Publicidade:

16 conselhos para o Crédito Habitação

Aprenda alguns conselhos para o Crédito Habitação, que podem fazer com que o seu banco lhe conceda facilmente este tipo de crédito.

16 conselhos para o Crédito Habitação
Saiba como aderir ao Crédito Habitação

Precisa que o banco lhe conceda um crédito com a finalidade específica de construção, reforma ou aquisição de habitação, mas não sabe como fazer com que o mesmo seja aprovado? Coloque em prática os nossos conselhos para o Crédito Habitação e verá como esta tarefa se tornará mais fácil.

Não perca tempo, pois se estiver à procura da sua casa de sonho e esta lhe surgir, ou se até mesmo já a tiver encontrado, acabará por deparar-se com a necessidade de ter este tipo de crédito aprovado a tempo de adquiri-la antes que outra pessoa o faça.

16 conselhos no Crédito Habitação para tomar nota e aplicar


1. Junte toda a documentação necessária neste processo

conselhos no Crédito Habitação

Um dos primeiros e mais básicos conselhos no Crédito Habitação que lhe damos é que tenha sempre reunida toda a documentação indispensável para o pedido de aprovação do crédito. Assim, tudo será mais rápido e as burocracias não ficarão pendentes.

Pergunte ao seu banco, ou a outro que escolher pedir o Crédito Habitação, qual a documentação necessária para analisar o processo e envie todos os elementos solicitados o mais brevemente possível.

Caso não o faça, o seu processo pode ser devolvido por falta de documentação, acabando por ser transferido para o final da lista de processos em análise.

 2. Tenha um bom fiador

Este é mais um dos conselhos no Crédito Habitação que podem ajudar a obtê-lo mais rapidamente, pois ter um bom fiador significa oferecer ao banco uma boa garantia em relação ao empréstimo. Por exemplo, se os dois titulares do crédito se virem impossibilitados de pagar o valor contratado, o fiador poderá resolver o problema.

3. Opte por Crédito Habitação com dois titulares

conselhos no Crédito Habitação

O melhor é haver dois titulares neste crédito, uma vez que se torna mais fácil que a instituição financeira o aprove. Isto porque o banco vê o risco diluído, já que se um dos titulares ficar em situação de desemprego ou de corte no vencimento, o outro titular acaba por assegurar o pagamento das prestações.

4. Mantenha uma vida profissional estável

Se a sua vida profissional for instável, dificilmente o banco se sentirá seguro para lhe conceder um crédito. Por isso, caso seja possível, o melhor é ter um vínculo laboral e um rendimento regular. Assim, os bancos verão diminuído o risco de lhe concederem crédito, dando muito valor ao contrato sem termo.

5. Tenha um histórico financeiro limpo

conselhos no Crédito Habitação

Se tiver dívidas, será mais difícil que o seu banco lhe aprove um crédito, seja de que tipo for. Por isso, um dos conselhos no Crédito Habitação é que pague rapidamente aquilo que deve, pois o principal objetivo do banco é obter o normal pagamento da dívida.

As instituições financeiras têm sempre em conta os indicadores que qualificam o perfil do cliente enquanto devedor. Cuidado ainda com as falhas nas prestações de créditos anteriores.

6. Tenha o saldo sempre positivo

Este é outro indicativo que os bancos podem escolher para verificarem se é bom pagador ou não. Caso tenha o saldo da sua conta bancária muitas vezes negativo, este pode ser um indício de que é um cliente que pode vir a contrair dívidas, ao não conseguir pagar prestações do empréstimo nos prazos definidos.

A entidade financeira que escolher pode querer analisar a movimentação da sua bancária antes de aprovar ou não um Crédito Habitação. É por vezes pedido ao cliente que apresente os extratos bancários dos últimos 6 meses.

Assim, se a meio do mês for verificado que a sua conta já se encontra a descoberto, esta constatação pode fazer com que lhe seja recusado o pedido de crédito. Por isso, tenha as suas contas controladas e o saldo bancário sempre positivo.

7. Escolha um spread baixo

conselhos no Crédito Habitação

Cada instituição bancária oferece produtos com características e valores diferentes, inclusive spreads. Ou seja, o mesmo spread em dois bancos pode ter diferenças de custos de centenas e até milhares de euros, o que significa que deve escolher o spread mais baixo no que respeita ao Crédito Habitação.

8. Não se limite apenas a avaliar o spread

Apesar do spread ser um bom indicador para avaliar um Crédito Habitação, este não é o único existente. Às vezes até pode “enganar” o cliente, pois alguns spreads, mesmo sendo baixos, obrigam à subscrição de produtos e fazem com que a pessoa interessada tenha de pagar mais no final.

Informe-se com o banco sobre todas as condições de financiamento, como seguros, impostos e comissões, entre outros tipos de encargos. O melhor é usar a Taxa Anual Efetiva Revista (TAER) como principal indicador comparativo, uma vez que é a taxa que considera todos os custos associados ao crédito.

9. Não peça ao banco a totalidade do valor do empréstimo

conselhos no Crédito Habitação

Se pedir ao seu banco a totalidade do valor do empréstimo, será mais difícil que a instituição lhe conceda o crédito que deseja. Por isso, outro dos conselhos no Crédito Habitação é não solicitar essa totalidade, já que, para a aprovação do crédito habitação, os bancos usam como referência a percentagem entre o valor do financiamento e o valor do imóvel.

Quanto menos for essa percentagem, mais facilmente será aprovado o Crédito Habitação. Isto porque, em caso de incumprimento por parte do cliente, o banco terá mais possibilidade de obter o valor em dívida quando este é menos elevado.

10. Peça crédito após os 25 anos

A idade conta para os bancos no que toca a pedir empréstimo. Por isso, mais um dos conselhos no Crédito Habitação que lhe damos é que o peça só depois de ter feito 25 anos.

Quem tem 20 e poucos anos tende a ganhar menos do que quem tem mais de 25 anos, o que não lhe permite fazer os pagamentos que envolve um empréstimo, além da instabilidade profissional, já que se encontram nos primeiros empregos.

Existe também a situação de um cliente com menos de 25 anos não ter geralmente historial de crédito, fazendo com que os bancos possam não conceder financiamento a clientes que não conhecem, o que não acontece nos casos em que têm uma relação mais antiga com o cliente.

11. Dê uma boa entrada inicial para o imóvel que deseja

conselhos no Crédito Habitação

Outro dos conselhos no Crédito Habitação que lhe damos é que, se tiver condições financeiras para isso, entre logo com algum capital para a habitação que quer comprar. Isto irá ser positivo para o seu rácio Loan-to-Value (LTV). Ou seja, se tiver um rácio LTV de 70%, por exemplo, significa que o seu empréstimo equivale a 70% do valor total do imóvel.

Assim, o banco ficará com uma margem de segurança, pois em caso de incumprimento terá um imóvel mais valorizado em relação ao valor emprestado, o que fará com que minimize possíveis perdas que possa vir a sofrer.

12. Considere a sua taxa de esforço

A taxa de esforço é a relação entre os rendimentos do agregado familiar e os seus encargos fixos, já considerando o encargo mensal com a prestação do Crédito Habitação. O ideal é que a taxa de esforço não exceda os 30%/40%, até para que o banco lhe conceda o crédito.

13. Escolha entre taxa fixa, variável ou mista

conselhos no Crédito Habitação

diferenças significativas entre estas taxas, por isso, informe-se bem sobre os prós e contras de cada uma delas. No caso da taxa fixa, por exemplo, esta irá manter-se constante durante todo o prazo do financiamento, o que significa que o montante combinado será aquele que vai pagar mensalmente até ao final do contrato. Apesar da taxa de juro fixa costumar ser mais alta do que a variável, não terá surpresas no montante pago mensalmente.

Já a taxa variável muda consoante as alterações da taxa de juro de referência (EURIBOR), e pode ser alterada de acordo com o que for estabelecido (1 mês, 3 meses, 6 meses ou anual, por exemplo).

Se optar pela taxa de juro mista, o contrato de crédito terá um período em que a taxa é fixa, seguido de um período em que a taxa é variável.

14. Escolha bem o prazo de pagamento do empréstimo

Quando pedir um Crédito Habitação, isto significa que passará a ter um contrato de longo termo com o banco. Por isso, pondere bem o prazo de pagamento que irá escolher.

No caso de optar por um prazo de pagamento de empréstimo maior, mensalmente o valor pago ao banco será menor. No entanto, no final do empréstimo, o valor pago será sempre superior devido aos juros, uma vez que tem de liquidar por mais tempo.

O melhor é fazer vários cálculos de forma a perceber qual é a prestação máxima que pode pagar pelo Crédito Habitação, pagando o mínimo de juros sobre o empréstimo.

15. Conheça as vantagens de ser cliente antigo

conselhos no Crédito Habitação

Em vez de optar por outro banco para ter um Crédito Habitação, informe-se se o seu lhe dá vantagens por ser cliente antigo. Além dos bancos terem receio de aprovar um crédito a um cliente que desconhecem, podem conceder um bom spread a quem nele tem conta há diversos anos. Ainda assim, poderá analisar esta situação com outras entidades bancárias para perceber qual é a melhor para si.

16. Pesquise o Crédito Habitação em vários bancos

Veja os valores e benefícios inerentes ao Crédito Habitação existentes em várias instituições bancárias, pois estas concorrem entre si e tentam atrair os clientes com bons descontos e vantagens, por exemplo. Compare sempre as ofertas existentes no mercado e escolha a melhor para si, de forma a poupar algum dinheiro.

Veja também:

Cátia Tocha Cátia Tocha

Formada em Ciências da Comunicação pela Universidade Autónoma de Lisboa, onde concluiu Licenciatura e Mestrado, começou o seu percurso como jornalista na Rádio. Hoje, escreve sobre diferentes áreas e tem já alguns anos de experiência na escrita para meios online.