Publicidade:

Carta de candidatura espontânea: o que é?

Carta de candidatura espontânea: o que é? Como redigir? Quais aspetos abordar? Fique a saber tudo o que precisa para fazer uma apresentação de sucesso.

Carta de candidatura espontânea: o que é?
Todas as dicas

Carta de candidatura espontânea: o que é? Se está com dúvidas sobre o assunto, este artigo é para si.

Quando procuramos emprego sabemos que um dos documentos mais importantes será o CV e, logo a seguir, a carta de candidatura (seja ela espontânea ou de resposta a anúncio). Aliás, nos tempos que correm, a carta de candidatura deixou de assumir o formato de carta tradicional e passou a assumir-se como email de candidatura. Saiba mais sobre este tema.

Carta de candidatura espontânea: o guia essencial


A carta ou email de candidatura deve apresentar o perfil profissional do candidato, as suas motivações e a sua proposta de valor, justificando como poderá ser útil à empresa à qual se candidata. Mas, quais são o passos essenciais para escrever uma carta de candidatura espontânea que seja talhada para o sucesso?

Como escrever uma carta de apresentação: dicas úteis

1. Tenha um elemento diferenciador: o assunto do e-mail

Qual é, então, o primeiro passo para redigir um email de candidatura que chame a atenção do recrutador? Ter um assunto que faça o destinatário abrir o email! “Candidatura espontânea” ou “Resposta ao anúncio X” não são os assuntos de email que mais cativam quem recruta.

Seja criativo! Opte por um assunto que demonstre a tua vontade e motivação para trabalhar nessa empresa. Aqui ficam alguns exemplos: “quero fazer parte da sua equipa”, “o elemento que faltava”, “conheça o profissional do ano em (inserir a sua área profissional) ”.

2. Identifique o recrutador

Para garantir que a sua candidatura não é mais uma no meio de centenas, procure identificar a pessoa responsável pelo processo de recrutamento e seleção. De nada adianta dirigir uma carta ou email para a figura imaginária da Direção de Recursos Humanos.

A maioria das empresas portuguesas (sendo micro ou pequenas empresas,) não tem um departamento de gestão de pessoal, mas sim alguém responsável pelo processamento de salários, integrações e despedimentos. Como saber, então, a quem dirigir a candidatura? O Linkedin poderá ser um poderoso aliado, pois através de uma breve pesquisa pelo nome da empresa, rapidamente encontrarás as pessoas responsáveis pela área de gestão de recursos humanos.

Pode, ainda, ligar para a empresa e questionar qual o nome da pessoa responsável pela contratação de novos elementos. Ao direcionar a sua candidatura para alguém concreto, aumenta a probabilidade de lhe darem seguimento.

Como redigir cartas de apresentação originais >>

3. Como deve ser a sua carta de candidatura espontânea?

Uma boa carta de candidatura deve ser breve e objetiva. Não caia na tentação de copiar os exemplos de cartas de candidatura que encontra na internet. A probabilidade de outros candidatos fazerem o mesmo é muito grande. Seja genuíno e original!

Comece por explicar o que pretende ao enviar a candidatura. Está à procura de emprego, estágio profissional, estágio curricular e em que área funcional? Não perca tempo a facultar dados pessoais que o recrutador poderá consultar no CV.

Uma vez apresentado o seu objetivo profissional, exponha de que forma poderá ser útil à empresa. O que gostaria de lá desenvolver ou realizar?

Saiba como fazer o follow-up de uma candidatura de emprego >>

Na carta ou email de candidatura não deve indicar o que irá ganhar se for contratado pela empresa, mas sim, o que ganhará a empresa ao contratá-lo! Coloque-se no papel do recrutador e explique-lhe porque é que o deve considerar para uma determinada vaga ou posição. Para isso, será necessário muito autoconhecimento e algum trabalho de pesquisa sobre a empresa, a sua estrutura e atividade.

Procure justificar a sua proposta de valor com a experiência profissional que possa ter nessa área (mesmo que tenha sido só uma experiência de estágio). Saliente a formação específica nesse domínio, destaque competências técnicas e transversais que possam ser relevantes para a execução da função ou das tarefas a que se propõe, bem como as experiências extraprofissionais ou curriculares que sejam pertinentes.

Neste ponto, pode remeter para o CV para que o recrutador possa ter acesso a informação mais detalhada. Se for um candidato elegível para algum apoio à contratação (por exemplo, estágio profissional, contrato-emprego, entre outros) dê a conhecer. Pode ganhar vantagem em relação a outros candidatos, pois a empresa terá benefícios na sua contratação. Para mais informações sobre este assunto, consulte o site do Instituto do Emprego e Formação Profissional.

Resumindo, uma boa carta ou email de candidatura deverá ser original, autêntica(o) e objetiva(o).

Veja mais dicas úteis para escrever uma carta de apresentação >>

Como concluir a carta de candidatura?

Manifeste a sua disponibilidade para reunir com o recrutador e apresentar, pessoalmente, a sua proposta de valor.

Não esqueça de despedir-se do recrutador e de anexar o CV em formato de leitura (pdf).

A maioria dos candidatos a emprego tende a utilizar uma linguagem formal na sua candidatura e, por vezes, pomposa nestes documentos. Procure adaptar o tom da carta ou email à linguagem utilizada pela empresa nas suas comunicações. Lembre-se que o recrutador recebe inúmeras candidaturas e que ninguém gosta de ler textos muito longos e cheios de “palha”!

Boa sorte!

Veja também:

Cidade das Profissões Cidade das Profissões

A Cidade das Profissões é um serviço, promovido pela Câmara Municipal do Porto, que tem como missão promover a empregabilidade e o empreendedorismo das pessoas, apoiando-as na gestão dos novos desafios e transições profissionais e ajudando-as a descobrir o seu potencial profissional e a definir novas estratégias de abordagem ao atual mercado de trabalho.

Saiba tudo sobre emprego