Publicidade:

4 conselhos de poupança para gastadores incuráveis

Poupar é sempre mais fácil para quem já não costuma gastar muito, mas e quem está habituado a uns mimos? Reunimos algumas dicas para salvar alguns euros!

4 conselhos de poupança para gastadores incuráveis
Aprenda a disciplinar-se!

A lengalenga da poupança é sempre a mesma e a resposta também começa a não variar muito: “Poupar é fácil para quem já é poupado por natureza. Para os outros é que é difícil!”.

De facto, guardar dinheiro no final do mês é sempre uma tarefa mais complicada para quem não prescinde de alguns mimos, mas se pertence a essa fatia da população não desespere, porque nada está perdido. O tradicional pé-de-meia também é para si!

O caminho mais fácil seria dizer-lhe para fazer uma lista das despesas habituais e começar a cortar no supérfluo. No entanto, também nós entendemos que a vida é para ser vivida e que os mimos que oferecemos a nós próprios também são uma recompensa pelas horas que passamos a trabalhar.

Assim, vamos dar-lhe algumas dicas alternativas para conseguir criar uma poupança sem viver como se a economia fosse estourar amanhã.

4 conselhos de poupança para gastadores


1. Gaste em coisas com retorno

conselhos de poupança para gastadores

É um dos mantras dos ricos e não é por acaso: dinheiro gera dinheiro. Se comprar coisas que, mais tarde, lhe dão retorno, não está propriamente a gastar, mas a investir. Um exemplo: se é fã de um desporto, gaste o dinheiro nele. Além de ser uma coisa de que gosta, quem sabe não passa a estar em condições de, mais tarde, competir e ganhar uns prémios?

O mesmo para passatempos artísticos: um bom investimento em tintas vai dar-lhe condições para pintar bons quadros para vender, ou a compra de um bom instrumento musical pode render-lhe um dinheiro extra a tocar em espaços públicos. Quer um exemplo mais mundano? Muita maquilhagem na gaveta permite-lhe enfeitar as amigas a troco de uns euros.

Se fizer este tipo de investimento, o dinheiro que ele retornar pode ser a sua poupança. Assim, ela cresce e não tem de cortar ao salário nem ao que gosta para alimentá-la!

2. Compre o que não desvaloriza

Não consegue parar de sonhar quando lhe deixam na caixa do correio aqueles catálogos de decoração? Então, temos boas notícias: pode, sim, comprar objetos de decoração e gastar dinheiro neles. A única coisa que tem de ter em atenção é a desvalorização de cada um.

Bons quadros, por exemplo, não desvalorizam. Boas esculturas também não. Na verdade, a arte em geral é um bom investimento, porque não só embeleza a sua casa como também funciona como uma espécie de depósito. Um dia que precise, vende as peças e o dinheiro volta para o seu bolso.

3. Mergulhe de cabeça nos saldos e nas promoções

conselhos de poupança para gastadores

Se tem de ser, que seja bem feito. Quando não conseguimos resistir a uma roupa nova, a solução é aproveitar os saldos, as promoções e as lojas outlet (ou tudo junto!) e comprar os mimos habituais a preços reduzidos. Vai gastar na mesma, mas gasta menos. O que sobrar pode ser posto de lado!

4. Gaste no mais barato

Este conselho é mais para aquelas pessoas que não conseguem passar o mês sem comprar umas peças de roupa. Quando comprar se torna uma atitude habitual, já não é o gastar dinheiro que está em causa, mas a satisfação pessoal que a compra nos provoca.

Comprar pode ser um vício, e, quando assim é, deixa de ser relevante o valor da compra. Nestes casos funciona, por isso, o truque de comprar coisas baratinhas e peças pequenas, porque é uma forma de enganar o seu cérebro: faz muitas compras na mesma, a satisfação emocional está lá, mas não estourou a carteira por causa disso.

Ser gastador não tem de ser um defeito nem tem de ser motivo de vergonha. Nós não lidamos todos de forma igual com as finanças pessoais, e, se para uns poupar é a maior motivação, para outros é exatamente o contrário: fazem o esforço de trabalhar para depois terem a possibilidade de comprar.

Importa, por isso, fazer uma autoanálise e perceber que tipo de estratégia é mais eficiente e confortável para si. Poupar não tem de ser um sacrifício e, acredite, não precisa de fazer voto de pobreza para ser financeiramente equilibrado!

Veja também:

O E-Konomista disponibiliza e atualiza informação, não presta serviços de aconselhamento fiscal, jurídico ou financeiro e não é responsável pelos produtos apresentados. A informação está atualizada até à data apresentada na página e é prestada de forma geral e abstrata, tratando-se de textos meramente informativos, pelo que não constitui nem dispensa a assistência profissional qualificada. Se quiser sugerir uma atualização, por favor, envie-nos a sua sugestão para: [email protected].