Publicidade:

As 10 coisas que não deve dizer no currículo

Na procura de emprego, ter noção das coisas que não deve dizer no currículo pode ser tão importante quanto saber as informações que deve colocar.

As 10 coisas que não deve dizer no currículo
Consiga o CV perfeito

Fazer um bom CV depende muito da forma como é estruturada a informação. E tão importante quanto o que deve incluir, é saber o tipo de coisas que não deve dizer no currículo. Num processo de seleção, o seu CV, tal como o de outros candidatos, terá apenas uns minutos de atenção. E desaproveitá-los com uma apresentação descuidada ou detalhes que são dispensáveis não é de todo uma boa ideia.

É por isso muito importante que esteja ciente do que não deve incluir no seu CV se não quiser ser rejeitado logo no início do processo de recrutamento, sem chegar sequer à fase de entrevista. Haverá com certeza vários outros candidatos ao posto de trabalho pelo que o seu CV deve conseguir captar o interesse dos recrutadores em poucos segundos.

Já sabe que dar conta da sua experiência académica e profissional é extremamente necessário. Descubra agora o que nunca deve colocar num currículo e aumente as suas hipóteses de conseguir o emprego.

CV perfeito: 10 coisas que deve excluir


coisas que não deve dizer no currículo

1. Informações pessoais desnecessárias

Embora seja incontornável mencionar dados pessoais como nome, data de nascimento, contacto e até alguns hobbies, não deve nunca exagerar nos gostos pessoais. Nenhum recrutador vai gostar de perder tempo a ler os detalhes da vida pessoal dos candidatos e, mesmo com todas as qualificações exigidas ao posto de trabalho, a contratação pode acabar por não acontecer.

Se é para incluir informações mais pessoais, use apenas as que seriam relevantes para a posição em concreto. Visões políticas, religiosas ou experiências sociais pouco ortodoxas, são algumas das coisas que não deve dizer no currículo.

2. Objetivo sem sentido ou pouco claro

O objetivo para envio do Curriculum Vitae deve ser prático, viável e compatível com suas competências e capacidades, caso contrário, o mais provável é ir parar ao lixo e sem ser lido até ao fim.

Evite objetivos vagos e sem sentido como, por exemplo, “procuro um novo desafio” ou “procuro uma empresa que permita utilizar em pleno as minhas competências”, são bastante genéricos e não dão nenhuma indicação sobre quais as suas metas e objetivos específicos.

Um bom objetivo é claro e conciso, e deve fazer referência ao perfil específico a que se está a candidatar. Por exemplo, “assistente de loja com três anos de experiência, com vontade de assumir responsabilidades de gestão de loja e contribuir para o aumento de vendas e notoriedade da marca”.

3. Experiência de trabalho irrelevante

Se, além de ter experiência de trabalho anterior pertinente, tem também experiência em áreas diferentes, o é melhor mantê-las o mais resumido possível. Embora seja importante revelar toda a sua experiência profissional, não é preciso entrar em detalhes quando esta não faz sentido para o trabalho ao qual se está a candidatar.

4. Realizações pessoais irrelevantes

Há quem apresente tudo o que fez na vida como uma conquista, no entanto estas coisas podem ser muito pequenas e pouco ou nada relevantes para a função. Por exemplo, pode falar em voluntariado e cargos ocupados em associações para validar a capacidade de liderança. Mas dizer que, na primária, era sempre o primeiro a chegar à escola, não só não faz sentido, como é ridículo.

5. Postura incorreta

Um CV pode transmitir mensagens certas ou erradas, dependendo de como o escreve. Portanto, se não estiver realmente interessado num emprego ou não gostar da função específica, mas seja porque razão for, decide candidatar-se, corre sérios riscos de se denunciar.

As mudanças de energia, como paixão, desinteresse, etc., podem ser facilmente percebidas pelo recrutador através da escrita. O melhor é procurar uma posição que lhe diga alguma coisa, até porque no futuro pode querer candidatar-se à mesma empresa e a sua imagem já estará manchada.

6. Erros gramaticais

É extremamente importante que o currículo não tenha erros gramaticais, pois pode ser levado como um ponto negativo. Mesmo que esse erro tenha sido apenas de digitação, a verdade é que isto, para um recrutador, revela falta de atenção.

Este é um dos pontos básicos a ter em conta na elaboração de um CV e não é difícil, pois existem muitos corretores automáticos que fazem o trabalho por si.

7. Destacar factos negativos

Mostrar falta de experiência não é bom, tente colocar essas informações de uma maneira mais neutra ou ligeiramente positiva. Em vez de dizer “não completei este curso”, escreva “completarei este curso até esta data”. Dê destaque às coisas positivas que realizou.

8. Expectativas salariais

Outra das coisas que não deve dizer no currículo é a expectativa de salário, isto não é matéria para ser anunciada no CV. Qualquer menção nesse sentido pode fazer a sua candidatura ser arquivada. Espere pela entrevista para saber qual a remuneração que a empresa pretende oferecer e só aí é que deve falar em vencimentos.

9. Informação falsa

Evite mentiras e falsas declarações, até porque é muito fácil obter informações pessoais nos dias de hoje. Escolha cuidadosamente as palavras e seja o mais sincero possível. Evite também informações não verificáveis, opinião negativa sobre o empregador anterior, lamentações e reclamações, isso é um sinal de falta de profissionalismo.

10. Endereço de email pouco profissional

Mostrar que gosta de gatinhos, usar a alcunha familiar ou até exibir com orgulho no endereço de email a sua banda de música preferida não é boa ideia. Pode ter a certeza de que as probabilidades de o seu CV ser ignorado aumentam drasticamente.

CV: seis segundos para impressionar


É verdade. Em média, cada recrutador demora apenas cerca de seis segundos a decidir se um candidato é ou não ideal para as funções para as quais está a recrutar. Se quer brilhar, tem de garantir que o seu CV é infalível nesta janela temporal tão limitada.

Embora possa ser perfeito para a vaga a que se está a candidatar, basta que o seu CV falhe num pequeno detalhe para que a sua candidatura acabe na pilha dos “excluídos”.

Lembre-se: uma boa revisão ao seu CV nunca é demais.

Veja também:

Inês Silva Inês Silva

Licenciada em Ciências da Comunicação pela Universidade da Beira Interior e com uma pós-graduação em Assessoria de Comunicação pela Escola Superior de Jornalismo do Porto, o seu percurso profissional foi sempre na área da comunicação com a criação dos mais diversos tipos de conteúdos.

Saiba tudo sobre emprego