Publicidade:

Economia doméstica: regras, princípios e dicas

Um sistema de economia doméstica eficiente e organizado ajuda na gestão do orçamento familiar. Saiba como fazê-lo com disciplina e antecipando imprevistos.

Economia doméstica: regras, princípios e dicas
Gerir uma casa de forma eficiente

Infelizmente, o dinheiro não estica nem cresce nas árvores. Expressões populares que fazem muito sentido num contexto de economia doméstica e da sua gestão. É necessária organização, disciplina e alguma antecipação de situações imprevistas.

É preciso que os membros do agregado familiar, ou os responsáveis pelo orçamento mensal, tenham uma noção clara dos ganhos e gastos. Primeiro, há que encarar as despesas fixas, e a partir daí perceber o que se pode ainda gastar. Fique com algumas dicas para melhor gerir a sua economia doméstica.

Economia doméstica: 10 dicas para uma gestão eficaz

1. Estipular um orçamento mensal

Se reservar algum dinheiro para uma conta poupança, por exemplo, não inclua a quantia neste número. Estamos a falar do valor que vai poder utilizar ao longo do mês. O que sobrar são ganhos, são reservas para emergências. Ao organizar o seu orçamento está já a antecipar imprevistos.

2. Comprar bem e barato

compras

Comprar barato não significa comprar de má qualidade e comprar bem não significa comprar caro. Compre barato ou aproveite promoções quando realmente precisa do produto e quando essa compra compensa.

3. Comprar “porque pode dar jeito”

Esta atitude pode ser prejudicial para uma economia doméstica equilibrada e sustentável. Não compre coisas, mesmo que estas estejam a um preço acessível, sem ver alguma necessidade mais ou menos imediata nelas.

4. Luz e mais luz

Pode parecer uma dica repetitiva e que tem mais a ver com poupança de luz, mas é um facto que uma boa parte do orçamento familiar é dedicado a pagar contas e a da eletricidade é uma das mais significativas. Desligue os eletrodomésticos das tomadas, certifique-se que apaga as luzes ao sair de um quarto, compre eletrodomésticos com classificação A, prefira lâmpadas economizadoras, programe as máquinas de roupa e louça para lavar nas horas de tarifa mais baixa.

5. Ao cozinhar

Não faça uso do forno por cada refeição individual. Aproveite que tem o forno ligado e prepare mais do que um alimento ou refeição. Reutilize a água de cozer legumes para a sopa. Leve almoço para o trabalho/faculdade/escola, aproveite os restos. Se tiver espaço, ter uma pequena horta, ou canteiro para ervas aromáticas pode ajudar a poupar alguns euros e a praticar uma alimentação mais saudável.

6. O tempo dos banhos

Reduza o tempo dos banhos ao indispensável. São litros e litros de água que se podem poupar.

7. Junte a roupa suja ao longo da semana

Com a sua família, façam os possíveis para juntar o máximo de roupa suja possível e assim fazer a utilização necessária da máquina de lavar a roupa. Se calhar, de três máquinas por semana, passa a fazer só duas.

8. Rega

Se tiver jardim ou quintal, programe a rega, ou leve a cabo essa atividade só à noite. Durante o dia, a presença da luz solar vai fazer com que a água evapore mais rápido, obrigando a regar mais vezes.

9. Listas e apps

listas

Não vá ao supermercado sem uma lista de compras. Para se manter dentro da porção do orçamento dedicado a esta atividade, deve ter uma lista detalhada. Consulte folhetos e apps antes de sair de casa.

10. Dívidas

Não se esqueça de incluir as dívidas e prestações no orçamento familiar, para além das contas fixas mensais. Pode planear de forma mais cuidada e até dirigir o dinheiro que sobra para compensar alguns destes pagamentos o mais rapidamente possível.

11. Vender o que já não usa

Móveis, roupas, brinquedos. Venda para ganhar algum dinheiro extra, ou simplesmente doe a quem mais precisa.

12. Dinheiro na mão

No que diz respeito a compras no supermercado, pequenos gastos do dia-a-dia, tente sempre pagar com dinheiro “vivo”, para ter uma noção mais real da fatia do orçamento de que está a cortar.

Veja também:

Júlia Rocha Júlia Rocha

Licenciada em Ciências da Comunicação pela Universidade do Porto, sempre se deu bem com os livros, teclados de computador e canetas. A importância da palavra escrita num mundo tecnológico, aliada à história, ao cinema, literatura e televisão, são os seus maiores campos de interesse.