Publicidade:

Ilhas Cíes: um paraíso selvagem ao dobrar a fronteira

As Ilhas Cíes oferecem o que poucos destinos podem oferecer: tranquilidade, encanto, aventura e o serviço de despertar de um pelotão de gaivotas.  

Ilhas Cíes: um paraíso selvagem ao dobrar a fronteira
Aqui ao lado, a pouco mais de 150km do Porto, há um tesouro natural por descobrir

Reza a lenda que Deus terá escolhido as Ilhas Cíes para o merecido descansando após sete longos dias a inventar o mundo. Esta lenda não andará muito próxima da realidade, mas explica-nos o porquê destas ilhas serem igualmente conhecidas pelas denominações Afortunadas ou dos Deuses.

Situadas num arquipélago junto à boca da Ria de Vigo, as Ilhas Cíes fazem parte do Parque Nacional Marítimo-Terrestre das Ilhas Atlânticas da Galiza, e são consideradas um dos maiores exemplares da riqueza de ecossistemas das costas e fundos marinhos atlânticos. Numa publicação de 2007, a sua principal referência (Praia de Rodas) foi distinguida como a mais bonita do mundo pelo influente diário britânico The Guardian.

A opinião divide-se e a discussão sobe de tom quanto ao número de ilhas que constituem o arquipélago. A resposta correcta: três. A ilha de Monteagudo e a Ilha de El Faro, ligadas entre si pela admirável Praia de Rodas, e a Ilha San Martín, separada por algumas centenas de metros de largura do canal Freu da Porta.

Apesar da crescente cobiça associada à distinção como a praia mais bonita do mundo, as incursões diárias às ilhas Cíes estão limitadas e apenas podem ser visitadas durante os meses de Verão, mantendo assim o seu património natural em estado imaculado e apelando à descontração e à harmonia com a natureza; seja a mergulhar nas águas azul-turquesa dignas de um cenário das Caraíbas, a caminhar pelos infindáveis trilhos ou, simplesmente, a descansar nas extensas areias brancas das Cíes.

Guia essencial das Ilhas Cíes: o que precisa saber para esta aventura


Como chegar às Ilhas Cíes?

ilhas cíes como chegar

De carro:

Desde o Porto, apanhar a A3 no sentido Braga — Valença, passar a fronteira de Tui e seguir até Vigo. Outra opção, para quem tiver mais tempo e quiser desfrutar da paisagem litoral, é fazer a A28 no sentido Porto – Vila Nova de Cerveira, descer a noroeste até A Guarda pela nacional espanhola PO-552, e seguir em direcção a Baiona pela PO-552, onde poderá também fazer a travessia de barco para as Ilhas Cíes.

Desde Lisboa, seguir pela A1 com destino ao Porto e, a partir daí, seguir pelo trajecto pretendido e anteriormente sugerido a partir do Porto.

De comboio:

Porto-Campanhã — Vigo Guixias (Comboio Regional): ida e volta 11,95€

Lisboa — Porto-Campanhã (Comboio Intercidades) — Porto-Campanhã — Vigo Guixias (Comboio Regional): ida e volta 40€ + 11,95€

Pode consultar os horários e comprar os bilhetes aqui >>

De autocarro:

Porto — Vigo: ida e volta a partir de 20€
Lisboa — Vigo: ida e volta a partir de 30€

Pode consultar os horários e comprar os bilhetes aqui >>

Chegado a Vigo ou a Baiona, a viagem até às Ilhas Cíes terá que ser feita através de um ferry boat e os valores variam consoante a época do ano: ida e volta a partir de 16€.

Pode consultar os horários e comprar os bilhetes aqui >>

Melhores meses para visitar as ilhas?

ilhas cies espanha

De forma a preservar o seu ecossistema, a visita às Ilhas Cíes só é possível durante os meses de Verão, desde a primeira semana de Junho à primeira de Setembro, e o acesso está limitado a uma lotação máxima de 2200 visitantes por dia. Caso opte pelos meses de maior afluência (Julho e Agosto), recomenda-se a reserva antecipada dos bilhetes de ferry boat e, se for o caso, do parque de campismo.

Onde ficar?

Nas ilhas Cíes não encontrará nenhum hotel nem acomodações providas de grandes mordomias, mas terá a oportunidade de dormir num pequeno parque de campismo com uma vista soberba sobre a lagoa e com um serviço de despertar único, improvisado por um pelotão de gaivotas-prateadas e outro de corvos-marinhos. Basta fazer a mochila, embrulhar o saco-cama e levar a tenda. Caso não seja pessoa de andar com a casa às costas, o parque de campismo dá-lhe a possibilidade de alugar uma tenda e um saco-cama.

