Publicidade:

Compensa mais a consolidação de créditos ou negociar dívidas?

Optar pela consolidação de créditos ou negociar dívidas com os bancos? Saiba o que compensa mais e a que detalhes deve estar atento.

Compensa mais a consolidação de créditos ou negociar dívidas?
Faça a escolha certa
  • Saiba quais são as diferenças entre consolidação de créditos e a negociação de uma dívida.

Quando as contas começam a apertar e o orçamento familiar deixa de ter capacidade para lhes dar resposta, há dois caminhos possíveis a seguir: pedir a consolidação de créditos ou negociar as dívidas com os bancos. Mas qual destas opções é a melhor para si?

Como sempre acontece nas questões financeiras, a melhor escolha vai depender do seu contexto específico. Assim, e em vez de procurar uma resposta rápida, o ideal é entender a que detalhes deve estar atento e que variáveis deve considerar na hora de escolher uma das opções.

A diferença entre escolher a consolidação de créditos ou negociar dívidas


Apesar de responderem à mesma necessidade, a consolidação de créditos e a negociação de dívidas não são bem a mesma coisa. De um lado, a consolidação de créditos é a junção de todos os empréstimos num só; do outro, a negociação de dívidas é o acordo com o banco de um novo prazo de liquidação do crédito, uma nova taxa de juro ou um novo spread.

A consolidação de créditos explicada


consolidacao de creditos ou negociar dividas

Do ponto de vista formal, a consolidação de créditos é um novo empréstimo no seu nome. Se tiver vários créditos para pagar, há uma instituição bancária que lhe empresta dinheiro para liquidá-los todos de uma vez, fazendo-lhe um crédito único no valor total da sua dívida.

Com a consolidação de créditos, fica apenas com um empréstimo para pagar, que se traduz numa única prestação mensal, uma única taxa de juro e uma única preocupação.

Vantagens da consolidação de créditos

A maior vantagem da consolidação de créditos é que deixa de ter pequenas prestações mensais e passa a ter uma única conta para pagar. Fica também mais fácil lidar com o banco, porque passa a ser só um – tudo o que tiver para negociar será com ele.

Outra vantagem da consolidação de créditos é que fica mais fácil fazer o cálculo da sua taxa de esforço, porque deixam de existir variáveis como diferentes prazos de pagamento ou diferentes evoluções dos juros. Passa a estar tudo no mesmo número, dentro do mesmo prazo.

Esta agregação pode, inclusive, representar uma poupança de até 60% nos seus encargos, consequência também do facto de ser frequente a consolidação de créditos ter taxas de juro mais vantajosas do que as outras operações de crédito que o mercado oferece.

A consolidação de créditos tem ainda o “bónus” de permitir a amortização antecipada sem penalizações – ou seja, se entretanto passar a ter mas rendimentos, pode ir pagando o empréstimo mais depressa para ver-se livre dele o quanto antes.

Desvantagens da consolidação de créditos

Apesar de parecer promissora, a consolidação de créditos também tem os seus defeitos. Um deles é o facto de não deixar de ser um crédito também, e, por isso, obedecer aos critérios de avaliação normais dos empréstimos. Quer isto dizer que, se estiver numa situação grave de esforço financeiro excessivo, a consolidação de créditos pode ser-lhe recusada – porque o banco percebe que, mesmo juntando tudo, não vai conseguir pagar as prestações.

Outra desvantagem da consolidação de créditos é a obrigatoriedade de juntar todos os empréstimos numa só conta, ou seja, não é possível deixar de fora os empréstimos que estão quase a terminar ou que até têm uma taxa de juro vantajosa. Uma vez pedida a consolidação, todos os créditos entram no “bolo” e não pode ficar com nenhum empréstimo adicional.

A negociação de dívidas explicada


consolidacao de creditos ou negociar dividas

A negociação de dívidas não é mais do que um novo acordo com o banco onde detém um crédito em aberto. É uma conversa franca com um colaborador que vai ajudá-lo a refazer as contas e alargar o prazo de pagamento do crédito, baixando as prestações mensais para um valor que lhe seja mais confortável.

No fundo, a negociação de dívidas mantém os seus créditos, mas alarga os prazos e baixa as prestações mensais.

Vantagens de negociar dívidas

A grande vantagem abdicar da consolidação de créditos para negociar dívidas com os bancos é a individualidade de cada empréstimo. Quando negoceia uma dívida com um banco, não entram na equação os outros créditos que tem em seu nome: só se fala daquele empréstimo específico, da respetiva data e das respetivas prestações. Isto permite-lhe manter os créditos mais vantajosos intactos, evitando perder as taxas de juro mais favoráveis que tem.

Outra vantagem de negociar dívidas é que os seus encargos mensais vão diminuindo à medida que os créditos vão terminando.

Desvantagens de negociar dívidas

A maior desvantagem da negociação de dívidas é o trabalho que ela dá, sobretudo quando estão em causa empréstimos em vários bancos diferentes. Vai ter de bater à porta de todos eles e negociar os seus créditos um a um, conseguindo pequenas vitórias que podem ser melhores numa instituição do que na outra.

Também fica sujeito à disponibilidade de cada instituição bancária para negociar. Ainda que, legalmente, os bancos sejam obrigados a aceitar negociar com os clientes que entrem em incumprimento com os créditos, a verdade é que não há qualquer lei que os obrigue a negociar com clientes que ainda tenham as contas todas em dia, por isso há sempre a possibilidade de ouvir um redondo “não”.

Consolidação de créditos ou negociar dívidas? Como escolher

Dependendo do seu caso, pode ser mais vantajoso optar pela consolidação de créditos ou negociar dívidas com os bancos individualmente. Assim, antes de decidir deve analisar alguns fatores da sua situação financeira:

Os prazos dos empréstimos


consolidacao de creditos ou negociar dividas

Se tiver muitos empréstimos próximos de estarem totalmente pagos, a consolidação de créditos não é uma solução, porque vai obrigá-lo a misturar esses créditos com os mais longos e pagar tudo durante muito tempo.

Há também que considerar que, se os créditos estão perto do fim, significa que já pagou quase todos os juros que lhes diziam respeito. Consolidá-los agora significaria somá-los ao valor total da dívida e, consequentemente, fazer subir o valor dos novos juros. Contas feitas, vai pagar duas vezes os juros desse valor. Mais vale negociar as dívidas maiores com o banco e aguentar o esforço até que estes pequenos créditos terminem, porque depois estas prestações desaparecem e a sua taxa de esforço baixa.

As taxas de juro

Nem todos os créditos têm a mesma taxa de juro, e é provável que, no seu caso, existam empréstimos que até têm taxas interessantes. Se isso acontecer, a negociação é o caminho. Lembre-se que a consolidação de créditos vai atribuir-lhe uma taxa de juro única – que, em consequência de o risco assumido pelo banco ser maior, vai ser certamente mais alta do que a taxa original de alguns créditos.

Faça as contas: se a taxa de juro da consolidação for mais alta do que a taxa de juro normal da maioria dos seus créditos (ou se conseguir, pela via da negociação, taxas de juro mais baixas do que as da consolidação), então a consolidação de créditos não compensa.

O incumprimento

Quando já entrou em incumprimento com um ou mais créditos, ou seja, quando já tem prestações em atraso, é importante considerar o impacto que esta situação tem na sua reputação financeira. Lembre-se que os créditos em atraso são comunicados pelas instituições credoras ao Banco de Portugal, que coloca o seu nome na “lista negra” de devedores.

Mesmo que procure o banco para renegociar um crédito que está em atraso, o seu nome não sai da “lista negra” do Banco de Portugal – passa apenas de crédito em atraso para “renegociado”. Assim, se estiver nesta situação talvez seja melhor optar pela consolidação de créditos, porque assim liquida todas as dívidas pendentes e mantém o seu nome “limpo” nos registos da autoridade bancária, evitando que lhe seja bloqueado o acesso ao crédito no futuro.

Últimos cuidados a ter

Se já analisou o seu caso e tomou uma decisão, deixamos-lhe uma última dica: não se deixe levar por qualquer instituição de crédito. Sobretudo quando vai optar pela consolidação de créditos, tenha sempre o cuidado de fazer negócio com instituições bancárias devidamente registadas e reguladas pelo Banco de Portugal, para não cair na armadilha de se ver envolvido com instituições de crédito sem escrúpulos que depois adotam medidas de cobrança menos éticas.

Veja também:

Marta Maia Marta Maia

Jornalista de formação, trabalhou no Público e na Fugas, mas logo passou para o lado do Marketing. Apaixonada pelo digital e por pessoas, é poupada por natureza e faz questão de tratar o dinheiro com o respeito que ele merece. Ecologista convicta, não dispensa música, livros e boas conversas offline.

O E-Konomista disponibiliza e atualiza informação, não presta serviços de aconselhamento fiscal, jurídico ou financeiro. O E-Konomista não é proprietário nem responsável pelos produtos e serviços de terceiros apresentados, por conseguinte não será responsável por quaisquer perdas ou danos que possam resultar de quaisquer imprecisões ou omissões. A informação está atualizada até à data apresentada na página e é prestada de forma geral e abstrata, tratando-se de textos meramente informativos, pelo que não constitui qualquer garantia nem dispensa a assistência profissional qualificada. Se pretender sugerir uma atualização, por favor, envie-nos a sua sugestão para: [email protected].