de garantir a redução dos gastos de energia.

Mas há mais: diminua a utilização do microondas para descongelar os alimentos. Basta tirar a comida do congelador no dia anterior à respetiva confeção.

Utilize o programa mais económico da máquina de lavar a loiça (confirme sempre o tempo de duração e o volume de água consumida em cada programa). Desligue o forno cerca de 10 minutos antes do final da cozedura – vai continuar a cozinhar o prato com o calor acumulado enquanto reduz uma boa parte da eletricidade necessária para essa operação.

Finalmente, evite abrir a porta do frigorífico com frequência. De cada vez que abre a porta deste eletrodoméstico durante 10 segundos, está a aumentar o consumo energético do aparelho entre 0,2 e 0,8%. Para evitar consumos energéticos desnecessários, retire todos os alimentos do frigorífico de uma só vez.

3. Desligue (mesmo) todos os equipamentos

De acordo com a Quercus, cada habitação portuguesa gasta todos os anos, em média, 193 kWh de energia com os aparelhos em stand by, o que equivale a 4,8% do valor anual gasto em eletricidade. Os valores são elevados e podem ser eliminados se os aparelhos forem desligados completamente.

Convém estar atento aos aparelhos de entretenimento (TV’s e consolas) e de informática (computadores e derivados). Para garantir que os aparelhos estão totalmente desligados deve retirar a ficha da tomada ou utilizar as soluções com botão corta-corrente.

De acordo com a Quercus, deverá ter particular atenção com as boxs das televisões. Se desligar estes aparelhos por períodos de oito horas será capaz de poupar até 17 euros por ano.

4. Compare os preços para poupar energia

Se está à procura de alternativas para poupar luz deverá comparar preços. Hoje em dia, o mercado liberalizado possibilita a existência de vários fornecedores deste serviço com especificidades (e preços) diversas.

Segundo a DECO, a Associação de Defesa do Consumidor, uma família sem filhos pode economizar 47,86 euros por ano se fizer a escolha acertada. Se tiver dúvidas pode conferir o simulador online desta associação para descobrir qual a melhor opção para si e para o seu agregado familiar.

5. Ajuste a potência

Quando estiver a analisar a melhor tarifa, não se esqueça que também pode optar por uma tarifa de consumo de energia bi-horária, que permite otimizar os consumos e diminuir efetivamente a fatura de eletricidade (ao utilizar as chamadas horas de vazio – durante a noite e aos fins-de-semana). Contudo, esta pode não ser a melhor opção para si. Porquê? Nós temos a resposta.

Feitas as alterações em sua casa, não se esqueça de verificar os gastos médios nas faturas de luz mais antigas. Depois basta perceber quais os resultados efetivos da mudança de hábitos em sua casa. O mais certo é ficar surpreendido com a enorme diferença que estas pequenas alterações têm na fatura mensal.

6. Gaste o menos possível

Sempre que possível, evite o consumo de energia. Como? Aproveite a luz solar para iluminar e aquecer os espaços, se vive numa zona muito iluminada, aproveite a iluminação pública para iluminar a sua habitação (sim, funciona) ou seque a roupa ao ar livre.

Veja também:

O E-Konomista disponibiliza e atualiza informação, não presta serviços de aconselhamento fiscal, jurídico ou financeiro e não é responsável pelos produtos apresentados. A informação está atualizada até à data apresentada na página e é prestada de forma geral e abstrata, tratando-se de textos meramente informativos, pelo que não constitui nem dispensa a assistência profissional qualificada. Se quiser sugerir uma atualização, por favor, envie-nos a sua sugestão para: [email protected].