Publicidade:

Crédito para estudantes: como funciona e melhores opções

Os custos universitários são elevados. Mas o sonho de estudar pode ser concretizado graças ao crédito para estudantes. Conheça os melhores.

Crédito para estudantes: como funciona e melhores opções
Empréstimos com vantagens para universitários

O mercado de trabalho é cada vez mais competitivo e ter um curso superior assume uma grande importância no mundo atual. Mas as propinas são caras e muitos vêem-se obrigados a recorrer ao crédito para estudantes.

Pedir um empréstimo para completar os estudos é bastante comum e há várias opções disponíveis, seja para licenciatura, mestrado, doutoramento, MBA, pós-graduação, especializações ou cursos de valorização profissional.

Desde que esteja inscrito numa universidade, tenha 18 anos ou mais e um cadastro limpo no Banco de Portugal, à partida, reúne as condições para pedir crédito para estudantes.

Como funciona o crédito para estudantes


crédito para estudantes

O crédito para estudantes universitários funciona de forma um pouco diferente dos demais empréstimos, uma vez que apresenta um maior número de vantagens, nomeadamente:

  • Os estudantes podem receber o montante do crédito de uma vez, ou em tranches convenientes à forma de pagamento do curso;
  • O crédito para estudantes oferece taxas de juro reduzidas comparativamente às aplicadas ao crédito ao consumo;
  • Durante o curso só paga juros, sendo que só depois de terminar a formação é que paga o empréstimo;
  • Os estudantes beneficiam ainda de um período de carência que pode ir dos 6 meses aos 4 anos, o que permite estabilizar a situação financeira antes de começar a pagar;
  • Os prazos de financiamento podem chegar aos 16 anos;
  • Por norma, o crédito para estudantes premeia as boas notas com uma redução no spread;
  • No caso de empréstimo ao Estado este será o fiador, sendo que o aluno beneficia da garantia mútua.

Estado facilita linha de crédito para estudantes


Criada em 2007 e suspensa em 2015, a linha de crédito do Estado para estudantes do ensino superior foi retomada em finais de 2018.

A iniciativa, que conta com financiamento europeu, permite aos alunos universitários pedir um empréstimo aos bancos, tendo o Estado como fiador, e usufruir de taxas de juro mais baixas. As condições do crédito universitário com garantia mútua são:

  • Está acessível a cidadãos nacionais ou detentores de título de residência permanente válido em Portugal;
  • O crédito está disponível tanto para estudantes de instituições públicas como de privadas;
  • Abrange alunos de Cursos Técnicos Superiores Profissionais, licenciaturas, mestrados ou doutoramentos;
  • O valor que cada estudante pode pedir emprestado varia entre mil e cinco mil euros por ano, sendo o valor máximo atribuído o correspondente à soma dos anos do curso;
  • Para os alunos que já tenham iniciado o curso, o empréstimo corresponderá ao número de anos ou meses que faltam para concluir os estudos;
  • O período do empréstimo pode variar entre seis e 10 anos, consoante o ano de frequência em que está;
  • Após conclusão do crédito é dado um período de carência de dois anos, sem qualquer pagamento, e depois o período de pagamento efetivo que deve ser no máximo o dobro da duração do curso, iniciando-se a contagem do prazo na data de contratação do empréstimo;
  • Quem tem bolsa de ação social pode também pedir este crédito usufruindo ainda de uma redução da taxa de juro face aos demais estudantes.

O primeiro banco a disponibilizar a linha com garantia do Estado foi o Millennium BCP.

Empréstimos bancários


Os bancos têm sido o principal recurso dos estudantes quando precisam de dinheiro para pagar o curso superior. O mercado bancário oferece várias opções para quem quer estudar em Portugal, ou até no estrangeiro. Enumeramos quatro das mais vantajosas.

Crédito Universitário com Garantia Mútua – Millenium BCP 

  • Montante de crédito entre mil a 5 mil euros por ano de curso, com um máximo de 30 mil euros;
  • Prazo de disponibilização do capital: de 1 a 6 anos;
  • Durante o período de empréstimo só paga juros;
  • Carência de capital opcional até 2 anos;
  • Prazo de pagamento entre 6 a 10 anos;
  • O dinheiro poderá ficar disponível de uma só vez, ou em tranches mensais, trimestrais, semestrais ou anuais, de igual valor;
  • A liquidação antecipada, parcial ou total, está isenta de qualquer comissão;
  • Sem Comissão de Dossier e de Processamento de Prestação;
  • TAE 1,762%, TAN de 1,749% e Spread de 1,25%.

Crédito Formação do Santander

  • Financiamentos até 50 mil euros para formação em Portugal e no estrangeiro;
  • Prazo de pagamento de 2 até 8 anos;
  • Período de carência de até 4 anos;
  • TAEG de 4,3% para uma TAN de 3,217% (Euribor a 12 meses + spread de 3,5%)
  • Isenção do valor da comissão de formalização do crédito;
  • Redução de spread se a média de valores do estudante for superior a 14 valores.

Crediformação CGD

  • Possibilidade de escolher entre taxa fixa ou variável acrescida de spread;
  • Prazo de financiamento até 10 anos;
  • Pode optar por contratar um seguro dede vida e um seguro proteção ao crédito;
  • Durante a frequência do curso e até 1 ano após a sua conclusão, apenas paga os juros;
  • Caso a Escola tenha Protocolo com a Caixa, há ainda lugar a isenção da cobrança de comissão de estudo e de contratação;
  • TAEG a partir de 4,5% se indexada à Euribor (a 12 meses) ou 4,6% por 5 anos se optar pela taxa fixa.

Crédito Formação do Montepio

  • Montante de financiamento varia entre os dois mil e os 50 mil euros;
  • Prazo de utilização de 12 meses até ao máximo de número de anos do curso;
  • Prazos de pagamento de 120 meses para licenciatura e de 84 meses para restantes formações;
  • Beneficia de um período de carência de 2 anos após terminar o curso;
  • Subscrição obrigatória de um Seguro de Vida, podendo optar por incluir o Plano de Proteção ao Crédito Individual – Acidentes Pessoais;
  • TAEG de 4,7%, para uma TAN de 2,794% (Euribor a 12 meses + spread de 3,15%).

Seja para licenciatura, mestrado, doutoramento ou outras formações de nível superior, os bancos e de novo o Estado oferecem crédito para estudantes com inúmeras vantagens.

Estes financiamentos ajudam a pagar propinas, material informático e outras despesas associadas ao percurso académico, permitindo seguir os estudos e concretizar os objetivos de formação.

Veja também: