Publicidade:

Escrever facto ou fato: norma europeia versus norma brasileira

Deve escrever facto ou fato? Se é um dos falantes do Português, norma europeia ou brasileira, com esta dúvida, esteja atento à informação que se segue.

Escrever facto ou fato: norma europeia versus norma brasileira
Tire as suas dúvidas!

No contexto do novo acordo ortográfico, muita polémica subsiste relativamente à sua utilização. Muita tinta correu entre os defensores do novo acordo e aqueles que acreditam que o antigo acordo deveria manter-se. A verdade é que o novo acordo entrou em vigor e, com ele, muitas dúvidas persistem, como é o caso de saber se deve escrever facto ou fato. Se esta é uma das dúvidas que possui, confira a informação que lhe deixamos de seguida e fique esclarecido sobre este assunto.

O Novo Acordo Ortográfico


O novo acordo ortográfico começou a ser adotado pelas escolas portuguesas em setembro de 2011. A partir daí, seguiram-se todos os organismos do Estado, em janeiro de 2012, assim como a maior parte dos órgãos de comunicação, muitas empresas e editoras. Este acordo veio alterar a grafia de 2200 palavras na língua portuguesa, o que pode parecer um pouco avassalador à primeira vista, uma vez que, como sabemos, várias foram as alterações introduzidas.

Assério ou a sério? Aprenda a distinguir

Confira se deve escrever facto ou fato


Na verdade, as duas formas existem na Língua Portuguesa, norma europeia, mas com significados diferentes.

Quando deve escrever a palavra “facto”?

Quando surge a dúvida sobre escrever facto ou fato, deverá lembrar-se de que, na língua portuguesa norma europeia, a palavra “facto”, substantivo masculino, significa um feito, um acontecimento ou um ato. Associadas à palavra “facto”, existem também as expressões “de facto” ao facto de”. Vêm do latim factum, -i, com significado de aquilo de façanha, ato ou proeza.

Pode também ser usado em Direito, como facto jurídico, ou seja, um acontecimento que que pode criar, modificar ou extinguir um direito. Por fim, também poderá referir-se a um facto transeunte, como oposição ao facto permanente, ou seja, aquele que não deixa vestígio, como a injúria verbal.

Exemplos:
Isto é um facto a ter em consideração nas próximas decisões a tomar.
De facto, tens razão relativamente a este assunto.
Esse problema deve-se ao facto de ninguém ter previsto que isto poderia acontecer.
Este casal vive em união de facto.

Mas e o termo “fato”? Também existe, certo?

Em Portugal, a palavra “fato” refere-se ao conjunto de duas, ou mais, peças de vestuário.

Exemplo:
Comprei um fato novo para ir à festa.

E no Brasil?

No Brasil, usa-se a grafia “fato” relativamente ao significado de feito, acontecimento ou ato. É importante referir que estamos perante um caso de dupla grafia, uma vez que ambas as formas de escrita referem-se ao mesmo significado. Na verdade, a dupla grafia não significa que ambas as formas possam ser usadas tanto no português norma europeia como no português do Brasil. Ou seja, Portugal e Brasil mantêm cada um a sua forma especifica de grafia.

Como vê, o novo acordo ortográfico pode parecer confuso à primeira impressão, como, neste caso específico, saber se deve usar facto ou fato. No entanto, também é fácil de ficar esclarecido, com a leitura atenta de algumas regras fundamentais que regulam a sua utilização. Concorde-se ou não com este novo acordo, a verdade é que está em vigor e convém ter conhecimentos concretos acerca do mesmo.

Veja também:

Catarina Mesquita Catarina Mesquita

Licenciada em Línguas e Literaturas Modernas, variante de Estudos Portugueses e Ingleses, Pós-Graduada em Linguística Portuguesa e Mestre em Estudos Portugueses Multidisciplinares, possui experiência de mais de quinze anos ao serviço da educação, da tradução e da escrita.