Cão ou cadela: qual a melhor escolha para si

Quando se depara com um animal amoroso que só lhe quer dar lambidelas e o vai levar para casa, é importante saber bem escolher entre cão ou cadela.

“sponsored by fidelidade”
Cão ou cadela: qual a melhor escolha para si
Tome uma decisão consciente

Já não é novidade para ninguém que adicionar um companheiro de 4 patas à família implica muita ponderação e análise de diversos fatores. Desde as preocupações de saúde às despesas inerentes ao animal, muitas são as questões a ter em mente aquando desta decisão. Contudo, algo que não deve nunca ser esquecido é a avaliação do canídeo mais indicado para a sua vida e a sua casa. Afinal, como escolher entre cão ou cadela tendo em conta todas as suas diferenças?

As opiniões variam bastante e, geralmente, a decisão final acaba por depende de preferências pessoais. Contudo, a verdade é que o género do animal pode mesmo fazer a diferença. Convém, por isso, ter em mente que o canídeo ideal para si depende de diversos fatores como o tipo de casa em que o animal vai viver, o ambiente que o circundará, o comportamento desejado e as pessoas com quem vai viver e interagir, entre outros.

Ora, chegou a hora de conhecer as características de ambos os géneros e tornar-se mais capaz de tomar uma decisão informada e consciente. Não se pode esquecer de que está a escolher um companheiro para a vida e que o mais importante é que tanto o animal como os donos sejam felizes.

Saber escolher entre cão ou cadela


como escolher cão ou cadela

No momento de escolher um animal de estimação o mais importante é adorar bichinhos e estar preparado a assumir a responsabilidade de ter um ser a seu cargo. Habitualmente, os cães são os favoritos de praticamente toda a gente e muitas são as pessoas que passam anos a sonhar com o momento em que levam um canídeo para casa – sonho esse que, muitas vezes, inclui também a escolha do género do companheiro de 4 patas.

A verdade é que ser cão ou cadela pode mesmo fazer diferença, especialmente tendo em conta o seu estilo de vida e a sua personalidade. Várias pessoas defendem que as cadelas são menos agressivas, mais calmas e mais asseadas, tornando-se assim melhores companheiras. Por outro lado, há quem defendas que os machos são mais fiéis e apegados aos donos. Afinal, esta não é uma escolha tão simples quanto poderia pensar, certo?

Não existe uma resposta fácil a esta dúvida, pelo que a solução depende do próprio dono. Muitos dos traços de comportamento e carácter do animal derivam da sua personalidade individual mas também, em grande parte, do tempo que lhe dedica em termos de treino, socialização, cuidados e carinho.

Saiba mais sobre as doenças dos cães >>

Território e agressividade

Não é novidade para ninguém que a maior parte dos animais é muito territorial – e os cães não são exceção. Como seria de esperar, existem diferenças comportamentais entre cão e cadela no que se refere ao seu território.

Habitualmente, os machos tendem a ser mais agressivos e territoriais do que as fêmeas, especialmente quando não são castrados. Significa isto que é mais provável que um cão crie conflitos com outros animais por sentir que o seu território está, de alguma forma, a ser invadido ou desrespeitado.

Já as fêmeas, embora também territoriais, são mais práticas. Não é habitual existirem conflitos porque as cadelas têm um melhor entendimento das hierarquias e respeitam-nas. Contudo, as “guerras” entre fêmeas poderão ser mais intensas do que as existentes entre machos.

Assim, caso queira ter dois canídeos, o melhor será escolher animais de sexos diferentes.

Relação com os donos

Os cães são conhecidos por serem fieis companheiros e essa é uma características transversal aos dois géneros. No entanto, a forma como se relacionam com os donos é ligeiramente distinta e é importante que faça uma escolha em função das sua própria personalidade e interesses.

Tendencialmente, as fêmeas são mais independentes do que cães e estabelecem uma ligação afetiva com as várias pessoas da casa. Assim, as cadelas vêem todos os donos como iguais.

Já os machos costumam escolher um tutor específico, quase como um dono especial. Todas as pessoas serão acarinhadas e respeitadas pelo animal, mas haverá alguém favorito cuja atenção será muito procurada. Importa ainda referir que os machos têm tendência a ser mais brincalhões e ativos, pelo que é importante que os donos tenham energia para acompanhar.

Porém, a raça do cão influencia bastante o seu comportamento e personalidade, independentemente do sexo. Um dálmata será mais imprevisível do que um pastor alemão, por exemplo.

Treino

No que se refere ao treino do animal também existem diferenças entre cão e cadela. Embora não seja um facto estabelecido, geralmente as fêmeas são mais atentas e aprendem mais rapidamente, pelo que se tornam mais fáceis de treinar. Já os machos são mais inquieto e ativos, o que faz com que dispersem mais facilmente.

Castração e esterilização

Já não é uma surpresa o facto de um canídeo não castrado ou esterilizado ser mais difícil de controlar e ter comportamentos mais erráticos. Um bom exemplo é a questão da marcação de território, que diminui significativamente após a cirurgia.

Um cão não castrado implica problemas como um maior risco de agressividade e, claro, reprodução com uma fêmea. Já uma cadela não esterilizada pode ser bastante difícil de controlar aquando do cio, fenómeno que pode também resultar em gravidezes psicológicas.

Posto isto, importa referir que o custo da esterilização de uma cadela tende a ser mais elevado do que o da castração de um macho.

E agora, já decidiu se leva para casa um cão ou cadela?

Veja também: