Publicidade:

Ataques de pânico: tudo o que precisa saber sobre este fenómeno

Hoje em dia, ouve-se falar muito sobre ataques de pânico, mas afinal em que é que eles consistem e o que podemos fazer para lidar com eles? Nós explicamos.

Ataques de pânico: tudo o que precisa saber sobre este fenómeno
Saiba o que fazer, se sofre destes ataques

Um dos aspetos mais complexos no que respeita aos ataques de pânico é o medo intenso de que estes se repitam. Tal receio pode levar o paciente a evitar situações em que estes possam ocorrer recusando, por exemplo, ir a um local ou espaço onde já tenha tido ataques de pânico no passado. Em casos mais extremos, esta atitude pode conduzir a uma rejeição total em sair de casa, levando a uma outra patologia – a agorafobia.

Para evitar cair nesta espiral, informe-se sobre o que deve fazer se sofre ou conhece alguém que sofra ataques de pânico e consulte um profissional de saúde habilitado para o efeito.

Ataques de pânico: principais causas, sintomas e tratamentos


ataques de panico

O que é?

Um ataque de pânico pode caraterizar-se como um episódio súbito e intenso de medo que desencadeia um conjunto de reações físicas, que se podem assemelhar às de um enfarte, gerando uma sensação de morte iminente. Apesar de muito assustadores para quem os sofre, estes ataques não oferecem nenhum tipo de perigo real ao paciente. Este fenómeno físico pode durar breves minutos a uma hora e resulta de um processo extremo de ansiedade. Este trauma pode gerar um distúrbio mental conhecido por Distúrbio Cíclico da Ansiedade ou Síndrome do Pânico.

Quando ocorrem

Na maioria dos casos, os ataques de pânico podem ocorrer esporadicamente, uma a duas vezes ao longo da vida, nomeadamente em períodos de maior stress. Contudo, se os episódios se repetirem com maior frequência, causando um receio constante de um novo ataque, então já podemos estar perante aquilo que se pode designar de “pânico patológico”.

Frequência

Os ataques de pânico esporádicos são comuns, afetando anualmente mais de um terço dos adultos. Já as mulheres apresentam este género de episódios duas a três vezes mais frequentemente do que os homens. No que respeita ao dito “pânico patológico”, este é mais raro e diagnostica-se em menos de 1% da população, geralmente no final da adolescência ou no início da idade adulta.

Causas

As causas dos ataques de pânico ainda não são bem conhecidas, mas pensa-se que a genética, o stress intenso, o temperamento e a alteração no funcionamento de algumas zonas do cérebro podem ser fatores determinantes para o despoletar destes episódios.

Existem também fatores de risco que podem promover a ocorrência destes ataques, como é o caso da morte ou doença grave de alguém próximo, alterações importantes na vida, antecedentes de abuso físico ou sexual na infância ou história de um evento traumático, como um acidente ou um assalto.

Finalmente, há ainda doenças que podem potenciar estas manifestações de pânico, tais como doenças psiquiátricas (depressão, ansiedade social, perturbação da ansiedade generalizada ou stress pós-traumático) e doenças crónicas (asma, doença coronária cardíaca ou hipertensão).

Sintomas

Como já dissemos, os ataques de pânico surgem subitamente e podem ocorrer em qualquer momento, enquanto se passeia, conduz, dorme ou, até, durante uma reunião. De um modo geral, os episódios duram um máximo de 10 minutos, seguidos de uma sensação de grande fadiga, por parte do paciente. Alguns dos sintomas percecionados pelo paciente podem ser:

  • ideia de perigo iminente;
  • medo de perder o controlo ou de morrer;
  • aumento da frequência cardíaca;
  • transpiração;
  • tremores;
  • respiração acelerada e difícil;
  • ruborização ou calafrios;
  • afrontamentos;
  • náuseas;
  • dores abdominais ou torácicas;
  • cefaleias;
  • tonturas;
  • vertigens, instabilidade ou desmaio;
  • dificuldade em engolir;
  • diarreia;
  • sensação de irrealidade, estranheza ou separação do meio envolvente;
  • sensações de adormecimento ou de formigueiros.

Diagnóstico

No momento do diagnóstico destes episódios, é importante começar por excluir doenças orgânicas que possam causar sintomas semelhantes, como as doenças cardiovasculares ou da tiróide. De seguida, a avaliação psicológica é fundamental para identificar se existe um cenário de pânico patológico já instalado.

Tratamento(s)

O tratamento dos ataques de pânico passa, essencialmente, pela psicoterapia (cognitivo-comportamental) e pelo recurso a medicamentos (benzodiazepinas e antidepressivos) que reduzam os sintomas e a depressão geralmente associada a este quadro clínico. Assim, os sintomas descritos e associados aos ataques de pânico serão eliminados, permitindo que o paciente retome as suas atividades diárias e consiga ter uma vida normal.

Ansiedade e depressão: tudo o que precisa de saber!

Existe prevenção?

Conseguir ou não prevenir os ataques de pânico não é uma questão consensual. Reduzir o stress pode ser benéfico mas, como vimos, não é um único fator que pode ser causador destes episódios. Portanto, a sugestão é que recorra a tratamento o mais cedo possível – caso já tenha manifestações de pânico -; evite recaídas, respeitando o plano terapêutico; e mantenha uma atividade física regular e um estilo de vida saudável, ótimos antídotos contra a ansiedade.

O principal alerta que queremos deixar é que, sem tratamento, os ataques de pânico acabam por ir afetando todos os aspetos da vida do paciente, quer pessoal, quer profissional. São recorrentes os casos em que a partir deste problema, o doente começa a desenvolver várias formas de fobia, afastamento da vida social, problemas no trabalho ou na escola, depressão, tendências suicidas, abuso de álcool ou de drogas e problemas financeiros.

Portanto, não adie mais o diagnóstico e procure ajuda pois, como viu, quanto mais cedo o tratamento é iniciado, mais rapidamente surgem melhorias.

Veja também:

Teresa Campos Teresa Campos

Licenciada em História da Arte e Mestre em História da Arte Portuguesa, vê na escrita um meio de fazer uma das coisas que mais gosta: comunicar!