Publicidade:

Anúncios míticos de automóveis: (re)veja os mais emblemáticos

Há anúncios míticos de automóveis que marcaram uma época e são inesquecíveis, especialmente para os fãs de carros. Relembre alguns dos mais emblemáticos.

 
Anúncios míticos de automóveis: (re)veja os mais emblemáticos
Há anúncios automóveis que ficaram para a história. Recorde-os

A publicidade automóvel existe quase desde que existem automóveis. Muitas estratégias publicitárias criaram anúncios míticos de automóveis que, por diversas razões, ficaram na história, quer das marcas, quer das memórias de cada um. O impacto de um anúncio publicitário depende muito do recetor e de circunstâncias muito específicas.

Os anúncios míticos de automóveis são incontáveis, mas existem alguns que ficam registados, mesmo por quem não é aficionado por carros. Para as gerações que viveram os automóveis desde os anos 1970 a 2000, houve vários anúncios na televisão portuguesa que marcaram a época e que, ainda hoje, são lembrados. Desde a simplicidade de um Citroën Mehari à Fórmula 1 com Ayrton Senna, houve publicidade que se eternizou. Façamos uma pequena viagem no tempo…

8 anúncios míticos de automóveis para lembrar


1. Citroën AX: revolucionário

O primeiro dos anúncios míticos de automóveis é revolucionário! Nos anos 1980, a Citroën colocava os seus dotes cinematográficos na publicidade do AX. Num dos anúncios que tanto passou nas televisões dos portugueses, o citadino descia a mítica Muralha da China a toda a velocidade, com uma condutora oriental de ar extremamente divertido ao volante.

O inesquecível AX, carro de milhares de famílias portuguesas, chegava são e salvo junto a um par de pescadores que – também muito divertidos – respondiam que o modelo francês era “révolutionnaire“. Mais tarde, houve condutores que vieram a descobrir que descer estradas de montanha num AX era tudo menos motivo para rir…

2. Peugeot 306: o fruto do amor

Este anúncio mítico foi um êxito graças à música “La banana, el único fruto del amor”. Ben Setumba Y Su Orquesta marcavam o ritmo a que o Peugeot 306 se esquivava dos obstáculos na via, com a Peugeot a apontar os modernos sistemas de segurança da altura, como ABS, duplo airbag e eixo traseiro direcional.

O 306 fugia das bananas deixadas para trás por uma camioneta carregada do fruto do amor, com um condutor que tinha tanto de alegre, como de descuidado. O foco da mensagem era a segurança. A música da banana ficou no ouvido. Ainda se lembra?…

3. Peugeot 306: l’amour

A Peugeot enamorou-se pelo 306. Todo o carro era amor e sensualidade. A contrastar com o tom popular e descontraído do anúncio com a música do fruto do amor, a marca francesa mudava o estilo nesta publicidade. Marvin Gaye dava voz ao anúncio com o seu estrondoso êxito “Sexual Healing” e o 306 dava o corpo ao manifesto, isto é, desfilava no ecrã com toda a sensualidade, requinte e finesse.

4. Honda Civic: 60 vozes

Nos anúncios de automóveis, geralmente, estes são os principais protagonistas, com a banda sonora a sustentar a mensagem. Na oitava geração do Civic, a Honda encomendou um anúncio em que os papéis quase se inverteram. Para fazer um anúncio que realçasse as caraterísticas do carro nipónico, os responsáveis pela ação publicitária contrataram um coro de 60 pessoas.

Homens e mulheres davam voz ao Civic, simulando os sons do dia a dia a bordo do Honda. Para transmitir a mensagem sonora de forma clara, o coro recebeu sons gravados de diversas partes do carro, o que exigiu a instalação de microfones em diversos locais como, por exemplo, no compartimento do motor e nas escovas limpa para-brisas. O resultado é um anúncio que hoje muitos caraterizariam como “orgânico”.

5. Citroen Visa GTI: selvagem

Outra pérola publicitária oferecida pela Citroën foi o anúncio do desportivo Visa GTI. O mais selvagem dos Visa protagonizava um número digno dos duplos de Hollywood, ao levantar voo de um porta-aviões e acabando por mergulhar no oceano. O Visa mais desportivo tinha motores 1.6, com 105 e 115 cavalos de potência. Neste anúncio mítico da Citroën, o Visa GTI triunfava ao emergir em cima de um submarino.

6. Mercedes: galinhas de luxo

Numa guerra de criatividade publicitária com a Jaguar, a Mercedes-Benz usou galinhas (sim, galinhas… Afinal, se a Peugeot usou bananas, na Mercedes-Benz podem usar galinhas…), para mostrar a eficácia do sistema Magic Body Control. Olhando para a movimentação do corpo das aves, o espectador ficava a perceber (tanto quanto uma galinha pode mostrar) o princípio do funcionamento da suspensão.

Tal como mostravam (e bem) as galinhas da Mercedes-Benz, independentemente das movimentações das rodas, a suspensão mantém a carroçaria com o mínimo ou, mesmo, sem movimentações, contribuindo para segurança e conforto.

7. Mehari: jipe e camião

“Sem capota, com capota, ele é jipe, é camião”, assim começava o anúncio mítico do Citroën Mehari, um modelo muito particular. O carro francês era um género de SUV dos anos 1970, assente no chassis dos Citroën 2CV e Dyane, com o mesmo motor e carroçaria em fibra de vidro. A publicidade apontava todas as faculdades do cabrio, multifacetado para trabalho e lazer.

A marca recuperou o nome há alguns anos para construir o elétrico – e-Mehari -, que não chegou a estar oficialmente presente em Portugal. Se o quiser experimentar, poderá procurá-lo junto de algumas empresas de turismo.

8. Honda e Internavi: o eterno Ayrton Senna

Não é um anúncio de automóveis, mas sim de um sistema de dados. A base desta excelente campanha publicitária acabou por ser um nome que é uma lenda no desporto automóvel. Em 1989, Ayrton Senna estabeleceu a volta mais rápida do mundo no circuito de Suzuka.

Em 2013, a Honda fez um anúncio para promover a Internavi, sistema de informação e recolha de dados existente no carro de Senna. Recorrendo à informação existente, o anúncio recriou as passagens de Ayrton Senna no circuito nipónico, com a instalação de luz sincronizada com o som do McLaren Honda.

Um dos anúncios míticos que chegou ao coração dos fãs de Senna e não só. Mesmo não sendo um adepto do desporto automóvel, é difícil não se deixar levar pela emoção de uma campanha tão bem conseguida, que junta “simples” números e a aura de um piloto que ficou para a história. Para ver e, sobretudo, ouvir várias vezes.

Veja também: