Publicidade:

Certificados de aforro ou depósitos a prazo: onde investir?

Certificados de aforro ou depósitos a prazo? Embora com semelhanças, têm características e rendimentos diferentes. Descubra qual a melhor aplicação.

Certificados de aforro ou depósitos a prazo: onde investir?
Duas alternativas para aplicar o seu dinheiro (quase) sem risco

Certificados de aforro ou depósitos a prazo? À primeira vista podem parecer produtos substitutos. Porquê? Porque são considerados produtos quase sem risco e com capital garantido. No entanto, têm características próprias, especialmente no que se refere à sua rendibilidade.

Os certificados de aforro são neste momento mais rentáveis que a grande maioria dos depósitos a prazo. Permitem investimentos de montantes mais baixos, com mais liquidez e com menor risco.

Certificados de aforro ou depósitos a prazo: qual a melhor alternativa?


certificados de aforro ou depositos a prazo

Certificados de aforro: vantagens

Os certificados de aforro são títulos de dívida. É uma forma de o Estado se financiar através dos seus cidadãos em troca de uma taxa de juro. De acordo com dados do Banco de Portugal, as aplicações em certificados de aforro têm vindo a subir consecutivamente desde o início do ano.

Efetivamente, os certificados de aforro apresentam taxas de juro mais elevadas e têm também um montante mínimo de investimento mais reduzido que a maioria dos depósitos a prazo. Outra das características que os torna interessantes é a existência de um prémio de permanência, ou seja, um juro que vai capitalizando consoante o tempo que detiver os títulos.

Depósitos a prazo: vantagens

Os depósitos a prazo não são mais do que empréstimos aos bancos. Enquanto os bancos guardam o nosso dinheiro, utilizam-no para fazer as suas aplicações e desenvolverem o seu negócio. No entanto, quando escolher deve também atender a outras características. Os depósitos a prazo também têm vantagens, tais como:

  • Facilidade de acesso e desmobilização, podendo mesmo ser efetuada online;
  • Existência de um Fundo de Garantia de Depósitos, que garante até 100 mil euros.

Como escolher?


certificados de aforro ou depositos a prazo

Embora os certificados de aforro apresentem uma taxa de juro mais atrativa, não deve por os ovos todos no mesmo cesto e estes podem e devem ser complementados por outros investimentos. No caso de não querer correr riscos e apesar das taxas de juro muito baixas, os depósitos a prazo podem ser boas alternativas. Especialmente se quiser ter liquidez no curto prazo.

No momento de escolher onde aplicar o seu dinheiro (ainda que decida investir nos dois produtos) é importante que:

1. Compare taxas de juro

A taxa de juro que é a medida do lucro que vamos ter com determinada aplicação financeira, é normalmente mais elevada nos certificados de aforro do que na maioria dos depósitos a prazo. No caso dos depósitos promocionais, porém, a taxa de juro dos depósitos pode superar a taxa dos certificados de aforro.

Outro fator a considerar quando se analisam e comparam taxas de juro é o período do investimento. Se no curto prazo, taxas de juro muito próximas, como por exemplo, 2% e 2,3%, não parecem fazer grande diferença, no longo prazo podem representar uma centenas de euros a mais ou a menos de lucro.

2. Analise o impacto fiscal

A taxa de imposto de ambos os produtos é idêntica. Ambos fazem a retenção do imposto na fonte à taxa de 28%.

3. Considere o risco

Uma das semelhanças destes dois produtos financeiros é o risco. Emprestar dinheiro ao Estado é menos arriscado que emprestar dinheiro aos bancos. Mas existe um fundo de garantia de depósitos que garante o capital e os juros até 100 mil euros no caso dos depósitos a prazo.

4. Tenha presente quanto quer aplicar

É possível investir em certificados de aforro a partir de 100 euros. Já os depósitos a prazo exigem, normalmente, um mínimo de 500 euros.

5. Esteja atento ao prazo mínimo de permanência e liquidez

O prazo mínimo de investimento dos certificados de aforro é de 3 meses. Após o primeiro trimestre de investimento pode movimentar o capital investido como pretender. No entanto, perderá o direito ao juro do próximo trimestre.

Já os depósitos a prazo mais interessantes são os que apresentam prazos mais alargados. No entanto têm o inconveniente da mobilização antecipada do capital. Se o fizer pode ter penalizações significativas no juro.

6. Defina um prazo para o seu investimento

Como existem penalizações tanto nos depósitos a prazo como nos certificados de aforro, e que as melhores taxas nestes produtos financeiros tendem a ser mais atrativas quanto mais longa for a aplicação, deve saber por quanto tempo tem o dinheiro disponível para este investimento. Mais, muitos depósitos a prazo só pagam juros se os mantiver de acordo com o contratado. No caso dos certificados de aforro, com a mobilização antecipada do capital, ficará muito aquém do potencial de rendibilidade destes produtos.

7. Tenha em atenção as comissões bancárias

No caso dos depósitos a prazo, deve comparar as ofertas de vários bancos antes de se decidir por um, especialmente no que diz respeito às comissões que lhe possam cobrar. Por exemplo, pode ter um depósito a prazo com uma taxa superior num determinado banco, mas esse mesmo banco pode cobrar uma comissão de manutenção de conta elevada. Feitas as contas, pode acabar por não compensar.

O que torna os certificados de aforro mais atrativos?


A procura por certificados de aforro tem vindo a aumentar desde o início do ano. O rendimento da série E, que está atualmente em comercialização, é de 1% acrescido da Euribor. Ou seja, o investidor ganha, pelo menos um juro de 1%. Esta taxa de juro supera a maioria dos depósitos a prazo, que continuam historicamente baixas.

Veja também:

Catarina Gonçalves Catarina Gonçalves

Catarina Gonçalves é economista, com experiência em finanças, gestão e inovação estratégica. Estudou economia porque queria entender o modus operandi do mundo. Apaixonada pelo conhecimento, das letras às ciências, sem esquecer a música, adora criar, discutir ideias e desenvolver projetos em equipa. Foi coautora de vários livros e colaboradora em diferentes publicações. Acredita que tudo tem um propósito e um tempo certo para acontecer. Coleciona experiências e viagens.

O E-Konomista disponibiliza e atualiza informação, não presta serviços de aconselhamento fiscal, jurídico ou financeiro. O E-Konomista não é proprietário nem responsável pelos produtos e serviços de terceiros apresentados, por conseguinte não será responsável por quaisquer perdas ou danos que possam resultar de quaisquer imprecisões ou omissões. A informação está atualizada até à data apresentada na página e é prestada de forma geral e abstrata, tratando-se de textos meramente informativos, pelo que não constitui qualquer garantia nem dispensa a assistência profissional qualificada. Se pretender sugerir uma atualização, por favor, envie-nos a sua sugestão para: [email protected].