Publicidade:

Demasiado avarento? 5 consequências para as suas economias

Pode não acreditar, mas existem consequências de ser avarento que podem dar cabo das suas finanças. Descubra quais os erros a evitar.

Demasiado avarento? 5 consequências para as suas economias
Saiba quais são

Ao longo da História, Portugal foi responsável pela descoberta de dois terços do mundo: desbravámos o Cabo Bojador, chegámos à Índia e ao Brasil e, nos dias de hoje, continuamos a descobrir novas formas de poupança. Contudo, existem alguns custos de ser avarento que podem prejudicá-lo a longo prazo. Se não quer “emagrecer” o seu saldo bancário à custa de métodos extremos de poupança, siga os nossos conselhos.

5 consequências de ser avarento para as suas economias


1. Perde tempo útil

custos de ser avarento

Como se costuma dizer, “tempo é dinheiro”. Se perde horas todas as semanas à procura das melhores promoções em todas as cadeias de supermercados e faz as suas compras em diferentes superfícies para aproveitar os cupões, descontos e preços mais baixos, o mais certo é estar a desperdiçar dinheiro.

O tempo perdido em viagens e em pesquisas intermináveis pode ser usado em algumas formas de aumentar o seu rendimento: seja a trabalhar umas horas extra, a investir no seu próprio negócio ou a vender os produtos em segunda mão que tem em casa e que já não usa.

2. Não compra produtos com qualidade

custos de ser avarento

Quem resiste a um produto a preço ridiculamente baixo ou a um desconto que reduz a fatura a quase nada? Ainda assim, o negócio pode ser ruinoso, sobretudo se em poucos meses, à conta da qualidade do artigo, tem de voltar às compras para adquirir o mesmo tipo de produto.

Na altura de comprar artigos para casa, eletrodomésticos ou roupa, tenha atenção ao custo-qualidade que permitam uma utilização duradoura desses mesmos produtos.

3. Não resiste a um bom desconto

custos de ser avarento

Este é um dos grandes custos de ser avarento. Se não é capaz de resistir a uma boa “pechincha”, poderá estar a comprometer o seu saldo bancário. Não compre apenas porque o preço é irresistível, é precisamente o que as grandes cadeias comerciais querem que aconteça.

4. Corta nas despesas erradas

custos de ser avarento

Em alguns casos, o melhor mesmo é evitar os negócios mais baratos. É o caso das reparações em casa e do automóvel.

Se não é um especialista na matéria, contrate os serviços de um especialista e evite gastos avultados mais à frente à conta de operações defeituosas e desnecessárias que vão emagrecer a sua conta bancária bem mais do que desejaria.

5. Está a colocar em causa a sua saúde

custos de ser avarento

Nos casos mais extremos, a procura constante pelas formas mais eficazes de poupança pode ter impactos graves na sua saúde.

Não deixe de fazer os checkups anuais só para poupar mais umas dezenas de euros ao final do ano. O mesmo se aplica à sua alimentação: aposte em produtos de qualidade e evite refeições em cadeias de fast-food só porque os preços são mais apelativos.

A longo prazo, este tipo de cuidados permitirá poupar centenas de euros em consultas da especialidade, idas à urgência e medicamentos.

Estes são os principais custos de ser avarento que poderão arruinar os seus planos de poupança. Se quer poupar sem colocar em risco o seu bem-estar, siga as nossas dicas. Não se vai arrepender.

Veja também:

O E-Konomista disponibiliza e atualiza informação, não presta serviços de aconselhamento fiscal, jurídico ou financeiro e não é responsável pelos produtos apresentados. A informação está atualizada até à data apresentada na página e é prestada de forma geral e abstrata, tratando-se de textos meramente informativos, pelo que não constitui nem dispensa a assistência profissional qualificada. Se quiser sugerir uma atualização, por favor, envie-nos a sua sugestão para: [email protected].