Preço por noite a partir de 9,50€ por adulto, 6,90€ por criança e 9,50€ por tenda. No caso de pretender alugar uma tenda de campismo, os preços variam entre os 55 e os 85€, para uma e duas pessoas, respectivamente. Poderá também usufruir da rede Wi-Fi ilimitada disponível no parque de campismo, pelo valor acrescido de 2€ por dia.

Nota: O parque de campismo tem uma lotação máxima de 800 pessoas por noite, sendo recomendável reservar, no mínimo, com duas semanas de antecedência.

Pode consultar os horários e fazer a sua reserva aqui >>

As praias

A Praia de Rodas, considerada pelo Guardian como a mais bonita do mundo é, como expectável, a mais frequentada pelos visitantes. Vale a visita porque é uma praia efectivamente bonita e com um extenso areal a unir as ilhas de Monte Agudo e Faro, mas não é a melhor opção se a ideia é a tranquilidade e o descanso. A sul, pode encontrar a Praia dos Bolos, mais pequena, com menor afluência e com passagem pelo antigo cemitério da ilha.

Mais a sul, a Praia de Nossa Senõra, a mais pequena e agradável praia da ilha. A sua localização torna-a especialmente mais resguardada do vento que se faz sentir nas praias a norte. Uma excelente opção para quem pretende relaxar longe da azáfama dos principais pontos de referência das ilhas.

Se tem um espírito mais descontraído, a Praia de Figueiras (ou Praia dos Alemães), classificada como “praia nudista”, é outra boa opção para passar um dia tranquilo. Uma praia igualmente pequena e abrigada do vento, com as temperaturas das águas mais quentes da ilha, a rondar os 20ºC no Verão.

Existem mais cinco praias ao longo das ilhas. O areal extenso, o mar azul-turquesa, o calor generoso, o ambiente envolvente fascinante, a sensação de plenitude. A reinvenção literal e não distópica do admirável mundo novo sem custos acrescidos. Não precisa de mais nada, porque a vida, essa, parou ali.

O que fazer?

ilhas cíes

Se gosta de caminhadas, este é o seu destino. Ao longo da extensa área de 4,464 km², as Ilhas Cíes têm cinco trilhos pedestres devidamente assinalados, em contacto com uma Galiza em estado selvagem. O trilho de Monte de Farol é o mais movimentado. Um percurso de 6km com ligação ao farol, no ponto mais a sul da ilha, com uma vista única sobre o Atlântico. Para evitar atropelos, o trilho do Alto do Príncipe no sentido inverso é menos concorrido, mais curto e com uma vista igualmente mágica sobre o mar.

As águas das Ilhas Ciés convidam-no a mergulhar, podendo optar pelas diferentes modalidades de desportos aquáticos: o snorkelling (mergulho em apnéia em águas baixas) ou o mergulho clássico, explorando o fundo do mar, numa oportunidade única de nadar entre as diversas florestas aquáticas e de descobrir a espantosa diversidade de espécies existente naquelas águas. Também poderá optar pelo paddle ou por um percurso guiado de caiaque.

Onde comer?

Não há grande escolha. Existem três restaurantes e um mini-mercado com pouco mais de um frigorífico e duas prateleiras. Apenas o Molhe na Praia de Rodas é digno de ser rotulado como restaurante, mas os preços praticados não são propriamente simpáticos. No mini-mercado, o pão deve ser encomendado de véspera e nunca pagará menos do que 5€ por uma banalíssima sandes e uma cerveja. O ideal é abastecer a mochila com algumas das suas comidas favoritas e ir parando à medida que a fome apertar.

Dicas e advertências:

  •  Os baldes e os contentores do lixo não fazem parte do cenário das Ilhas Cíes. Leve um saco na mochila e certifique-se que traz de volta consigo todo o lixo que produz durante a estadia.
  • É estritamente proibido fazer-se acompanhar por cães e outros animais que possam interferir com o ecossistema das ilhas.
  •  Não é permitido levar bicicletas nem qualquer outro veículo.
  •  No barco, a bagagem não poderá ultrapassar os 20kg por passageiro.
  •  Para explorar as águas com equipamentos de mergulho, deverá requerer uma autorização.
  •  Se a sua ideia é percorrer os trilhos, não se esqueça do calçado apropriado.
  •  Para aceder à rede de Wi-Fi disponível no parque de campismo, deverá pedir os dados de acesso durante o check-in ou até à hora de encerramento da recepção.
  •  Insistimos no facto de as ilhas não estarem equipadas com caixotes do lixo. Cabe-lhe a si deixar os espaços limpos, tal e qual como os encontrou.

Veja também: