Publicidade:

Food Guide. O que tem de experimentar quando for à Itália

A gastronomia italiana é uma das mais apreciadas, mas vai muito além de massas e pizzas. Neste food guide de Itália revelamos o que deve experimentar.

Food Guide. O que tem de experimentar quando for à Itália
Em Itália não se come só massas e pizas…

Controlar o que comer pode ser muito difícil em Itália. Neste food guide revelamos as delícias imperdíveis, que vão muito além das massas e pizas e vão deixar água na boa…

Desde especialidades regionais às mais finas iguarias sazonais, seriam necessárias várias semanas para experimentar a melhor comida italiana, e isto sem ter em conta sobremesas ou bebidas.

Se planeia uma viagem a este país, não desespere, porque preparamos uma lista com as melhores e mais típicas comidas italianas que deve experimentar. E não se preocupe em perder a linha: além de muito saborosa, a comida italiana tem muito de saudável.

13 comidas italianas que deve provar


Estes pratos típicos italianos resumem o coração e a alma das várias tradições culinárias que existem um pouco por todo o país. Não nos responsabilizamos por sensações súbitas de fome.

1. Arancini

arancini Fonte: Pexels / Anna Guerrero

São bolinhos de arroz frito, que podem ser encontrados em qualquer lado, seja em bares, restaurantes e bancas de mercado um pouco por toda a Itália.

Normalmente, o bolinho é preenchido com ragu e algum tipo de queijo, ou vegetais, como ervilhas, cogumelos ou beringela.

2. Bife Fiorentino

Bife Fiorentino Fonte: Pexels

Este prato cobre todas as características dos melhor que pode encontrar em Itália: refere-se ao corte específico de carne de vaca Chianina, criada na Toscana. É cozido durante 5 a 7 minutos de cada lado, dependendo da espessura, até que o exterior esteja cozido e o interior permaneça ainda meio encruado.

Hoje, já existem algumas variações do bife florentino, nomeadamente o facto de nem sempre se utilizar carne de um único tipo de vaca.

3. Bottarga

Bottarga Fonte: Wikimedia Commons

Bottarga é “caviar siciliano” e resulta da colheita das ovas das tainhas cinzentas, entre agosto e setembro, feita pelos italianos do sul. As ovas são, depois, salgadas, comprimidas e deixadas a secar ao ar durante seis meses.

O resultado é um pedaço sólido de ovos da cor âmbar, que, quando fatiado, comido ou ralado sobre massas, parecem florescer como se fossem um ramo de flores.

4. Carbonara

Carbonara Fonte: Max Pixel

É possível ir a Itália e apenas comer massa, pois há mesmo muita variedade. Mas a Carbonara é inquestionavelmente uma das mais populares, pela sua simplicidade e facilidade de agradar a diversos paladares.

A sua preparação é fácil e rápida e a receita original inclui: esparguete, ovos, queijo pecorino, guanciale curado – um tipo de bacon, e pimenta preta.

5. Gelato

Gelato Fonte: Max Pixel

Nenhuma viagem à Itália está completa sem um famoso gelado italiano, especialmente no verão, em que sabem tão bem…

Para ter uma experiência verdadeiramente enriquecedora, há duas dicas importantes para encontrar o gelado perfeito:

  • A cor deve parecer natural;
  • Opte por sabores de frutas da época.

6. Lasanha

Lasanha Fonte: Max Pixel

A lasanha é mais um dos pratos italianos muito conhecidos e apreciados. A sua origem, tal como acontece com outras delícias, é bastante disputada e algo de polémica. Todavia, há um ponto indiscutível: foi criada na região de Emilia-Romagna, onde passou de comida de pobre para uma refeição dos mais ricos, tendo-lhe sido acrescentada carne e molho.

Tradicionalmente, a lasanha não era feita com tomates, mas apenas molho de carne cozida, molho bechamel e queijo, geralmente mozarela ou Parmigiano Reggiano.

7. Ossobuco

Ossobuco Fonte: Max Pixel

O mundialmente famoso Ossobuco Alla Milanese refere-se ao pernil de carne de vitela com osso, cozido em lume baixo e lentamente, até se tornar bem tenro, resultando num caldo de carne, temperado com vinho branco e acompanhado de legumes.

Tradicionalmente, é acompanhado por uma gremolata, ou seja, casca de limão, alho e salsa.

Apesar da popularidade deste prato, nem sempre é comum vê-lo nos cardápios de restaurantes, dado ao seu elevado tempo de preparação – no mínimo três horas.

8. Pão

focaccia Fonte: Max Pixel

Existem centenas de tipos de pão em Itália, mas o que sabe melhor é aquele que é consumido mal sai do forno, ainda quente e estaladiço.

A focaccia é outro sucesso no mundo dos pães italianos. Trata-se de uma massa de piza espessa, salgada, regada com azeite e totalmente irresistível. Pode ser consumida assim simples, transformada em sanduiche, ou coberta com alecrim, queijo e azeitonas.

Na Toscana, o pão tem um sabor diferente do que em outros lugares, porque é feito sem sal e consumido com um fio de azeite e ervas ou sal.

Na Sardenha, o pão clássico não se parece muito com o pão mais tradicional, mas sim com o pão pita. É bastante fino e utilizado em momentos mais especiais.

9. Piza

Piza Fonte: Max Pixel

É a comida mais óbvia e a mais representativa de Itália, apesar de a sua existência ter milhares de anos. A piza é uma comida humilde, fácil, barata e muito versátil, que tanto pode ser consumida na refeição principal, como enquanto snack.

O que associa a piza a Itália é o uso do molho de tomate. Isto aconteceu em Nápoles, quando a rainha italiana Margherita atravessou a cidade numa excursão em 1889 e pediu para experimentar este prato, dado que era algo que todos os súditos comiam. Assim, um empresário local serviu-lhe a agora lendária combinação de molho de tomate, mozarela e manjericão – cujas cores simbolizam a bandeira italiana, criando, assim, a famosa piza Margherita, em homenagem à rainha.

10. Polenta

Polenta Fonte: Visual Hunt / wuestenigel

Embora não tenha a diversidade de formatos e texturas que a massa tem, a polenta é o acompanhamento perfeito para uma grande variedade de carnes, especialmente carnes cozidas.

Além disso, é uma das comidas mais reconfortantes que se pode comer quando as temperaturas começam a descer, caracterizando-se como um prato de conforto, seja preparada como mingau ou embalada e frita em formato de bolinhos.

11. Ribollita

Ribollita

Com raízes na cozinha camponesa da Toscana, esta sopa de legumes é engrossada com pão em vez de carne, porque era mais barato e havia em mais quantidade.

É um prato mais consumido no outono, altura em que há uma maior frescura dos ingredientes consumidos, pelo que há uma explosão de sabores, apesar da ausência de carne.

12. Risoto

Risoto Fonte: Max Pixel

Quem é capaz de resistir a um risoto cremoso e luxuoso?

Apesar de não serem os maiores consumidores de arroz, a Itália lidera na produção deste alimento. Seguramente já ouviu falar das variedades Arborio e Carneroli, que, quando misturados com caldo e bem mexidos formam uma espécie de sopa aveludada, que sabe a conforto e casa.

O tipo de risoto mais famoso em Itália é o Alla Milanese, que foi inventado, segundo a lenda, pelos operários que construíram a Catedral de Milão e que usavam açafrão para tingir os vitrais. A determinada altura esse açafrão passou também a ser usado na confeção de arroz.

Outras versões clássicas do prato incluem Risotto al Nero di Sépia (com choco e tinta) e Risi e Bisi (com pancetta e ervilhas), ambos provenientes de Veneza.

13. Supplì

Supplì

Esta especialidade romana encontra-se facilmente em pizarias e é consumida como antipasti, ou seja, como entrada.

São bolinhos de arroz compridos, acompanhados de molho de tomate e um grande pedaço de mozarela no meio.

Qualquer refeição deve terminar com um digestivo, ou seja, um conjunto de bebidas que são apreciadas após uma grande refeição com o objetivo de acomodar o estômago e ajudar a combater a sensação de enfartamento – algo que pode facilmente acontecer após provar todas estas delícias italianas.

Os digestivos mais populares são o limoncello, a grappa, e o sambuca – sendo que este útlimo exemplo tem álcool suficiente para deixar qualquer um tonto…

Esta breve lista, certamente está a cometer injustiças com as saladas saborosas que se pode comer em Itália, para não falar de toda a variedade de pastas, mariscos, queijos, e mesmo dos vinhos. Não importa qual prato escolha para experimentar, a probabilidade de surpreender-se positivamente é muito grande, e o segredo está sempre na perfeita combinação dos ingredientes, geralmente poucos, mas muito frescos e de qualidade.

Buon appetito!

Veja também: